Frete Grátis
  • Google Plus

1971 - No Auge da Repressão (Cód: 8882596)

Reinoldo Atem

Editora Inverso

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 30,00
Cartão Saraiva R$ 28,50 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

1971 – o texto mais extenso, elaborado e ambicioso até agora do poeta Reinoldo ‘Dia do Trabalho’ Atem – amplia a literatura que dá testemunho sobre o episódio mais trágico e sinistro dos anais de uma terra de história incruenta e de homens cordiais.
Martirológio. Em grego, língua muito prezada pelos barões assinalados da Cultura, mártir quer dizer testemunha.
1971 é um livro sobre mártires e martírios. Testemunhos. Testemunhas. Textimônio.Tristemunhos.
Era uma vez uma república latino-americana onde terror e horror defrontaram-se nas ruas, nos becos, nos subúrbios, nos aeroportos, nas rodoviárias, nas alamedas escuras.
Viu-se então o rosto verdadeiro das tradições cristãs, em cujo nome se justificava tudo aquilo. O escárnio pelos direitos mais elementares do bicho-homem, a certeza da impunidade que nenhum Tribunal de Nuremberg julgaria, produziram um resultado lógico: o sadismo puro e simples, a volúpia pela dor alheia, a humilhação alheia, a abjeção alheia.
A morte é o limite. A dor não é mais um instrumento para extrair confissões. É um fim em si. Uma diversão. Algo que se deve infligir rindo, brincando, gozando. E os senhores da dor e do tormento não viam nenhuma contradição em depois de uma semana surrando, queimando e eletrocutando, ir à missa, ajoelhar-se em frente de um Cristo crucificado, em condições idênticas às dos seus clientes de interrogatório.
Tudo isso se passou, neste 1971, ano simbólico, sem réveillon, nem corrida de São Silvestre, um ano emblemático em que um lado bom das nossas ilusões e esperanças generosas morreu no pau-de-arara.
1971 é inclassificável. Nem romance, nem relato. Um fluxo bruto e brutal de cenas, climas, ambientes. Sem herói nem anti-herói, onde os diálogos atropelam-se, sem a marcação acadêmica dos campos e contracampos da ficção convencional, com começo, meio e fim.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Editora Inverso
Cód. Barras 9788562266836
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788562266836
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2014
Idioma Português
Número de Páginas 80
Peso 0.20 Kg
Largura 15.00 cm
AutorReinoldo Atem

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: 1971 - No Auge da Repressão