Frete Grátis
  • Google Plus

A Arte da Serenidade (Cód: 2612120)

Prather, Hugh

Sextante / Gmt

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 14,90
Cartão Saraiva R$ 14,16 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


A Arte da Serenidade

R$14,90

Descrição

RESENHA:

“A serenidade afasta o medo e o conflito ao resgatar nossa disposição para ver além das aparências. Os pensamentos e exercícios deste livro incitarão você a se tornar sereno e sincero, de modo que possa enxergar com clareza as bases da felicidade.” Hugh Prather

Autor de Não leve a vida tão a sério, que já vendeu 350 mil exemplares no Brasil, Hugh Prather mais uma vez usa o seu profundo conhecimento da alma humana para nos ajudar a encontrar o equilíbrio emocional, físico e mental e a encarar as dificuldades com uma postura positiva e serena. Por que relutamos tanto em perdoar? Por que julgamos os outros? Por
que sabotamos nossa própria felicidade? Por que vivemos eternamente inconformados e cheios de culpa?
Em A arte da serenidade, Prather responde a essas questões e levanta muitas outras. Seu objetivo é nos fazer refletir sobre o que nos impede de ser livres, de ter uma relação mais verdadeira com Deus e de desenvolver a sabedoria e a compaixão. Trazendo meditações, exercícios, pensamentos e orações, este livro revitaliza nossa auto-estima, resgata nossa fé e nos faz abrir os olhos e a mente para aquilo que realmente importa: o amor - por nós mesmos e por tudo aquilo que nos cerca.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Sextante / Gmt
Cód. Barras 9788575424452
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788575424452
Profundidade 1.00 cm
Número da edição 1
Ano da edição 2008
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 112
Peso 0.20 Kg
Largura 14.00 cm
AutorPrather, Hugh

Leia um trecho

Histórias e experiências O mundo conta muitas histórias. Muitas vezes, elas começam com esperança e terminam com desespero. sem dúvida, há mais dor e sofrimento no mundo do que achamos que podemos suportar. Mas existe uma outra história, que já começou e que não terá fim. ela surge da beleza absoluta, ainda que freqüentemente não possa ser encontrada nos acontecimentos do mundo. Essa história poderia ser chamada de Balada divina, uma antiga canção contida em todos os corações. ela é capaz de trazer paz a qualquer mente; seu lirismo e sua delicadeza podem ser sentidos por qualquer pessoa. Ela é um presente de Deus, é a sua herança e a minha, e não pode jamais ser perdida ou abandonada. Neste livro, procuro oferecer alguns meios de fazer nossas mentes aprenderem a ouvir a canção de nossos corações e experimentar uma fé crescente na verdade que há por trás de nossos medos e infortúnios. Obviamente, a tranqüilidade e a plenitude não podem se basear em algo que está sempre mudando. É fundamental encontrar caminhos que nos ajudem a vivenciar uma realidade mais confiável do que a desconcertante e breve jornada de nossos corpos. nestas páginas, sugiro algumas maneiras de fazer isso, tentando explicá-las de forma simples e direta para provocar experiências que reacendam a chama da esperança – porque a esperança pode fazer com que olhos há muito fechados à beleza, por fim, se abram. O medo e o conflito criam confusão mental em muitos de nós. Causam dispersão, desunião, mantêm nossas mentes vulneráveis e tornam nossas vidas difíceis e assustadoras. Há ocasiões em que não sabemos nem mesmo o que tememos, evitamos coisas que não temos certeza se existem. A serenidade afasta o medo e o conflito ao resgatar nossa disposição para ver além das aparências. Os pensamentos e exercícios deste livro incitarão você a se tornar sereno e sincero, de modo que possa enxergar com clareza as bases da felicidade. Essas bases jamais serão comparativas. a verdadeira gratidão não está na percepção de que os outros têm menos ou sofrem mais do que você; ela está no reconhecimento de que o amor traz em si um valor duradouro e de que não existem limites para a sua abrangência. Graças à existência dele, nós podemos ser livres. Hugh Prather 16 de novembro de 2003 Tucson, Arizona Propósitos deste livro Há dois níveis de percepção. o primeiro é como um sonho, cheio de conflitos, emoções, vitórias e perdas. o segundo reflete o amor e traz consigo uma sensação de eternidade e imutabilidade. Sempre podemos distinguir qual dessas percepções estamos utilizando pela maneira como nos sentimos. No início de nossa jornada, a percepção do amor pode parecer surgir e, em seguida, desaparecer rapidamente. Para muitos de nós, haverá longos períodos de relativa desolação. entretanto, estarão presentes uma inocência crescente e uma convicção cada vez maior de que um amigo caminha ao nosso lado e segura nossa mão com delicadeza. Por fim, fica claro que não fomos abandonados pela realidade, que apenas decidimos desviar os olhos por alguns instantes. Todos nós passamos por tragédias em nossas vidas; algumas pessoas encaram dramas maiores do que outras, porém todos nós conhecemos o medo e a perda. Mas também vivenciamos o triunfo e a alegria. Às vezes o mundo parece perigoso; outras vezes, cheio de esperança. No entanto, a única coisa que ele nunca poderá nos dar é a constância. Por causa disso, sentimos que não podemos jamais baixar a guarda e relaxar. o mundo requer uma vigilância permanente. O que devemos fazer para entender que a realidade nunca mudou? Precisamos apenas abrir os olhos. Em vez de começar mais uma busca inútil por pequenas vantagens, precisamos olhar para a essência daquilo que está em constante mudança, porque essa busca não pode nos dar o que de fato queremos: um lar verdadeiro que não pode ser destruído, perdido ou traído. Em vez do caos, precisamos escolher o amor, não apenas porque ele é justo com todos, mas porque retrata uma realidade simples, a única que existe. Reconhecer o amor como real significa jamais desejar entrar em confronto. Damos as costas a um mundo de conflitos, nos afastamos da inútil e eterna luta e passamos a aceitar a liberdade. Cada vez que praticamos o amor, abrimos um pouco mais os olhos para ele. O amor é nosso meio e nosso fim. É nosso lar, nossa Família e nossa Identidade. Talvez acordar para o amor pareça algo despropositado. Há sempre tanto a fazer, tantas coisas a considerar. Talvez o amor pareça sem sentido diante da tragédia e da desgraça, ou pessimista à luz da beleza e do esplendor que também nos cercam. Há inúmeras razões para não acreditarmos em outra realidade. Mas se nos concentrarmos nelas, seremos incapazes de vivenciar a liberdade e a alegria de uma paz que não está sujeita a acontecimentos externos, porque a felicidade depende do futuro e o futuro não pode ser controlado. Sabemos que Deus não pertence a uma religião específica nem a um conjunto de crenças. sabemos até mesmo que tentar definir o divino é tão inútil quanto tentar perpetuar a beleza de uma borboleta prendendo-a num quadro. este livro não pretende explicar o mundo nem ensinar como fazê-lo funcionar. em vez disso, ele representa o meu desejo de apresentar percepções diferentes e alternativas da paz de Deus, que é apenas uma palavra e não descreve a dimensão da serenidade que nos cerca e nos completa. É hora de deixarmos de lado nossas presunções e, juntos, nos regozijarmos com o amor que conforta todos os seres. Estenda sua decisão de entregar-se a Deus a todas as partes do seu ser e a todos os momentos da sua vida. Inclua tudo e todos. Faça disso o pensamento com o qual você acorda e a meta que você acalenta em seu sono. não deixe de iluminar ninguém e, assim, sua luz começará a penetrar em cada brecha, até que você reconheça que jamais se afastou do amor e que você é o filho, o significado e a alegria de Deus. Palavras de encorajamento Potencial O seu potencial de cura é ilimitado. Você nunca sentiu que tem algo de valor a oferecer às pessoas? Nunca percebeu a capacidade que tem de alegrar o coração de alguém? Você não é gentil, não inspira os outros? Nunca ajudou alguém a não se sentir isolado ou incompreendido em alguma ocasião? Então você não acha que vale a pena usar todo esse potencial de forma mais plena e constante? Seu potencial é o amor. E o amor é Deus. Fazer os outros felizes fará muito mais por você do que se você tentar ser feliz. Isso irá começar a libertar o mundo da dor e a transformar o inferno em paraíso. Sabedoria Esta é uma lição fundamental: o verdadeiro perdão é a chave para a felicidade, para o simples gostar, para o contentamento sincero, para dar alegria aos outros, para viver o momento presente e para ter a certeza de que somos livres. simplesmente perdoe, relaxe, livre-se das antipatias e dos rancores, esqueça as mágoas e preocupações, afaste as recordações tristes e as expectativas dolorosas. Soltese das amarras, liberte-se e você verá a terra florescer e seu coração se alegrar. Perdoe e seja feliz. esse é o antigo segredo, o ensinamento interior, a resposta oculta, o conhecimento perdido, a mensagem serena e a única sabedoria que pode ser adquirida. Controle Desvio-me daquilo que não posso aperfeiçoar e me aproximo daquilo que posso. se não tenho condições de curar meu corpo, tenho condições de curar minha mente e, assim, me libertar para tomar decisões sensatas. eu escolho o que me preocupa. o pensamento pode ser dirigido tanto para o caos quanto para a quietude. Posso optar por não esboçar infinitamente as “causas” das minhas dificuldades e projetar, no futuro, as suas limitações e agonias. se não posso evitar que certas pessoas me condenem, posso parar de analisar seus motivos e deixar de defender meus atos. não importa de quais aspectos eu não goste ou tenha medo, posso interromper minhas desgastantes tentativas de torná-los perfeitos. lAmoro amor é a única realidade que pode unir as pessoas, as plantas, os animais de estimação, os objetivos, as necessidades e as possibilidades. nos braços do amor, as peças quebradas são re mendadas.todas as esperanças perdidas, todas as plantações ceifadas, todas as canções terminadas, todas as vidas desperdiçadas e toda luz encoberta são restauradas, preservadas e apreciadas. e permanecem, para sempre e em paz, dentro de mim e de todas as pessoas. e o que preciso fazer para vivenciar essa bênção? apenas ser misericordioso. Misericordioso em meus pensamentos e ações. Misericordioso na maneira como vejo e ouço. Misericordioso com meu corpo e meu espírito, até mesmo com meu ego. Porque aquilo que se assemelha ao amor está contido no amor. simplesmente seja bondoso e o reino de todos os reinos o cercará.

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: A Arte da Serenidade