Frete Grátis
  • Google Plus

A Barca Branca (Cód: 2577079)

Perestrello,Marialzira

Nova Razão Cultural

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 20,00
Cartão Saraiva R$ 19,00 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Não é de hoje a imagem da barca. Enquanto mito e metáfora, ela é antiqüíssima. É a nave dos loucos, da iconografia medieval. É o bateau Livre, de Rimbaud. É uma embarcação maldita, como aquela de onde o antigo marinheiro matou um albatrós, na balada de Coleridge, recebendo por isso um castigo terrível, ou aquela em que o holandês errante, na ópera de Wagner, foi condenado a navegar para sempre, como punição por sua blasfêmia. É também uma embarcação onírica, realização de desejo no mais puro sentido freudiano, como aquela sonhada por Jenny, na balada de Bert Brecht e Kurt Weil, em que um navio com oito velas e cinqüenta canhões vinga a heroína por todas as humilhações sofridas e desaparece com ela, rumo ao país da perfeita justiça.
Em todos esses exemplos, o que conta é a viagem, com um começo e um fim definidos. A viagem, ainda que simbólica, começa com a partida e termina, ou deveria terminar, com a chegada. É um processo temporal irreversível. No entanto, há um tipo de embarcação cujo objetivo não é propriamente uma viagem, e sim uma travessia, travessia sempre recomeçada, inscrita num tempo cíclico, aberto, em que cada chegada já é retorno, início de uma nova partida. Essa barca não está a serviço da viagem, e sim do trânsito, da passagem. São desse tipo as balsas, que ligam as duas margens de um rio. São desse tipo, também, as embarcações que ligam um continente a uma ilha, como a barca Durande, nos Trabalhadores do mar, de Victor Hugo, em seu interminável movimento pendular entre Saint-Malo e a ilha de Guernesey.
É assim a barca branca de Marialzira Perestrello. É a barca de Paquetá, também encarregada de ligar a terra firme a uma ilha, e tão cheia de significações míticas quanto a Durande, porque não se trata de uma ilha qualquer, e sim do lugar da felicidade perdida. Paquetá foi o locus amoenus em que ela se refugiava com seu marido Danilo, psicanalista como ela, numa casa de praia, numa baía ainda não poluída. Nessa casa o tempo parava, até o momento da volta ao Rio e à vida profissional. A barca simboliza tudo isso, embora nem sempre o casal a utilizasse, porque Danilo, navegador como outro Perestrello, seu antepassado remotíssimo, tinha sua própria lancha. Não importa: a barca, mesmo parada, é traço de união entre a ilha e o continente, entre o mundo do prazer e o do trabalho. (Sergio Paulo Rouanet)

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Nova Razão Cultural
Cód. Barras 9788560001095
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 8560001095
Acabamento Brochura
CONSUMÍVEL Não
Número da edição 1
Ano da edição 2007
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 80
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorPerestrello,Marialzira

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: A Barca Branca