Frete Grátis
  • Google Plus

A Construção de Conceitos Matemáticos e a Prática Docente (Cód: 195419)

Lopes,Sergio Roberto; Viana,Ricardo Luiz; Lopes,Shiderlene Vieira de Almeida

Ibpex

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 35,00
Cartão Saraiva R$ 33,25 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Ao revelarem os processos e procedimentos implicados na construção dos conceitos matemáticos, sua fundamentação e detalhamento, os autores deste livro realizam um percurso estrutural que com certeza será esclarecedor e viabilizador das práticas docentes no que se refere à construção dos conceitos básicos desta ciência e que de desenvolvem durante os primeiros anos de aprendizagem, mas cuja influência prolonga-se por todo o percurso de desenvolvimento do raciocínio matemático como fator determinante, facilitador, para adentrarmos nos aspectos constitutivos intrínsecos das verdades matemáticas. Um livro útil pelo seu conteúdo, imprescindível por suas práticas metodológicas.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Ibpex
Cód. Barras 9788576490951
Altura 22.00 cm
I.S.B.N. 8576490951
Profundidade 0.50 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2005
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 89
Peso 0.18 Kg
Largura 15.50 cm
AutorLopes,Sergio Roberto; Viana,Ricardo Luiz; Lopes,Shiderlene Vieira de Almeida

Leia um trecho

Um Pouco de História A matemática teve sua origem na necessidade de sobre vivência do ser humano, que por milênios traçou sua história como ferramenta para essa sobrevivência. No princípio dessa história, essa ferramenta era usada diretamente para contar ou verificar uma determinada quantidade ou para verificar a exatidão de um negócio. Com o desenvolvimento de nossa raça, a ferramenta evoluiu e, aos poucos, tornouse tão essen cial quanto abstrata, em sua maior parte. A matemática ensinada nos primeiros anos escolares distanciou-se do seu antigo papel de ferramenta para o desenvolvimento. Tal fato deve-se, principalmente, ao desenvolvimento tecnológico de nossa civilização. É difícil identificar o quanto de matemática existe, quando uma pequena nave terrestre pousa no solo de nosso “planeta irmão” Marte ou se existe matemática proporcionando fundamentação às imagens obtidas por um exame de ressonância magnética ou outro exame qualquer. A cargo do professor, está hoje, a difícil tarefa de deixar claro às crianças que nem tudo que se rea liza em uma sala de matemática vai lhes explicar alguma coisa da sociedade em que elas vivem, mas que, sem dúvida alguma, o que elas estão aprendendo é ingrediente indispensável ao entendimento de tudo que existe ao nosso redor. Acreditamos que a matemática é a ferramenta que melhor descreve nosso mundo, desde a explicação do motivo pelo qual as pessoas tendem sempre a pisotear as bordas dos bonitos gramados de nossas praças para diminuir em alguns metros sua caminhada, até a explicação formal de porque o ano não tem uma quantidade exata de dias, horas, minutos e segundos. Como menciona Nunes e Bryant1 (...) a matemática é uma matéria escolar, porém no que tange às crianças é também uma parte importante das suas vidas cotidianas: sem matemática elas ficarão desconfortáveis não apenas na escola, mas em uma grande parte de suas atividades cotidianas: quando partilham bens com seus amigos, planejam gastar suas mesadas, discutem sobre velocidade e distâncias, viajam e têm que lidar com moedas diferentes e quando finalmente têm que lidar com o mundo do dinheiro, de compras e vendas, hipotecas e apólices de seguro, precisam de habilidades matemáticas. Em outras palavras, matemática é um ente vivo que faz parte da vida da gente. Por outro lado, não podemos deixar de apontar que a matemática tem alguns aspectos que a diferenciam de outras áreas do conhecimento. O ensino de matemática é sempre baseado em ensi namentos anteriores, ou seja, ele é seqüencial e dificilmente um estudante aprende a dividir se não tiver aprendido a somar, subtrair e multiplicar. Mais que isso, não se pode pular etapas neste processo de aprendizagem. Acrescenta-se aí o fato da aprendizagem ser baseada em raciocínio crítico e lógico e tem-se os ingredientes necessários para fazermos da matemática o “vilão” da história da aprendizagem de muitas crianças do mundo todo. Mas vamos começar nossa caminhada através da metodologia do ensino de matemática, observando como essa área da ciência desenvolveu-se ao longo da história da humanidade. Vamos observar que a humanidade, como um todo, percorre, por muitas vezes, os mesmos passos, para o entendimento de uma idéia, que as crianças em idade escolar. 1.1 A origem dos números Uma as formas de iniciar um estudante ao mundo da matemática é lhe dar uma boa base sobre como todo esse conhecimento foi adquirido pela humanidade e quais foram os motivos que levaram nossa raça a desenvolver tais conhecimentos. Certamente você, bem como todas as crianças a partir dos primeiros anos de vida, já usou números incontáveis vezes. Mas, já parou para pensar em como surgiram os números? Será que a contagem nasceu junto com os números? Como os números foram criados? Formule suas próprias respostas a essas perguntas e só depois prossiga com a leitura. Para iniciarmos nossas descobertas sobre a origem dos números, teremos que desvendar um pouco da história da humanidade explicitado a seguir, baseado em Boyer2 – e descobrir quais foram as necessidades que levaram ao desenvolvimento dos números e da contagem. Nesse processo de redescobrimento, necessitamos fazer uso de técnicas desenvolvidas pela humanidade, como os estudos das ruínas das civilizações, de fósseis, da linguagem escrita e a avaliação do comportamento de diversos grupos étnicos desde o princípio dos tempos.

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: A Construção de Conceitos Matemáticos e a Prática Docente