Frete Grátis
  • Google Plus

A Garota Que Eu Quero (Cód: 4943652)

Zusak,Markus

Intrinseca

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 24,90 R$ 18,70 (-25%)
Cartão Saraiva R$ 17,77 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

O Rube nunca amou nenhuma delas. Nunca se importou com elas. Nem é preciso dizer que Rube e eu não somos muito parecidos em matéria de mulher. Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele? Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo: as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Intrinseca
Cód. Barras 9788580573732
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788580573732
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Tradutor Vera Ribeiro
Número da edição 1
Ano da edição 2013
Idioma Português
Número de Páginas 176
Peso 0.26 Kg
Largura 16.00 cm
AutorZusak,Markus

Leia um trecho

Capítulo 1

Foi ideia da namorada do Rube fazer os picolés de cerveja, não
minha.
Vamos começar por aí.
Foi um acaso ter sido eu quem saiu perdendo por causa disso.
Sabe, sempre achei que mais cedo ou mais tarde eu ia crescer, mas
isso ainda não tinha acontecido. Simplesmente era assim.
Para ser sincero, eu me perguntava se algum dia chegaria a hora de
Cameron Wolfe (esse sou eu) se dar bem. Imaginara um eu diferente.
Era diferente porque, naqueles momentos, eu achava que realmente
me tornaria um vencedor.
A verdade, porém, era dolorosa.
Era uma verdade que me dizia, com uma brutalidade interna contundente,
que eu era eu e que vencer não vinha naturalmente para
mim. Era algo pelo qual tinha que lutar, nos ecos e nas pegadas trilhadas
da minha mente. De certo modo, eu tinha que garimpar esses
momentos de satisfação.
Eu me masturbava.
Um pouquinho.
Certo.
Certo.
Muito.
(Já me disseram que não se deve admitir esse tipo de coisa muito
cedo, porque as pessoas podem se ofender. Bem, tudo que posso dizer
é: por que diabos não? Por que não dizer a verdade? Caso contrário,
isso tudo não tem sentido, tem?
Tem?)
Eu queria apenas ser tocado por uma garota, um dia. Queria que ela não me
olhasse como se eu fosse um perdedor imundo, rasgado, meio risonho e meio carrancudo
que tentava impressioná-la.
Os dedos dela.
Na minha cabeça, eles eram sempre suaves, descendo pelo peito até minha barriga.
As unhas correriam por minhas pernas, bem de leve, enchendo minha pele de
arrepios. Eu sempre imaginava isso, mas me recusava a crer que fosse pura questão
de tesão. E posso dizer isso porque, nos meus devaneios, as mãos da garota paravam
sempre no meu coração. Todas as vezes. Eu dizia a mim mesmo que era ali que
queria que ela me tocasse.
Havia sexo, é claro.
Nudez.
Sempre presente, entrando e saindo dos meus pensamentos.
Mas, quando acabava, era pela voz murmurante dela que eu ansiava, e por um ser
humano enroscado em meus braços. Só que, para mim, não era apenas uma porção
de realidade. Eu estava engolindo visões e me espojando em minha própria mente,
com a sensação de que poderia me afogar, satisfeito, dentro de uma mulher.
Nossa, como eu queria isso.
Queria me afogar dentro de uma mulher, no sentimento e no enlevo do amor
que poderia lhe dar. Queria que a intensidade da pulsação dela me esmagasse. Era
isso que eu queria. Era isso que eu queria ser.
Mas.
Não era.
As únicas provinhas que eu conseguia eram uma olhadela aqui e outra ali, e minhas
esperanças e visões dispersas.
Os picolés de cerveja.
É claro.
Eu sabia que estava esquecendo alguma coisa.
Tinha sido um dia quente para o inverno, embora o vento continuasse frio. O sol
estava quente e meio pulsante.
Estávamos sentados no quintal, ouvindo o programa das tardes de domingo sobre
futebol americano e, com toda a franqueza, eu olhava para as pernas, os quadris, o
rosto e os seios da namorada mais recente do meu irmão.
O irmão em questão é o Rube (Ruben Wolfe) e, no inverno de que estou falando,
ele parecia ter uma nova namorada a cada poucas semanas. Às vezes eu os ouvia,
quando estavam no nosso quarto — um chamado ou grito, um gemido ou até um
sussurro de êxtase. Eu tinha gostado da última namorada dele desde o começo, lembro
bem. O nome dela era bonito: Octavia. Era artista de rua, além de simpática,
comparada a algumas das vadiazinhas que o Rube havia levado para casa.
Nós a conhecemos no porto, em uma tarde de sábado no fi m do outono — ela
estava tocando gaita, com uma jaqueta velha estendida a seus pés na qual as pessoas
jogavam trocados. Havia um monte de dinheiro nela, e Rube e eu fi camos assis-
tindo, porque ela era muito boa mesmo e arrebentava com aquela gaita. Às vezes
as pessoas fi cavam por perto e aplaudiam quando ela terminava. Até o Rube e eu
jogamos dinheiro na jaqueta a certa altura, logo depois de um velhote de bengala e
pouco antes de uns turistas japoneses.
Rube olhou para ela.
Ela olhou para ele.
Em geral, era só o que precisava, porque aquele era o Rube. Meu irmão nunca
tinha que realmente dizer nem fazer nada. Bastava fi car parado em algum lugar, ou
se coçar, ou até mesmo tropeçar no meio-fi o, e alguma garota começava a gostar
dele. Era assim com todas, e foi assim com a Octavia.
— E aí, onde você mora? — perguntou Rube.
Lembro-me do verde-mar dos olhos dela elevando-se naquele momento. Rube já
ganhara a garota, eu sabia.
— Na zona sul, em Hurstville. E você?
Rube virou-se e apontou.
— Sabe aquelas ruas feiosas depois da Estação Central?
Ela fez que sim.
— Bom, é lá que nós moramos.
Só o Rube poderia fazer aquelas ruas horrorosas parecerem o melhor lugar do
mundo — e, com aquelas palavras, ele e Octavia tinham começado.
Uma das melhores coisas na Octavia era que ela realmente reconhecia a minha
existência. Não me olhava como se eu fosse um obstáculo entalado entre ela e o
Rube. Sempre perguntava: “Como vão as coisas, Cam?”
A verdade é que...
O Rube nunca amou nenhuma delas.
Nunca se importou com elas.
Só as queria por serem as próximas, e por que não fi car com a próxima se era
melhor que a anterior?
Nem é preciso dizer que Rube e eu não somos muito parecidos em matéria de
mulher.
Mesmo assim.
Eu sempre gostei da Octavia.
Gostei quando entramos em casa naquele dia, abrimos a geladeira e vimos uma
sopa de três dias, uma cenoura, um treco verde e uma lata de cerveja lá dentro. A
gente se inclinou e fi cou olhando fi xamente.
— Perfeito.
Isso foi o Rube quem disse, em tom sarcástico.
— O que é aquilo? — perguntou Octavia.
— O quê?
— Aquela coisa verde.
— Não faço a mínima ideia.
— Um abacate?
— Grande demais — observei.
— Que diabo é aquilo? — perguntou Octavia de novo.
— Quem se importa? — intrometeu-se Rube.
Estava de olho na cerveja. O rótulo era a única coisa verde para a qual olhava
fi xamente.
— É do papai — disse eu, ainda fi tando a geladeira.
Nenhum de nós se mexeu.
— E daí?
— Daí que ele foi ver o jogo de futebol americano do Steve com a mamãe e a
Sarah. Pode querer tomar uma cerveja quando chegar.
— É, mas ele também pode comprar mais no caminho.
O seio de Octavia roçou no meu ombro quando ela se virou e saiu andando. Foi
tão agradável que me fez estremecer.
Imediatamente, Rube esticou a mão e pegou a cerveja:
— Vale a pena arriscar — declarou. — De qualquer jeito, o velho tem andado de
bom humor nos últimos dias.
Ele tinha razão.
Um ano antes ele estava bem chateado por ter perdido o emprego. Agora tinha
bastante trabalho e, em um ou outro sábado, me pedia para ajudá-lo. Rube também.
Meu pai é bombeiro hidráulico.
Sentamos à mesa da cozinha, os três.
Rube.
Octavia.
Eu.
E a cerveja, suando no centro da mesa.
— Bem?
A pergunta foi do Rube.
— Bem o quê?
— Bem, que diabos vamos fazer com essa cerveja, seu idiota?
— Vamos fi car calminhos, tá legal?
Todos demos sorrisos tortos.
Até a Octavia sorriu, porque já estava acostumada com o jeito que Rube e eu
falamos um com o outro, ou, pelo menos, o jeito que Rube fala comigo.
— Vamos dividir em três? — continuou ele. — Ou cada um toma um gole?
Foi então que Octavia teve a grande ideia.
— Que tal fazermos picolés de cerveja?
— Isso é uma piada de mau gosto? — perguntou Rube.
— É claro que não.
— Picolés de cerveja? — Rube deu de ombros e pensou um pouco. — Bem,
acho que sim. Está bem quente, não é? Nós temos um daqueles troços de plástico
para fazer picolé? Você sabe, com os pauzinhos?
Mas Octavia já investigava os armários, e encontrou o que estava procurando.
— Na mosca.
Sorriu (e tinha uma boca adorável, com dentes certinhos, brancos, sensuais).
— Está bem.
Agora a coisa era séria.
Rube abriu a cerveja e já ia servi-la, em quantidades iguais, é claro.
Interrupção.
Eu.
— Não devíamos lavar essas formas ou sei lá o quê?
— Por quê?
— Bom, elas provavelmente passaram uns dez anos nesse armário.
— E daí?
— Daí que devem estar todas mofadas e nojentas e...
— Será que eu posso servir a porcaria da cerveja?
Todos rimos de novo, tensos, e por fi m, com muito cuidado, Rube serviu três
porções iguais de cerveja nas formas de picolé. Prendeu os palitos em cada forma de
modo que fi cassem de pé.
— Certo. Graças a Deus por isso — disse ele, andando lentamente para a geladeira.
— No congelador — recomendei.
Rube parou no meio do caminho, virou-se para trás devagar, com cuidado, e disse:
— Você me acha mesmo ridículo o bastante para pôr uma cerveja que acabei de
tirar da geladeira, e de servir em formas de picolé, de volta na geladeira?
— Nunca se sabe.
Ele se virou de novo e continuou andando.
— Octavia, abra o congelador, sim?
Ela o fez.
— Obrigado, querida.
— Sem problemas.
E então era só uma questão de esperar os picolés endurecerem.
Passamos um tempo sentados na cozinha até Octavia perguntar — para Rube:
— Está a fi m de fazer alguma coisa?
Com a maioria das garotas, essa seria a minha deixa para cair fora. Mas, com
Octavia, eu não tinha certeza. Mesmo assim, fui saindo.
— Aonde você vai? — perguntou Rube.
— Não sei.
Saí da cozinha, peguei minha jaqueta para mais tarde e fui para a varanda da
frente. Já quase lá fora, mencionei:
— Talvez à pista de corridas de cães. Talvez só dar umas voltas por aí.
— Tudo bem.
— Até logo, Cam.
Com uma última olhada para Rube e Octavia, percebi o desejo nos olhos deles.
Octavia desejava Rube. O desejo de Rube era por uma garota, só isso. Bem simples,
na verdade.
— Até — respondi, e fui embora.
A porta de tela bateu atrás de mim.
Meus pés se arrastaram.
Vesti um braço da jaqueta, depois outro.
Mangas quentes.
Colarinho amarrotado.
Mãos nos bolsos.
Tudo certo.
Saí andando.
A noite logo tomou o céu e a cidade se encolheu. Eu sabia aonde estava indo.
Sem saber, sem pensar, sabia. Ia à casa de uma garota. Uma garota que eu conhecera
no ano anterior, na pista de corrida de cães.
Ela gostava.
Ela gostava.
Não de mim.
Gostava do Rube.
Tinha até me chamado de perdedor uma vez, quando estava conversando com
ele, e eu entreouvi meu irmão dar-lhe um fora e empurrá-la para longe.
O que eu fazia naqueles tempos era fi car parado em frente à casa dela, do outro
lado da rua. Ficava lá, olhava, vigiava e torcia. E ia embora, depois que as cortinas
fi cavam fechadas por algum tempo. O nome dela era Stephanie.
Naquela noite, na qual hoje penso como a noite dos picolés de cerveja, fi quei lá,
olhando fi xamente, um pouco mais que de costume. Parado, imaginei-me indo para
casa com ela e abrindo a porta para ela. Imaginei com afi nco, até que uma dor funda
me virou pelo avesso.
Fiquei ali.
A alma do lado de fora.
A carne do lado de dentro.
— Enfi m.
Era uma boa caminhada, porque ela morava em Glebe, e eu, mais perto da Central,
em uma ruazinha com bueiros desnivelados e uma linha de trem passando ali
perto. Mas eu estava acostumado — com a distância e com a rua. De certo modo, na
verdade sinto orgulho de onde venho. Da casa pequena. Da família Wolfe.
Muitos minutos se arrastaram enquanto eu voltava para casa e, quando vi o pequeno
furgão do meu pai na nossa rua, cheguei a sorrir.
As coisas vinham mesmo correndo bem para todo mundo, ultimamente.
Para Steve, meu outro irmão.
Para Sarah, minha irmã.
Para a Sra. Wolfe — a resiliente Sra. Wolfe, minha mãe, que faz faxina em casas
e no hospital para ganhar a vida.
Para Rube.
Para o papai.
E para mim.
Por alguma razão, ao voltar para casa naquela noite, eu me sentia tranquilo. Feliz
pela minha família inteira, porque as coisas realmente pareciam estar indo bem para
ela. Para todos os meus familiares.
Um trem passou a toda, e eu tive a sensação de ouvir a cidade inteira nele.
Veio na minha direção e depois deslizou para longe.
As coisas sempre parecem deslizar para longe.
Chegam até a gente, fi cam por um momento e tornam a partir.
Naquele dia, o trem pareceu um amigo e, quando foi embora, senti alguma coisa
dentro de mim tropeçar. Estava sozinho na rua e, embora continuasse sereno, a
breve felicidade havia acabado e uma tristeza me dilacerou, bem devagar e com
determinação. As luzes da cidade brilharam no ar, estendendo-me os braços, mas eu
sabia que elas nunca me alcançariam de verdade.
Recompus-me e entrei na varanda da frente. Dentro de casa, estavam falando de
picolés e do caso da cerveja desaparecida. Na verdade, eu estava ansioso para tomar
a minha parte, embora jamais consiga terminar uma lata ou garrafa inteiras de cerveja.
(Simplesmente perco a sede, ao que Rube disse, certa vez: “Eu também, cara,
mas continuo bebendo mesmo assim.”) Mas a ideia do picolé era pelo menos meio
interessante, e eu estava pronto para entrar e experimentar.
— Eu ia tomar aquela cerveja quando chegássemos — ouvi meu pai dizer, pouco
antes de entrar em casa. Havia um toque de maldade em sua voz. — E de quem
foi a brilhante ideia de fazer picolés com a minha cerveja, quer dizer, minha última
cerveja, aliás? De quem foi?
Houve uma pausa.
Uma longa pausa.
Silenciosa.
E então, fi nalmente, veio a resposta, no momento em que entrei na casa.
— Minha.
A única pergunta é: quem tinha falado?
Rube?
Octavia?
Não.
Fui eu.
Não me pergunte por quê, mas eu não quis que Octavia levasse uma surra (verbal,
é claro) de Clifford Wolfe, meu pai. Era provável que ele fosse todo gentil com
ela, mas, mesmo assim, não valia a pena arriscar. Era muito melhor ele acreditar que
tinha sido eu. Estava acostumado a me ver fazer coisas ridículas.
— Por que será que não estou surpreso? — perguntou ele, virando-se para mim
com os picolés nas mãos.
Sorriu.
O que foi bom, pode crer.
Depois ele deu uma risada e disse:
— Bem, Cameron, nesse caso, você não se importa se eu tomar o seu, não é?
— É claro que não.
A gente sempre diz é claro que não em situações assim, porque entende bem
depressa que, na verdade, o velho está perguntando: “Posso tomar o picolé, ou devo
fazer você sofrer de outras cem maneiras diferentes?” É claro que não vou arriscar.
Os picolés foram distribuídos, e Octavia e eu trocamos um sorrisinho, depois fi z
o mesmo com Rube, que me estendeu seu picolé.
— Quer um pedaço? — perguntou, mas recusei.
Saí da sala, ouvindo meu pai dizer:
— Até que é bem gostoso.
Cretino.
— Aonde você foi? — perguntou-me Rube no nosso quarto, mais tarde, depois
que Octavia foi embora.
Estávamos deitados nas nossas camas, conversando, cada qual em um lado do
quarto.
— Só dei umas voltas por aí.
— Lá para os lados de Glebe?
Olhei para ele e perguntei:
— O que isso signifi ca?
— Signifi ca — prosseguiu Rube com um suspiro — que um dia Octavia e eu
seguimos você, só por curiosidade, e o vimos em frente a uma casa, olhando pela
janela. Você é um cara meio solitário, não é?
Na hora, os momentos se contorceram e se enroscaram, e ouvi o trânsito ao longe,
roncando quase em silêncio. Longe daquilo tudo. Longe de Cameron Wolfe e
Ruben Wolfe discutindo que diabo eu fazia em frente à casa de uma garota que não
me dava a menor bola.
Então engoli em seco, respirei fundo e respondi a meu irmão:
— É, acho que sou.
Não havia mais nada que eu pudesse dizer. Não havia como disfarçar. Houve só
um ligeiro momento de espera, verdade e sentimento, depois uma ruptura, e continuei:
— É aquela garota, a Stephanie.
— Aquela vadia — xingou Rube.
— Eu sei, mas...
— Eu sei — interrompeu ele. — Não faz diferença se ela disse que detestava você
ou se o chamou de perdedor. A gente sente o que sente.
A gente sente o que sente.
Era uma das maiores verdades que o Rube já tinha dito, pouco antes de uma
quietude sufocar o quarto.
No quintal da casa vizinha, ouvimos um cachorro latir. Era Miffy, um deplorável
lulu-da-pomerânia que adorávamos detestar, mas que, mesmo assim, ainda levávamos
para passear algumas vezes por semana.
— Parece que o Miffy está meio aborrecido — observou Rube, depois de algum
tempo.
— É.
Ri um pouco.
Um cara meio solitário. Um cara meio solitário...
A afi rmação do Rube reverberou dentro de mim até sua voz parecer um martelo.
Mais tarde, quando me levantei e sentei na varanda e assisti às sombras do trânsito
passarem, disse a mim mesmo que tudo bem ser assim, desde que eu continuasse
faminto. Parecia haver uma coisa brotando dentro de mim. Era algo que eu não via,
nem conhecia ou entendia. Simplesmente estava lá, misturando-se no meu sangue.
Muito depressa, muito repentinamente, palavras despencaram pela minha mente.
Aterrissaram no piso dos meus pensamentos e lá, lá embaixo, comecei a catá-las.
Eram excertos de verdade recolhidos do meu interior.
Mesmo à noite, na cama, elas me acordaram.
Pintaram-se no teto.
Gravaram-se a fogo nos lençóis da memória estendidos na minha mente.
Quando acordei, no dia seguinte, escrevi-as em um papel rasgado. E, para mim,
o mundo mudou de cor naquela manhã.

Avaliações

Avaliação geral: 4.4

Você está revisando: A Garota Que Eu Quero

Jenn recomendou este produto.
02/06/2016

Terceiro livro da trilogia!

Para aqueles que pretendem comprar: é uma trilogia, e A Garota Que Eu Quero é o terceiro livro!
Esse comentário foi útil para você? Sim (1) / Não (0)
Viviane recomendou este produto.
27/10/2015

Bom

Um bom livro, mas que provavelmente não irá agradar a todos.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)
KAMILA recomendou este produto.
10/08/2015

OTIMA

GOSTEI TEM EM FILME
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)
DaraZimmermann recomendou este produto.
04/06/2014

PERFEITO

Amei demais o livro!! Se tornou o meu segundo livro preferido! Não consigo parar de pensar nele e fico triste porque acabou.
Esse comentário foi útil para você? Sim (7) / Não (2)
Diogo1900 recomendou este produto.
04/03/2014

Faltou algo

Acho que o autor não conseguiu finalizar a história de uma forma interessante. Faltou alguma coisa. Muito diferente de "A menina que roubava livros" que conseguiu ser cativante, dramático e interessante do inicio ao fim.
Esse comentário foi útil para você? Sim (13) / Não (7)
Ninguém recomendou este produto.
04/03/2014

Encorajador

À todos que já se sentiram um completo desperdício de espaço. Se você nunca se sentiu assim, desculpa, talvez não compreenda a beleza desse livro.
Esse comentário foi útil para você? Sim (34) / Não (6)
EllenPat recomendou este produto.
04/02/2014

Muito ruim

Marcus Zusak não conseguiu com esse livro dar um rumo a sua história.  Vc fica o tempo inteiro esperando que aconteça alguma coisa e no fim... não acontece NADA.   Tempo perdido e dinheiro jogado fora.
Esse comentário foi útil para você? Sim (37) / Não (23)
dessa recomendou este produto.
04/02/2014

muito bom

aparentemente ele é muto bom e é o mesmo que fez "A menina que roubava livros" e o filme é muito legal.
Esse comentário foi útil para você? Sim (3) / Não (13)
Camila recomendou este produto.
04/01/2014

Perfeito

Amei este livro, gostei do livro a menina que roubava livros, e quando vi que este livro era do mesmo autor, não pensei duas vezes e comprei este livro. Amei uns dos melhores livros que já comprei perfeito.
Esse comentário foi útil para você? Sim (62) / Não (8)
Pedro123 recomendou este produto.
04/01/2014

Ótimo Livro.

Concerteza uns dos melhores livros que já li , historia ótima, o autor está de parabéns. 
Esse comentário foi útil para você? Sim (24) / Não (11)
A Garota Que Eu Quero (Cód: 4943652) A Garota Que Eu Quero (Cód: 4943652)
R$ 18,70
A Garota Que Eu Quero (Cód: 4943652) A Garota Que Eu Quero (Cód: 4943652)
R$ 18,70