Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Frete Grátis
  • Google Plus

A Sátira e o Engenho (Cód: 155527)

Hansen, João Adolfo

Atelie

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 79,50 em até 2x de R$ 39,75 sem juros
Cartão Saraiva R$ 75,53 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 3x de R$ 26,50 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 2x sem juros de R$ 0,00


A Sátira e o Engenho

R$79,50

Descrição

'A Sátira e o Engenho' reconstitui a primeira legibilidade normativa da sátira atribuída ao poeta seiscentista Gregório de Matos e Guerra. O autor nos apresenta um vasto painel da vida literária e cultural da Bahia no século XVII. Aborda os poemas satíricos de Gregório de Matos, os tratados retóricos da época e os documentos históricos, como as delações de pecados e heresias ao Santo Ofício e as atas da Câmara de Salvador. Entre tais papéis, encontram-se as cartas endereçadas a um certo Dr. Gregório de Matos e Guerra, procurador da Bahia em Lisboa em 1673. A poesia de Gregório de Matos não é transgressora, pois o autor nos mostra que a sátira não é contra a moral. A sátira barroca fala mal de tudo e de todos, do governador despótico aos mulatos atrevidos, passando pelos padres sodomitas, comerciantes safados, mulheres adúlteras e cornos conformados. Mas essa crítica retórica e poética de costumes se faz, segundo Hansen, para corrigir excessos e desvios e preservar as normas e hierarquias sociais. O riso da sátira é assim incidental, colocando as convenções do ridículo a serviço da prudência e da moderação. Rompendo com a crítica biográfica, Hansen se afasta dos clichês românticos sobre a suposta vida do poeta, retratado habitualmente como ébrio, boêmio, obsceno e libertino. Para chegar a essa visão inovadora da poesia barroca brasileira, o autor analisou a sátira de Gregório de Matos a partir da tradição retórica do século XVII, em que a obscenidade e a maledicência estão previstas por regras precisas.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Atelie
Cód. Barras 9788574801360
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 8574801364
Profundidade 2.80 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2004
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 528
Peso 0.82 Kg
Largura 16.00 cm
AutorHansen, João Adolfo

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: A Sátira e o Engenho