Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Promoção Visa Checkout

A Solidão É Um Deus Bêbado Dando Ré Num Trator (Cód: 4863168)

Moraes,Diego

Singular POD

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

Economize até R$ 5,24

R$ 29,67 (-15%) em até 1x no crédito R$ 29,67 (-15%) no boleto
R$ 34,90
Cartão Saraiva R$ 29,67 (-15%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


A Solidão É Um Deus Bêbado Dando Ré Num Trator

R$34,90

Descrição

Há duas coisas insuportáveis na poesia brasileira. Afetação e cheiro de limpo e de laboratório. Diego, que não tem nada disso, mas ao contrário, traz nos seus poemas sangue, história e uma paisagem vista por dentro de uma baforada de cigarro, não precisa de epígrafes de malditos medalhões, os quais, se constitui, tal como normas da ABNT, num verdadeiro manual do poeta medíocre e de bem com todos e todas; Diego não precisa exibir erudição, vivendo a vida dos outros, a metáfora dos outros, a pesquisa-de-linguagem dos outros. É claro que dá pra manjar, no seu ritmo, na pegada de suas canções, ecos de uma boa camaradagem, de uma bandidagem de boa cepa, do velho Buk, de Mario Bortolotto e de não importa quem mais – mas por falar em baladas, em canções, sim, os poemas, curtos, certeiros, parecem flechas envenenadas, parecem clips certeiros atravessando a pasmaceira de um domingão dos malditos de botique, da vanguarda empalhada em palavras de ordem e repetição de truques – veja só esse petardo antológico: “Nada melhor que acordar às cinco da manhã e escrever um conto cheio de cavalos árabes e prostitutas Tchecas”. É isso aí. Se eu fosse você, escolhia um verso, um poema desses aí, qualquer um, todos são bons, estão na mesma voltagem, colocava numa camisa e saia pra passear no shopping ou à beira do precipício. Se você não souber onde está indo, dá no mesmo. (Astier Basílio)

Características

Peso 0.20 Kg
Produto sob encomenda Sim
Editora Singular POD
I.S.B.N. 9788564914315
Altura 21.00 cm
Largura 14.00 cm
Profundidade 0.90 cm
Número de Páginas 149
Idioma Português
Acabamento Brochura
Cód. Barras 9788564914315
Número da edição 1
Ano da edição 2013
AutorMoraes,Diego