Frete Grátis
  • Google Plus

Ação Civil Pública No Processo do Trabalho - 2ª Ed. 2016 (Cód: 9332550)

JOSÉ MACEDO DE BRITTO PEREIRA,RICARDO

Juspodivm

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 89,90 em até 2x de R$ 44,95 sem juros
Cartão Saraiva R$ 85,41 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 4x de R$ 22,48 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 2x sem juros de R$ 0,00


Ação Civil Pública No Processo do Trabalho - 2ª Ed. 2016

R$89,90

Descrição

A 2ª edição do Livro Ação civil pública no processo do trabalho, que se apresenta aos leitores, é publicada após a aprovação do Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 16/03/2015), no ano do início de sua vigência.
O Código aprovado não altera a estrutura normativa da tutela coletiva, pois não trata especificamente da ação e do processo coletivos. Porém, sua incidência se verifica em diversos pontos. A aplicação do novo Código segue a previsão de aplicação do Código anterior no artigo 19 da Lei 7.347, de 24/07/1985, no que não contrariar as disposições da lei e, também, do Título III do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078, de 11/09/1990), incorporado ao sistema, conforme artigo 21 da Lei de Ação Civil Pública.
De fato, vários dispositivos do Código anterior integraram a primeira edição do Livro e por essa razão foram ajustados de acordo com o novo texto. Porém, não se restringiu à atualização numérica e de redação. Foram incluídas observações a partir da linha do novo Código de Processo Civil, tarefa que se pautou pelos limites da aplicação do processo civil no processo do trabalho, em geral, e na ação civil pública no processo do trabalho, mais especificamente. Neste aspecto, assume relevo a interpretação do artigo 15 do novo Código de Processo Civil, que prevê sua aplicação supletiva e subsidiária ao processo do trabalho, assim como da subsistência do artigo 769 da Consolidação das Leis do Trabalho. Conforme esclarecido no texto, essa aplicação não é direta, mas mediada pela Constituição, a fim de concretizar, pela via das ações e processos coletivos, os princípios e as regras alusivos ao trabalho socialmente protegido. Por tal razão, os mencionados dispositivos devem conviver harmonicamente, numa perspectiva
pricipiológica, podendo operar como mecanismos de abertura ou de fechamento entre os ramos processuais, de acordo com as circunstâncias do caso concreto.
A despeito de o novo Código não disciplinar a ação coletiva, foram previs- tos incidentes de demandas e recursos repetitivos, que imprimem, conforme denominado no livro, uma “coletivização do processo na saída”.
É verdade que a denominada “coletivização do processo na saída” só alcançará os efeitos desejados, se houver uma mudança de mentalidade práticas no sentido de consolidar e ampliar a “coletivização do processo na entrada”, mediante uma cultura da ação coletiva. Os novos incidentes voltados à racionalização da administração da justiça nos casos repetitivos não podem ser aplicados para substituir o papel dos atores legitimados para a ação civil pública, mas para complementá-lo.
O sistema de tutela coletiva, que tem como base a Constituição e seus dois principais instrumentos normativos, a Lei de Ação Civil Pública e o Código de Defesa do Consumidor, é bem elaborado, altamente coerente e funciona de maneira adequada, sendo a via apropriada para a coletivização das demandas.
O projeto aprovado continha, no artigo 333, a conversão da ação individual em ação coletiva. O dispositivo foi vetado. Numa análise mais geral, o veto po- deria ser interpretado como providência que debilita a tutela coletiva. Contudo, caso permanecesse o texto aprovado, seria reintroduzido um grande obstáculo para a realização dessa tutela, que consiste na separação dos interesses e direitos coletivos e difusos, de um lado, e dos individuais homogêneos, de outro. Esse incidente não admitia a formação do processo coletivo para a tutela de direitos individuais homogêneos. Como abordado em tópico próprio, a jurisprudência, após um longo debate, superou magistralmente esse problema, ao colocar ênfase no gênero coletivo e não nas suas categorias específicas.
Nesta 2ª. Edição, além da atualização legislativa, aproveitou-se para realizar a revisão de posicionamentos, por meio de complementos argumentativos baseados na doutrina e em jurisprudência mais recente.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Juspodivm
Cód. Barras 9788544208847
Altura 14.00 cm
I.S.B.N. 9788544208847
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 2
Ano da edição 2016
Idioma Português
Número de Páginas 400
Peso 0.80 Kg
Largura 21.00 cm
AutorJOSÉ MACEDO DE BRITTO PEREIRA,RICARDO

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Ação Civil Pública No Processo do Trabalho - 2ª Ed. 2016