Frete Grátis
  • Google Plus

Alma? - Série de Steampunk - Vol. 1 - Um Romance Sobre Vampiros, Lobisomens e Sombrinhas (Cód: 4709075)

Carriger, Gail

Editora Valentina Ltda

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 39,90 R$ 31,90 (-20%)
Cartão Saraiva R$ 30,31 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Alma? - Série de Steampunk - Vol. 1 - Um Romance Sobre Vampiros, Lobisomens e Sombrinhas

R$31,90

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Alexia Tarabotti enfrenta uma série de atribulações sociais, quiproquós e saias justas (embora compridíssimas) em plena sociedade vitoriana. Em primeiro lugar, ela não tem alma. Em segundo, é solteirona e filha de italiano. Em terceiro, acaba sendo atacada sem a menor educação por um vampiro, o que foge a todas as regras de etiqueta. E agora? Pelo visto, tudo vai de mal a pior, pois a srta. Tarabotti mata sem querer o vampiro ? ocasião em que a Rainha Vitória envia o assustador Lorde Maccon (temperamental, bagunceiro, lindo de morrer e lobisomem) para investigar o ocorrido.

Com vampiros inesperados aparecendo e os esperados desaparecendo, todos parecem achar que a srta. Tarabotti é a responsável. Será que ela conseguirá descobrir o que realmente está acontecendo na alta sociedade londrina? Será que seu dom de sem alma para anular poderes sobrenaturais acabará se revelando útil ou apenas constrangedor? No fim das contas, quem é o verdadeiro inimigo, e... será que vai ter torta de melado?

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Editora Valentina Ltda
Cód. Barras 9788565859042
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788565859042
Profundidade 1.00 cm
Tradutor Flávia Carneiro Anderson
Número da edição 1
Ano da edição 2013
Idioma Português
Número de Páginas 308
Peso 0.39 Kg
Largura 16.00 cm
AutorCarriger, Gail

Leia um trecho

Capítulo 1 - Em que a Sombrinha Demonstra sua Utilidade

A srta. Alexia Tarabotti não estava se divertindo naquela noite. Os bailes da sociedade não passavam de distrações medíocres para solteironas e, embora ela fosse uma delas, não era do tipo que via graça neles. Então, quando fora para a biblioteca, seu refúgio favorito em qualquer residência, a cereja que faltava no bolo: deparara com um vampiro. Ela o fuzilara com os olhos. O vampiro, por sua vez, deixara claro que aquele encontro tornara a festa bem mais interessante, pois ali estava àquela mulher, sozinha, com um vestido de gala decotado. Ocorre que, naquela situação específica, o que ele ignorava poderia ser sua derrocada. A srta. Tarabotti nascera sem alma, e qualquer vampiro de boa linhagem sabia que uma dama assim devia ser evitada a qualquer custo. Não obstante, ele se aproximou dela, surgindo das sombras da biblioteca com as presas prontas para entrar em ação. Mas, assim que tocou nela, viu-se misteriosamente paralisado. Ficou ali inerte, ao som distante de um quarteto de cordas, buscando sem sucesso, com a língua, as presas que haviam sumido de forma inexplicável. A srta. Tarabotti não ficou nem um pouco surpresa; a ausência de alma tinha o poder de neutralizar as forças sobrenaturais. Ela lançou um olhar sisudo para o vampiro. Sem dúvida alguma a maioria dos mortais a veria apenas como uma típica inglesa arrogante; contudo, como era possível aquele sujeito nem se ter dado ao trabalho de checar a lista oficial de aberrações de Londres e arredores? A criatura recobrou depressa a compostura. Mas, quando se afastou da srta. Tarabotti derrubou o carrinho de chá perto de si. Assim que deixou de tocá-la, suas presas reapareceram. Pelo visto, não eram das mais afiadas. Ele, então, deu um bote de serpente, tentando mordê-la de novo.
— Mas que topete! — exclamou a moça. — Ainda nem fomos apresentados!
Jamais um vampiro tentara mordê-la. Ela conhecia alguns apenas pela reputação, claro, e era amiga de Lorde Akeldama. Mas, também, quem não era amigo de Lorde Akeldama?Só que nunca antes um vampiro tentara se alimentar dela! Então, apesar de abominar a violência, a srta. Tarabotti se viu obrigada a agarrar as narinas do degenerado — uma parte delicada e sensível do corpo — e a empurrá-lo. Ele tropeçou no carrinho de chá derrubado, perdeu o equilíbrio de um jeito surpreendentemente deselegante para um vampiro e despencou no chão. Caiu estatelado em cima da bandeja com torta de melado. A jovem sentiu grande desânimo. Adorava torta e viera ansiando comer justamente aquela, inteirinha. Pegou a sombrinha. Não era de bom tom usa- la em um baile da sociedade, mas quase nunca saía sem levá-la. Ela própria a idealizara: preta, componentes de bronze, ponteira de prata em forma de cápsula, babados e amores-perfeitos de cetim, de tom roxo, com bordados aqui e ali. A srta. Tarabotti a usou para golpear o vampiro bem em cima da cabeça, enquanto ele tentava se desvencilhar do contato íntimo que acabara de travar com o carrinho de chá. A cápsula deu lastro suficiente à sombrinha de bronze para que provocasse um baque bastante satisfatório.
— Comporte-se! — advertiu ela.
O vampiro urrou de dor e caiu de novo na torta de melado. A jovem aproveitou a oportunidade e o golpeou com força entre as pernas. O uivo vampiresco aumentou, e a criatura se encolheu em posição fetal. A moça, uma jovem inglesa digna, apesar de não ter alma e ser meio italiana, dedicara-se, ao contrário de outras moças, a longas caminhadas e cavalgadas, o que a deixara mais forte do que se imaginava. Ela deu um salto à frente — tão grande quanto alguém poderia com três camadas de anáguas, anquinhas drapeadas e saia de tafetá plissado — e se inclinou sobre o vampiro. Ele continuava a se contorcer, segurando as partes íntimas. Embora a dor não devesse se prolongar por muito tempo, em virtude do poder de recuperação sobrenatural dos vampiros, naquele momento ele sofria bastante. A srta. Tarabotti tirou o longo palito de madeira que sustentava seu penteado esmerado. Enrubescendo ante a própria ousadia, rasgou a camisa dele, por sinal, vulgar e engomada demais, e deu uma espetada no peito, em cima do coração. Aquele palito de cabelo era bem comprido e pontudo. Com a mão livre, ela fez questão de tocar no peito dele, pois somente por meio de contato físico conseguiria anular os poderes sobrenaturais do sujeito.
— Pare já com essa gritaria horrorosa — ordenou ela à criatura. O vampiro parou de grunhir e ficou imóvel. Seus lindos olhos azuis se marejaram um pouco enquanto ele fitava o palito de madeira, ou, como a srta. Tarabotti gostava de chamá-lo, a estaca de cabelo.
— Faça o favor de se explicar! — exigiu a moça, pressionando-o mais. — Mil perdões.
 — O vampiro pareceu confuso. — Quem é a senhorita? — Ele procurou as presas, com hesitação. Tinham sumido. Para deixar bem clara sua posição, parou de tocá-lo (mantendo, no entanto, o palito de cabelo no mesmo lugar). As presas dele ressurgiram. Ele abafou um grito de assombro.
— O que é a fenhorita? Penfei que fôfe uma dama, folitária. Eu teria o direito de me alimentar, pois a deifaram fó, por pura neglivênfia. Creia-me, não foi de propófito — ceceou ele com as presas, o pânico transparecendo nos olhos. Contendo-se para não rir do ceceio, a srta. Tarabotti disse: — Não precisa fazer tanto drama. Tenho certeza de que sua abelha-rainha já lhe falou sobre a minha espécie.
— Ela voltou a tocar no peito dele. Os caninos do vampiro se retraíram. Ele a encarou como se um bigode animalesco tivesse crescido no rosto da srta. Tarabotti e ela houvessem rosnado para ele.

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Alma? - Série de Steampunk - Vol. 1 - Um Romance Sobre Vampiros, Lobisomens e Sombrinhas