Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
  • Google Plus
Livro Digital

Anfetaminas E Arco íris (Cód: 8848768)

Ediney Santana

Clube de Autores (Edição Digital)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 23,68
Cartão Saraiva R$ 23,68

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Anfetaminas E Arco íris

R$23,68

Descrição

Acho que é como um parque de diversões. Naqueles joguinhos aparentemente inocentes onde a gente é levado a escolher alguma caixa colorida pra ver se ganha um prêmio. Ou então dar uns tiros naqueles patos que ficam circulando em frente a um painel pintado, simulando uma vasta floresta. Geralmente o que ganhamos nada mais é que um brinquedinho ordinário. E nem sempre a gente acerta. Aliás, o erro é mais comum. E não estou aqui querendo fazer tipo. Bancar o herói-solitário-com-ares-falsamente-melancólicos; um chorão. Não se trata disso. Falo das regras do jogo: as chances do erro são superiores, sempre. É o que dá o charme ao vencedor. O motivo pra que ele comemore seu destino ou sua pontaria. Tudo vem da escolha. Do ato em si de apontar o dedo pra algo. Ou apertar o gatilho na hora certa. E torcer, rezar. Por vezes, a gente até supõe que tem intuição. Uma capacidade de acertar no alvo. Acreditamos que, seguindo alguns rituais geralmente infundados, conseguiremos atingir nosso intuito. Um brinquedo bacana, mais esperanças ou novas perspectivas, enfim. Isso tem a ver com inocência. Com escolhas claras e concisas. Que te levem a um lugar que você determinou lá nos seus primeiros passos. Tímidos, tontos ou certinhos. Isso tem a ver com pureza e crença. Não sou dos piores. Ainda acredito em muita coisa. De vez em quando tento acertar os patos. Possuo minhas crenças totalmente despropositadas: mas levá-las comigo é uma atitude essencial. Noutras eu perdi a fé. Numa boa também. Sem draminhas imbecis. Um outro tanto dessas convicções “rodopiou” em meu imaginário e na minha vida. Ou seja, essas últimas foram desqualificadas, destruídas, aniquiladas. De forma consciente – e nem um pouco tranqüila -, converti velhos valores em lixo. Cuspi e desmoralizei da melhor forma possível. Somente pra depois constatar que elas voltariam mais fortes e sólidas; firmes. Isso fica claro em coisas que escrevi, coisas que ainda guardo por aqui. Quando eu li o livro Anfetaminas e Arco-Íris, do Ediney Santana, foi assim. Fiquei entre intrigado e receoso. Tava tudo lá: a crença, as referências de sempre – dos Doors ao Whitman -, a leveza e a sagacidade de quem escreve. Não só escrever, mas escrever e sacar tudo ao seu redor de maneira absoluta. Os poemas me trouxeram velhas lembranças, todas boas. De um tempo em que a gente sabia que o mundo girava em torno de nossas cabeças e corações. Éramos o centro do mundo, o motivo pra que ele ainda não estivesse completamente destruído; éramos um foco de resistência, berrando nossas coisas de algum lugar pequeno do mundo – uma cidade do interior, ou um quarteirão do Cabula, por exemplo. Não falo isso querendo fazer comparação com idades, adolescência, fases onde a rebeldia é analisada de forma coerente pelos estudiosos etc. Eu falo de mim. Um cara que barganhou um bocado de coisas. E que nem sempre acertou – mas conseguiu uma visão particular de mundo; uma confusão adquirida, cultivada às vezes. Falo de um sujeito que, ao ler coisas como Um invisível amigo beijou-me a face / durante a guerra / do que sou e do que minha estupidez / Leva-me a ser. / Sou a contradição absoluta dos meus / crimes civilizados / Só acredito no que pode ser destruído, / Apavora-me a certeza do / Infinito, nada vai além desse coração / em descompasso com o tempo. (MERGULHOS) vislumbrou que é possível. Que se enxergou em muitos poemas do Ediney. Em todo o livro a gente constata que aquele tipo de rebeldia terna, carregada da mais necessária humanidade, ainda pode render bons frutos. A possibilidade de ler os poemas ora longos, ora curtos e diretos - Idealizo o ser / amado / como quem esquecido / de si / naufraga belezas (A.M.O.R) – nos faz pensar e sentir. Em outros, o que impera é o companheirismo declarado. Textos feitos para amigos e parceiros surgem aqui e ali, reforçando a minha “tese” de que Anfetaminas e Arco-Íris foi concebido nisso que chamo de trincheira: um lugar que, mesmo desprovido de chances e facil

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Clube de Autores (Edição Digital)
Cód. Barras 2999990181654
Início da Venda 19/03/2015
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Pdf
Tamanho do Arquivo 708
Proteção Drm Sim
Número da edição 1
Ano da edição 2015
Idioma Português
Ano da Publicação 2015
Mês da Publicação FEVEREIRO
VOLUME 1
Peso 0.00 Kg
AutorEdiney Santana

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Anfetaminas E Arco íris