Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Arsène Lupin - Ladrão de Casaca - Pocket (Cód: 4069893)

Leblanc,Maurice

L&PM

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 19,90

em até 1x de R$ 19,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 18,91 (-5%)

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Origem

R$ 49,90

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Arsène Lupin - Ladrão de Casaca - Pocket

R$19,90

Descrição

A alta sociedade francesa diverte-se a bordo do transatlântico Provence, quando chega a notícia: Arsène Lupin, o ladrão impossível de se capturar, viaja disfarçado entre os passageiros. Eis a chance de o Inspetor Ganimard prender o homem capaz de realizar crimes perfeitos e fugas espetaculares. Conto de estreia deste ícone da literatura policial, “A detenção de Arsène Lupin”, de 1905, é a primeira das nove aventuras aqui reunidas, revelando um criminoso galante e sedutor, guiado pelo prazer do desafio. Um anti-herói que se dá até ao luxo de ajudar a polícia em casos difíceis. Conheça um oponente à altura de Sherlock Holmes – ou “Herlock Sholmes”, na versão de Maurice Leblanc – e prepare-se para torcer pelo ladrão.

Maurice Leblanc nasceu em Rouen, na França, em 1864. Autor de mais de 60 contos e novelas policiais, o escritor e jornalista ficou mundialmente conhecido como o criador do engenhoso ladrão Arsène Lupin. Morreu em 1941, em Perpignan.

Características

Peso 0.16 Kg
Produto sob encomenda Não
Editora L&PM
I.S.B.N. 9788525425768
Altura 17.80 cm
Largura 10.70 cm
Profundidade 1.20 cm
Acabamento Brochura
Tradutor Paulo Neves
Cód. Barras 9788525425768
Ano da edição 2012
AutorLeblanc,Maurice

Leia um trecho

A detenção de ArSène Lupin Estranha viagem!No entanto ela começou tão bem... Eu nunca havia feito outra que se anunciasse sob melhores auspícios. O Provence é um transatlântico rápido, confortável, comandado pelo mais afável dos homens. A sociedade mais seleta se achava ali reunida. Relações se formavam, divertimentos se preparavam. Tínhamos aquela impressão esquisita de estar separados do mundo, reduzidos a nós mesmos como numa ilha desconhecida, obrigados, portanto, a nos aproximar uns dos outros. E nos aproximávamos... Alguma vez já pensaram no que há de original e de imprevisto nesse agrupamento de indivíduos que ainda na véspera não se conheciam e que, durante alguns dias, vão viver a vida mais íntima, que juntos vão desafiar as cóleras do oceano, o assalto aterrador das ondas e a dissimulada calma da água adormecida? No fundo, é a própria vida, vivida numa espécie de resumo trágico, com suas tempestades e suas grandezas, sua monotonia e sua diversidade, e é o que leva, talvez, a usufruir com uma pressa febril e uma volúpia tanto mais intensa essa curta viagem, da qual se percebe o fim a partir do momento em que começa. Mas, de uns anos para cá, algo faz aumentar singularmente as emoções da travessia. A pequena ilha flutuante depende ainda de um mundo do qual nos julgávamos libertados. Um vínculo subsiste, que se desata aos poucos, em pleno oceano, para se reatar aos poucos, em pleno oceano. O telégrafo sem fio! Apelos de outro universo do qual recebemos notícias da maneira mais misteriosa que existe! A imaginação não tem mais o recurso de evocar fios de aço através dos quais circulariam mensagens invisíveis. O mistério é mais insondável ainda, mais poético também, e é às asas do vento que temos de recorrer para explicar esse novo milagre. Assim, nas primeiras horas, sentimo-nos seguidos, escoltados, precedidos mesmo por essa voz longínqua que, de tempo em tempo, sussurrava a um de nós algumas palavras da terra distante. Dois amigos me falaram. Outros dez, vinte, enviaram a todos nós, através do espaço, suas despedidas contristadas ou sorridentes. Ora, no segundo dia, a oitocentos quilômetros da costa francesa, numa tarde tempestuosa, o telégrafo sem fio nos transmitiu um despacho cujo teor é o seguinte: “Arsène Lupin a bordo, primeira classe, cabelos louros, ferimento no antebraço direito, viaja sozinho, sob o nome de R...” Nesse momento preciso, uma violenta trovoada ressoou no céu escuro. As ondas elétricas foram interrompidas. O resto do despacho não nos chegou. Do nome sob o qual se ocultava Arsène Lupin, soube-se apenas a inicial. Se fosse qualquer outra notícia, não tenho a menor dúvida de que o segredo teria sido escrupulosamente guardado pelos empregados do posto telegráfico, bem como pelo comissário de bordo e pelo comandante. Mas há acontecimentos que parecem contrariar a mais rigorosa discrição. No mesmo dia, sem que se pudesse dizer como vazara a informação, todos sabíamos que o famoso Arsène Lupin se ocultava a bordo. Arsène Lupin entre nós! O ladrão impossível de agarrar, cujas proezas eram contadas, havia meses, em todos os jornais! O enigmático personagem com quem o velho Ganimard, nosso melhor policial, iniciara um duelo de morte cujas peripécias se desenrolavam de forma tão pitoresca! Arsène Lupin, o caprichoso gentleman que só age nos castelos e nos salões e que, certa noite, tendo penetrado na casa do barão Schormann, saiu dali de mãos vazias e deixou seu cartão ornado com esta frase: “Arsène Lupin, ladrão de casaca, voltará quando os móveis forem autênticos”. Arsène Lupin, o homem dos mil disfarces, sucessivamente motorista, tenor, bookmaker, filho de boa família, adolescente, velho, caixeiro-viajante marselhês, médico russo, toureiro espanhol! Percebam bem o seguinte: Arsène Lupin indo e vindo no ambiente relativamente restrito de um transatlântico, no recanto da primeira classe onde todos se viam a todo instante, na sala de refeições, no salão, na sala de fumar! Arsène Lupin talvez fosse esse senhor... ou aquele... meu vizinho de mesa... meu companheiro de cabine... – E isso ainda vai durar cinco vezes 24 horas! – exclamou no dia seguinte Miss Nelly Underdown. – É intolerável! Espero que ele seja detido. E, dirigindo-se a mim: – E então, sr. d’Andrézy, já que tem boas relações com o comandante, não sabe de nada? Bem que eu gostaria de saber alguma coisa para agradar Miss Nelly. Era uma dessas magníficas criaturas que, onde quer que estejam, logo ocupam o lugar mais proeminente e deslumbram tanto pela beleza quanto pela fortuna. Elas têm uma corte, adeptos fervorosos, entusiastas. Criada em Paris pela mãe francesa, ela partia ao encontro do pai, o riquíssimo Underdown, de Chicago. Uma de suas amigas, Lady jerland, a acompanhava. Desde a primeira hora me propus a flertar com ela. Mas, na intimidade rápida da viagem, seu charme logo me perturbou, e passei a me sentir um pouco emocionado demais quando seus grandes olhos negros encontravam os meus. No entanto, ela acolheu minhas homenagens com algum favor. Ria das minhas frases espirituosas e se interessava por minhas anedotas. Uma vaga simpatia parecia responder à solicitude que eu lhe demonstrava. Um único rival talvez me inquietasse, um rapaz bastante bonito, elegante, reservado, cujo humor taciturno ela parecia às vezes preferir aos meus modos mais extrovertidos de parisiense. Ele fazia parte justamente do grupo de admiradores que cercava Miss Nelly quando ela me interrogou. Estávamos no convés, agradavelmente instalados em cadeiras de balanço. A tempestade da véspera havia limpado o céu. O momento era delicioso. – Nada sei de preciso, senhorita – respondi –, mas não poderíamos nós mesmos conduzir um inquérito, tão bem como o faria o velho Ganimard, o inimigo pessoal de Arsène Lupin? – Ah! O senhor é muito atrevido! – Por quê? O problema é tão complicado? – Muito complicado. – Está esquecendo os elementos que temos para resolvê-lo. – Que elementos? – Primeiro, Lupin se faz chamar sr. R... – indicação um tanto vaga. – Segundo, ele viaja sozinho. – Essa particularidade será suficiente?