Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 12Artboard 28Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8

Almada Negreiros

País de origem: São Tomé e Príncipe
Nascimento: 26 de abril de 2018
Site:
Gêneros Romance, Poesia, Ensaio, Dramaturgia
José Sobral de Almada Negreiros nasceu em Trindade, São Tomé e Príncipe, a 7 de Abril de 1893. Os primeiros anos da sua infância foram passados em São Tomé. Em 1900, Almada é internado no Colégio Jesuíta de Campolide, Lisboa, onde irá residir até à extinção do colégio, em 1910. Em 1911 vai para a Escola Internacional, em Lisboa, e lá publica os primeiros desenhos e caricaturas. Em 1913 expõe individualmente pela primeira vez, na Escola Internacional, apresentando 90 desenhos e estabelece contato com Fernando Pessoa na sequência da crítica à exposição que este publica em A Águia. Em 1915 escreve a novela "A Engomadeira" e o poema "A Cena do Ódio"; colabora no primeiro número da Revista Orpheu e publica o "Manifesto Anti-Dantas e por Extenso".

Almada parte para Paris em 1919 com o intuito de estudar pintura, mas lá exerce simples atividades de sobrevivência (dançarino de cabaré, empregado de armazém); desenha, também, e escreve o poema em prosa "Histoire du Portugal par Coeur", onde revela uma consciência nacional que irá nortear as suas futuras obras. Após a desilusão de Paris, Almada regressa a Portugal em 1920 e em 1925 escreve o romance "Nome de Guerra" (publicado em 1938). Parte para Madrid em Março de 1927, cidade onde irá viver num meio intelectual e artístico em efervescência, até retornar definitivamente à Lisboa em 1932.

Em 1935 publica os cadernos Sudoeste, onde são incluídos seus textos e de colaboradores da Orpheu. Ainda em 1934 realiza os primeiros estudos para os vitrais da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, dando início à colaboração com o arquiteto Pardal Monteiro. Até ao final da década dedica-se a uma multiplicidade de atividades: executa pinturas; publica desenhos, ilustrações, poesias, ensaios e romances; realiza conferências e palestras; colabora com afrescos e vitrais em diversos edifícios, entre os quais o pavilhão da Colonização da Exposição do Mundo Português e o edifício do Diário de Notícias, Lisboa, projetado por Pardal Monteiro.

Em 1941 o Secretariado de Propaganda Nacional organiza a exposição "Almada – Trinta Anos de Desenho", assinalando um momento de virada na percepção pública da sua obra. A partir desse momento participa na 6.ª e na 7.ª Exposição de Arte Moderna (em 1941 e 1942, respectivamente), ganhando o Prêmio Columbano em 1942. Em 1946 ganha o prêmio Domingos Sequeira na I Exposição de Arte Moderna de Desenho e Aguarela, SPN/SNI. Em 1952 expõe individualmente na Galeria de Março (exposição inaugural dessa galeria) e participa na Exposição de Arte Moderna (Lisboa). Dois anos mais tarde pinta a primeira versão de Retrato de Fernando Pessoa para o restaurante Irmãos Unidos.

Encomendas e atividades diversas preenchem seus anos finais, entre as quais se destacam as tapeçarias para a Exposição de Lausana, para o Tribunal de Contas e para o Hotel Ritz, Lisboa; uma série de gravuras em vidro acrílico (1963) e cenários para o Auto da Alma, de Gil Vicente, no Teatro Nacional de São Carlos, a sua última participação no teatro. Foi condecorado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada a 13 de Julho de 1967. Em 1968-1969 realiza o painel Começar, para o átrio do edifício sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa. Em Julho de 1969 faz a sua derradeira intervenção pública, participando no programa televisivo Zip-Zip.

Morreu em Lisboa, a 15 de Junho de 1970, no mesmo quarto do Hospital de São Luís dos Franceses, no Bairro Alto, em que faleceu Fernando Pessoa.
Leia mais

Todos os livros