Artboard 33atençãoArtboard 18atualizarconectividadeArtboard 42boletocarrinhocartãoArtboard 45cartão SaraivacelularArtboard 42Artboard 23checkArtboard 28Artboard 17?compararcompartilharcompartilhar ativoArtboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47ver-detalhesArtboard 15Artboard 32ebookArtboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11fecharfilmesArtboard 23gamesArtboard 4Artboard 9Artboard 6hqimportadosinformáticaArtboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44curtirArtboard 24Artboard 13livrosArtboard 24Artboard 31menumúsicaArtboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44outrospapelariaArtboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35estrelaestrela ativorelógiobuscaArtboard 50Artboard 26toda saraivaArtboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37usuárioArtboard 46Artboard 33Artboard 8seta

JMG Le Clezio

País de origem: França
Nascimento: 21 de novembro de 2018
Site:
Gêneros Ensaios, Contos, Romances
Jean-Marie Gustave Le Clézio, mais conhecido como J.M.G. Le Clézio nasceu em Nice no dia 13 de abril de 1940 e é um escritor franco-mauriciano.

Le Clézio estudou na Universidade de Bristol, concluiu seu curso de graduação em literatura francesa, no Institut d’Études Litteraires de Nice, passou vários anos entre Bristol e Londres, e, afinal, foi para os Estados Unidos onde se tornou professor.

Tornou-se famoso aos 23 anos, com seu primeiro romance, Le Procès-verbal ("O Interrogatório"), que foi selecionado para o Prêmio Goncourt e obteve o Prêmio Renaudot, em 1963.

Desde então, publicou cerca de quarenta livros, incluindo contos, romances, ensaios, duas traduções sobre o tema da mitologia indígena americana, inúmeros comentários e prefácios, assim como algumas participações em obras coletivas.

Sua carreira de escritor pode ser dividida em dois grandes períodos. De 1963 a 1975, Le Clézio explorou temas como a loucura, a linguagem, a escrita, dedicando-se à experimentação formal na sequência de contemporâneos, tais como Georges Perec ou Michel Butor. A obra de Le Clézio foi muito elogiada por intelectuais como Michel Foucault e Gilles Deleuze.

No final dos anos 1970, o estilo do escritor sofre uma mudança drástica, quando ele abandona a experimentação e seus romances se tornam menos atormentados. Passa a abordar temas como infância, adolescência e viagens, tornando-se mais popular. Em 1980, Le Clézio foi o primeiro vencedor do recém-criado prêmio Paul Morand, pela Academia Francesa.

Em 1994, uma enquete realizada pela revista francesa Lire mostrou que 13% dos leitores consideram-no o maior escritor francês da atualidade.

Le Clézio vive entre Albuquerque, Maurícia e Nice, e continua a escrever.
Leia mais