Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8

Babel - 50 Poemas Inspirados na Escultura Torre de Babel, de Valdir Rocha (Cód: 1996731)

Faria,Alvaro Alves de

ESCRITURAS

Este produto está temporariamente indisponível no site, mas não se preocupe, você pode reservá-lo para retirada em uma loja física!

Reserve seu produto na loja para retirada em até 1 hora.
Ops! Este produto está temporariamente indisponível. Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.
Ops! Este produto está temporariamente indisponível. Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 22,00

em até 1x de R$ 22,00 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 20,90 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Babel - 50 Poemas Inspirados na Escultura Torre de Babel, de Valdir Rocha

R$22,00

Descrição

Babel, o novo livro de poesia de Álvaro Alves de Faria, foi inspirado na escultura Torre de Babel, de Valdir Rocha. São 50 poemas que foram escritos a partir de 2004, quando o poeta viu a escultura pela primeira vez e escreveu um poema sobre a obra que, com o tempo, acabou transformando-se no livro agora lançado pela Escrituras Editora. Por várias vezes o poeta analisou a escultura para escrever tendo também por base mais de cem fotografias da Torre de Babel. No final, como afirma Alves, Babel representa um livro manifesto em relação à poesia produzida atualmente no Brasil.
Na obra, Álvaro Alves homenageia poetas brasileiros, especialmente os de sua Geração 60 de Poetas de São Paulo, lembrando, em forma de poemas, fatos ocorridos naquela década de efervescência cultural, quando os jovens poetas reuniam-se em torno do editor Massao Ohno, que publicava os chamados 'novíssimos'. Ao mesmo tempo, o poeta discorre sobre os importantes nomes da poesia brasileira, sem esquecer dos estrangeiros, fundamentais para a poesia do mundo.
Conhecido por ser um poeta e um jornalista cultural combativo, Álvaro expõe, em 50 poemas, o que pensa da poesia e do poema, em uma terra que ¾ como ele diz ¾ vive de equívocos literários, descontadas as raras exceções, especialmente no que diz respeito à poesia. Ele observa que Babel, no fundo, 'é seu rompimento com a poesia. Depois deste livro quero ser chamado de ex-poeta', diz, assegurando que 'não há por que persistir na poesia diante da cena literária brasileira, especialmente em relação à poesia, que mais parece um circo mambembe, daqueles que chegam a envergonhar até os palhaços de terceira categoria'.
Ele explica que, por este motivo, optou por publicar livros de poesia em Portugal, onde, ao seu ver, 'a poesia é respeitada e levada a sério, distante da inconseqüência brasileira que, infelizmente, não atinge somente a Literatura, mas praticamente tudo'. O poeta faz questão de dizer: 'Sei que a decisão de optar por ser um ex-poeta nada significará na poesia deste País, será um fato sem nenhuma importância. E é exatamente assim que tem que ser. De qualquer maneira, fugir da mediocridade é uma atitude que me deixa mais leve e mais livre'.
Álvaro diz ainda que esse sentimento explodiu de vez ao ver a escultura de Valdir Rocha, com suas cabeças violentadas, umas sobre as outras, em um grito que chegou à alucinação: 'A poesia estava ali, estava clara, inteira, dolorosa, dolorida. Eu apenas escrevi os poemas'.

Características

Peso 0.18 Kg
Produto sob encomenda Não
Editora ESCRITURAS
I.S.B.N. 9788575312636
Altura 21.00 cm
Largura 14.00 cm
Profundidade 0.50 cm
Número de Páginas 96
Cód. Barras 9788575312636
Número da edição 1
País de Origem Brasil
AutorFaria,Alvaro Alves de