Frete Grátis
  • Google Plus

Bala Perdida - A Violência Policial No Brasil e Os Desafios Para Sua Superação (Cód: 8893626)

Kucinski, Bernardo; Dunker, Christian Ingo Lenz

Boitempo Editorial

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 15,00 R$ 11,20 (-25%)
Cartão Saraiva R$ 10,64 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

A Boitempo Editorial, que completa 20 anos de atividade em 2015, publica em parceria com o portal Carta Maior a coletânea Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação, quarto volume da coleção Tinta Vermelha. Ao longo de 16 artigos, a obra incita o debate público sobre o tema e traz propostas para reverter o quadro.
A coleção aborda perspectivas variadas sobre um tema atual e já conta com o sucesso de três publicações: Occupy (2012), Cidades rebeldes (2013) e Brasil em jogo (2014). Como acontece em todas as edições de Tinta Vermelha, autores cederam gratuitamente seus textos, o tradutor não cobrou pela versão do original para o português, e os fotógrafos e o ilustrador abriram mão de pagamento por suas imagens, o que possibilitou deixar o volume a preço de custo. O formato e o preço (R$10,00 o impresso, R$5,00 o e-book) tornam o livro acessível a um maior número de pessoas.
A obra reúne contribuições de 19 autores e será lançada durante o Seminário Internacional Cidades Rebeldes, realização da Boitempo em parceria com o Sesc São Paulo, que acontece entre os dias 9 e 12 de junho, na unidade Sesc Pinheiros. Alguns dos autores participam do evento como conferencistas (Programação completa em www.cidadesrebeldes.com.br)
É o caso do britânico Stephen Graham, professor da Faculdade de Arquitetura e Planejamento na Universidade de Newcastle, Inglaterra, e autor do livro Cities Under Siege (no prelo pela Boitempo).
Em seu artigo, o urbanista discorre sobre a urbanização militarizada, tomando como ponto de partida o uso cotidiano de drones pelas forças policiais dos Estados Unidos, Europa e Ásia Oriental; de armas “não letais”, ou “soluções securitárias” de ponta, com eficácia “comprovada em combate”, no policiamento agressivo e militarizado de manifestações públicas em Londres, Toronto, Paris e Nova Iorque – o que remete também ao cenário das manifestações de junho de 2013, em São Paulo.
O psicanalista Christian Dunker, professor do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, interpreta a cultura que prega a violência policial e a força conservadora no Brasil, que define como “direita violenta”. Ponto de vista complementado pelo antropólogo Luiz Eduardo Soares, ex-secretário nacional de segurança pública e autor do livro Elite da tropa, que aponta as dificuldades para implementar mudanças na polícia brasileira, a partir de perspectiva de políticas públicas de segurança; e pelo depoimento do coronel Íbis Pereira, chefe de gabinete do comando-geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, sobre como combater a perversa estrutura do trabalho policial.
Dois artigos foram assinados por instituições, trazendo, portanto, o ponto de vista de uma coletividade. Um deles foi redigido por pesquisadores do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP), o primeiro centro acadêmico a se dedicar especificamente a estudar crime e polícia em nosso país. No texto, os pesquisadores mostram as diferentes explicações sobre a violência policial produzidas no Brasil e no exterior. O outro, assinado por participantes do Movimento Independente Mães de Maio, conta a história e a luta do coletivo que congrega familiares das vítimas de violência policial.
“Uma conclusão quase unânime dos autores é que um dos insumos da violência é a ausência de democracia real. Afinal, o sistema democrático no Brasil é uma conquista recente. Talvez por conta disso tenhamos mais problemas com os órgãos de segurança do que países onde esse sistema existe há mais tempo e onde a participação democrática vai além do direito ao voto”, reflete o cientista político Guaracy Mingardi na apresentação do livro.
Em texto elaborado a quatro mãos, os cientistas políticos João Alexandre Peschanski e Renato Moraes tratam das “lógicas do extermínio”. Segundo os pesquisadores, o entendimento da violência policial no Brasil passa necessariamente pela economia política e seus mecanismos excludentes. Já a juíza Maria Lucia Karam, no artigo “Violência, militarização e ‘guerra às drogas’”, discute os desafios para uma efetiva desmilitarização da sociedade.
Contribuições jornalísticas trazem outros contornos à coletânea: Laura Capriglione analisa a cobertura da mídia e suas contradições e Fernanda Mena traça um panorama nacional da violência policial. O deputado federal Jean Wyllys aborda a necessidade de ampliação da comunidade de direitos, ou seja, a justiça social, em contraposição ao endurecimento das ações policiais.
A psicanalista Maria Rita Kehl tece críticas aos sucessivos governos no comando da Polícia Militar de São Paulo, que nos faz “recordar a retórica autoritária dos militares”. “Ordem e violência no Brasil”, do também psicanalista Tales Ab’Sáber, é um ensaio sobre o fenômeno da violência policial na cultura conciliatória contemporânea, em meio a manifestações, resistência e reminiscências da ditadura. Por sua vez, a socióloga Vera Malaguti comenta a segurança pública como decorrência de um conjunto de projetos públicos e coletivos capazes de gerar serviços, ações e atividades no sentido de romper com a geografia das desigualdades.
Bala Perdida inclui ainda um conto inédito de Bernardo Kucinski (“A história de Tadeu”); prólogo do deputado estadual Marcelo Freixo; e uma participação especial de Eduardo Suplicy, secretário municipal de direitos humanos em São Paulo. O quadrinista Rafa Campos criou uma tira para o livro, que ilustra a abertura dos capítulos. O ensaio fotográfico de Luiz Baltar retrata remoções forçadas e ocupações militares em diversas comunidades e favelas do Rio de Janeiro desde 2009.
Autores: Coronel Íbis Pereira / Fernanda Mena / Guaracy Mingardi / Jean Wyllys / João Alexandre Peschanski / Laura Capriglione / Maria Lúcia Karam / Maria Rita Kehl / Movimento Independente Mães de Maio / Rafa Campos / Renato Moraes / Stephen Graham / Tales Ab’Sáber / Vera Malaguti Batista.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Boitempo Editorial
Cód. Barras 9788575594414
Altura 22.50 cm
I.S.B.N. 9788575594414
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2015
Idioma Português
Número de Páginas 126
Peso 0.19 Kg
Largura 15.00 cm
AutorKucinski, Bernardo; Dunker, Christian Ingo Lenz

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Bala Perdida - A Violência Policial No Brasil e Os Desafios Para Sua Superação

Bala Perdida - A Violência Policial No Brasil e Os Desafios Para Sua Super... (Cód: 8893626) Bala Perdida - A Violência Policial No Brasil e O... (Cód: 8893626)
R$ 11,20
Bala Perdida - A Violência Policial No Brasil e Os Desafios Para Sua Super... (Cód: 8893626) Bala Perdida - A Violência Policial No Brasil e O... (Cód: 8893626)
R$ 11,20