Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 42 Artboard 21 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 42 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 23 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 6 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 43 Artboard 44 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 46 Artboard 8
e-book

Cartas de um médico na guerra de Angola (1962-64) (Cód: 4890028)

H. Carmona da Mota

Editora Leya Portugal (edi??o digital)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

De: R$ 40,47

Por: R$ 38,45

em até 1x de R$ 38,45 sem juros

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Cartas de um médico na guerra de Angola (1962-64)

R$38,45

Compre junto:

Nome do produto

Descrição

Em 1962 cumpri uma comissão militar de dois anos como médico em Angola; dez meses em Luanda, dois na Muxima e um ano na Casa da Telha (Ambrizete). De lá ia escrevendo para casa; minha mãe guardou-as e encontrei-as no seu espólio. Isto me permitiu reconstituir esta crónica que aqui deixo, aqui e ali retocada, para os filhos e netos lerem. Os factos que vivi e os que outros me relataram estão descritos com então os interpretei. (hcmota@ci.uc.pt) Assim, não. O terrorismo em Angola começou em 15 de Março de 1961 e a nossa viagem de curso a 25; em Itália íamos confirmando as terríveis notícias da chacina. Eu, como a grande maioria, considerávamos que urgia ir 'Para Angola, rapidamente e em força!' como Salazar comandaria em 13 de Abril de 1961, no dia do regresso da nossa viagem. Por muito que o regime nos desagradasse e por muito que o regime colonial nos indignasse o que acontecera era intolerável; assim, não. Naquele tempo havia muitos vizinhos e parentes em Angola o que mais justificava a opção. As dúvidas que então ainda tinha foram removidas pelos meus furriéis, angolanos negros, na Muxima. Que será feito deles?

Características

Peso 0.00 Kg
Produto sob encomenda Sim
Marca Editora Leya Portugal (edi??o digital)
Idioma 381
Acabamento e-book
Territorialidade Brasil
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Sim
Início da Venda 07/07/2014
Código do Formato Epub
Cód. Barras 9789899827707
Ano da edição 2013
AutorH. Carmona da Mota