Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 12Artboard 28Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8
e-book

Coisas que o povo diz (Cód: 7733039)

Luís da Câmara Cascudo

Global Editora (Edição Digital)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 29,40

em até 1x de R$ 29,40 sem juros

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Coisas que o povo diz

R$29,40

Descrição

O povo diz cada coisa! Irreverente, brincalhão, criativo, observador, dizem que sua voz é a voz de Deus. Pode ser. Se não for, é pelo menos a voz da experiência, expressa em frases tão sintéticas e sugestivas que atravessam os séculos. E como! A própria expressão 'voz do povo, voz de Deus' é um exemplo de perenidade, viva e palpitante desde a Roma dos Césares, há mais de dois mil anos, como mostra Luís da Câmara Cascudo em Coisas que o povo diz. O livro estuda sessenta motivos de cultura popular de nosso país, hábitos, costumes, frases correntes no dia a dia do brasileiro, expressando a velha e astuta sabedoria do povo, nascida da observação do cotidiano e que assumem, com o tempo, um sabor tão pitoresco.
Muitas vezes são recomendações práticas de cautela. Assim a frase 'macaco velho não mete a mão em cumbuca', comum entre os índios Tupi a respeito da qual se conta que, desejando se pegar um macaco jovem, basta colocar uma banana dentro de uma cumbuca. O animal não abre a mão, ficando prisioneiro de sua própria gula. Mestre Cascudo mostra que a origem da estória vem de muito mais longe, no tempo e no espaço, registrada em Roma, na China, na Índia.
Outra expressão de cautela é a frase 'não meter a mão no fogo' por alguém. Ou seja, não se responsabilizar pela inocência alheia. Nasceu na Idade Média, na prova do ferro caldo, quando o acusado que alegava inocência pegava uma barra de ferro aquecida (com a mão protegida com estopa) e andava com ela alguns metros. Se a mão saísse ilesa, estava provada a sua inocência. Caso contrário... Há também o registro de crenças mágicas, impossíveis de se provar, mas muito populares, como a de que o arrepio seria aviso de morte e de que não se deve acender três cigarros com o mesmo fósforo.
E tantas outras coisas mais que o povo afirma e que Cascudo analisa e interpreta, num longo e gratificante passeio pelas ideias, crenças e superstições populares.

Características

Peso 0.00 Kg
Produto sob encomenda Não
Marca Global Editora (Edição Digital)
Idioma Português
Acabamento e-book
Territorialidade Brasil
Tamanho do Arquivo 3606
Início da Venda 05/10/2012
VOLUME 1
Cód. Barras 9788526017306
Número da edição 1
Ano da edição 2012
Ano da Publicação 2012
Mês da Publicação OUTUBRO
AutorLuís da Câmara Cascudo