Frete Grátis
  • Google Plus

Condessa de Barral (Cód: 2608833)

Del Priore, Mary

Objetiva

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 44,90
Cartão Saraiva R$ 42,66 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 22,45 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Luísa Margarida Portugal e Barros, a Condessa de Barral, manteve durante trinta anos um relacionamento lendário com o Imperador do Brasil, D.Pedro II, ocupante do trono brasileiro entre 1840 e 1889. Porém, muito mais do que uma simples amante, esta filha de um senhor de engenhos apaixonado pelas letras foi uma das figuras femininas mais originais e interessantes de seu tempo.

Na sua época, é sabido que a maioria das mulheres vivia como mera sombra dos homens. Barral, no entanto, sem-pre deu de ombros para esta regra - e para muitas outras. Seu pai prometeu sua mão para um amigo de infância, mas ela ignorou o acordo e se casou com o homem que escolheu. Mais tarde, quando se deparou com o grande amor da sua vida, D Pedro II, continuou a surpreender a todos.

Mesmo casada, estabeleceu um relacionamento de décadas com o monarca. Valendo-se da proximidade com o imperador, mandou e desmandou, atraindo inveja e raiva. Ambígua, passava períodos sofrendo por estar distante de D. Pedro e outros pelo oposto. Chegou a estimular seu amado a procurar outras amantes, embora pouco depois se arrepen-desse.

Segundo a escritora e historiadora Mary Del Priore, D. Pedro se apaixonou por Barral não só pela sua personali-dade. Os dois se viam como almas gêmeas, porque encaravam o amor de outra forma, como uma amizade com finas sin-tonias emocionais e intelectuais. Isso não significa que os dois não tenham se entregado ao desejo, mas não era esse o cerne de sua ligação:

'Apesar de possuidor de uma vasta biblioteca, Dom Pedro, na sua simplicidade, falava mal o inglês e tinha uma cultura típica de almanaque. Já Barral era uma mulher cultíssima, dona de uma vivência nas cortes européias que o pró-prio imperador não tinha, mas admirava e necessitava', observa a historiadora.

Em Condessa de Barral, Mary Del Priore lança mão de cartas e diários pouco conhecidos - parte deles é inédita. Para decifrar esta enigmática e controversa personagem, mergulha mais uma vez numa história surpreendente, rica em detalhes, costumes e referências ao vocabulário da época.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Objetiva
Cód. Barras 9788573029239
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788573029239
Profundidade 1.00 cm
Sub-Título A Paixão do Imperador
Número da edição 1
Ano da edição 2008
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 264
Peso 0.44 Kg
Largura 16.00 cm
AutorDel Priore, Mary

Leia um trecho

Capítulo I O nascimento da camaleoa No dia em que Luísa Margarida Portugal e Barros, a futura condessa de Barral, nasceu, o centro do quarto estava ocupado por uma cama de armação com cortinado. Nela, deitada de costas, estava uma mulher com a camisola de cassa e renda repuxada até o pescoço. O chão coberto por esteiras trançadas e as paredes pintadas com arabescos davam um ar alegre ao aposento. Entre resmungos e gemidos, a parturiente beijava escapulários espalhados sobre o lençol. Os cabelos pretos grudavam na testa suada. Ela contraía o rosto de dor. Apoiada num rolo de panos, abria as pernas, seguras por três ou quatro parteiras. Uma delas lubrificou a genitália com uma mistura de gordura de galinha e óleo de açucenas. Seguindo o costume, esta mesma parteira rompeu a placenta com a unha comprida do dedo mínimo. A seguir, molhou as partes íntimas da futura mãe, com vinho quente. Na cabeceira, as outras gritavam: “Puxa, puxa.” Se não estivesse para dar à luz, a parturiente estaria como outras beldades da cidade, no balcão enfeitado de sua casa, pronta para assistir à passagem da procissão. Mas, no quarto, Dona Maria do Carmo Portugal e Barros aguardava quase em silêncio as contrações. À volta, comadres, escravas e uma ou outra parenta viúva traziam mais bacias de água e panos limpos. Tinham passado um cordão de Santo Antônio em volta da barriga dela e amarrado no joelho esquerdo uma pedra chamada de “mombaza”, cuja função mágica era a de atrair a criança para fora. Em toda parte, havia velas acesas diante de imagens protetoras: Nossa Senhora do Parto, do Leite, Sant’Ana e Santa Margarida. Tomara muito chá de canela para parir filho macho. Quando começou a perder águas, serviram-lhe ovos quentes, café e vinho do Porto. Mãe e filha eram muito parecidas: pele alva, cílios longos, olhos e cabelos escuros. D. Maria do Carmo entrou em resguardo e a pequena Luísa cumpriu alguns rituais. Pingaram nos seus olhos gotas de limão verde, foi mordida por uma pessoa de belos dentes e tomou o primeiro banho, com uma moeda bem grande no fundo da gamela. Seu cordão umbilical foi enterrado no quintal perto de uma árvore de fruta. Como presente dos pais, recebeu uma medalha da Virgem Maria, acompanhada de uma figa. O corpinho molengo foi imerso em cachaça misturada com água. Modelaram a cabeça para ficar mais bonita e o umbigo recebeu pimenta em pó para cicatrizar mais rápido. O pai, Domingos Borges de Barros, que aguardou o parto com paciência na sala de baixo, podia comemorar. Aumentara a descendência. Não havia pior castigo do que não ter filhos. Era a manhã de 13 de abril de 1816, na cidade de São Salvador da Bahia de Todos os Santos. O Brasil ainda não era independente de Portugal. Fazia apenas oito anos que o futuro D. João VI tinha passado por ali a caminho da Corte no Rio. A menina passou a integrar a população de cerca de 55.000 habitantes, entre os quais muitos estrangeiros. De africanos a americanos. A província era movida basicamente à produção de açúcar e tabaco. Sua família pertencia a uma sociedade fechada e patriarcal, onde se conhecia quem tinha fortuna e poder. Onde todos sabiam quem mandava e quem obedecia. Pois Luísa ia revirar este mundo de ponta-cabeça. Não só porque teve uma relação muito especial com D. Pedro II, mas porque teve uma relação muito especial com a vida. Devorou-a com apetite. Tomou o destino nas próprias mãos. Verdadeira camaleoa, Luísa se negou a ser prisioneira dos limites de sua época. Preferiu as aventuras do dia-a-dia. Inventora de uma maneira de viver, criadora de uma imagem de si, Luísa modelou seu destino, sempre insatisfeita com o que lhe foi dado. Sua existência, como a de todos os personagens fascinantes da história, foi marcada por ambigüidades. Ela foi “maravilhosa”, coquete e amante. Quando quis, no entanto, também foi esposa exemplar. Há pessoas que parecem estar à frente de seu tempo. Luísa foi uma delas. Cresceu num engenho, estudou na Europa, voltou ao Brasil, serviu na Corte francesa e depois na brasileira. Viveu entre dois mundos. Um arcaico e outro moderno. Tal como uma heroína romântica foi independente e audaciosa: escolheu o marido, em detrimento do velho amigo do pai que lhe queriam impor. Enfrentou revoltas das mais variadas: de escravos no Recôncavo baiano e de republicanos e anarquistas na França. Foi abolicionista, antes de quase todo mundo. Fazia alianças e pensava em dinheiro de forma moderna. Era inteligência e espírito, além de extremamente feminina. Luísa nasceu numa época em que suas conterrâneas nem saíam nas ruas. Em que, ao cair da tarde, a família encabeçada pela matriarca se reunia para observar o movimento da rua pelas janelas. No máximo, as mulheres se expunham na varanda dos sobrados, penteando os longos cabelos ou catando piolho, umas das outras, e esperando a hora de rezar as ave-marias. Chamadas de “senhoras” ou “donas”, tinham como única aspiração o casamento. Casamento com parente, com amigos da família, enfim, com gente igual. Os maridos podiam ser velhos, feios e doentes. Ficar solteira, ou “no caritó”, como se dizia, era castigo. Para essas “donas”, os dias transcorriam lentos, em torno do calendário religioso: festas, missas, novenas. No dia-a-dia, trabalhavam nos bordados, faziam rendas ou bolos para vender. Afora casar, ter filhos e rezar, algumas mulheres desenvolviam uma pequena indústria caseira, para aumentar os proventos: a do preparo da rapadura e do melado; ou a fiação do algodão do qual se faziam roupas de escravos. Também havia a de velas com aproveitamento de sebo de bois; e a do sabão, preparado com gorduras e cinzas de plantas. Elas trabalhavam e ajudavam os maridos, mas poucas estudavam. Luísa faria parte desse grupo? Nunca. Teve uma vida especial. Seus pais foram figuras muito singulares na sociedade baiana e o destino da família acabou por transformá-la numa pessoa totalmente atípica. Sobretudo, em se tratando de uma mulher. Se suas contemporâneas eram convidadas a obedecer, a manter os olhos baixos, a não fazer perguntas e a não desagradar o sexo oposto, Luísa era o contrário. Dona de personalidade forte, culta, poliglota e elegante, não deixava escolhas: era amada ou detestada. Não se submetia jamais ao despotismo dos homens: nem do pai, nem do marido. Menos ainda ao das mulheres. Sua formação se deu entre os melhores livros e professores, num dos países mais avançados da Europa — a França. Órfã de mãe, muito cedo se aliou com o pai, que lhe ensinou como funcionava um mundo onde os homens eram reis. Mas Luísa também cresceu numa época de suspiros e langores da alma. De sonhos que inspiravam escritores como Chateaubriand ou Lamartine cuja especialidade era cantar amores sob um céu estrelado. Depois da Revolução Francesa, um novo código se consolidou. O sentimento, por tanto tempo reprimido, se tornou uma prioridade. Era o romantismo. A literatura falava em expansões da alma e anseios etéreos. Tudo mais espiritual do que físico. A mulher devia ser como uma deusa, colocada sobre um pedestal. Aos seus pés, ajoelhado, o homem enlevado. Este distanciamento alimentava um imaginário feminino focado no pudor. Era proibido se olhar nua no espelho ou na água do banho. O corpo escondido e protegido por botões, nós e laços suscitava um efeito perverso. O erotismo se fixava no colo, na cintura estreita, no couro das botinas e nos cabelos. Nada de carne, de sexo ou de sangue. Mas palavras e corpos que se procuravam, sem se encontrar. Ternura, generosidade e probidade eram as virtudes esperadas no terreno do coração. Ela as encarnou todas. E ao amar, inovou. Escolheu o marido que quis, não o que devia. E um amante mais jovem do que ela. Sua força? A mistura de duas culturas, a do engenho baiano e a das ruas de Paris. O dia em que Luísa nasceu era um Sábado de Aleluia e as negras apregoavam nas ruas pastéis quentes para desenfastiar da Quaresma. Pela manhã, ao som dos primeiros sinos, as ladeiras da Preguiça, Misericórdia e Conceição se enchiam de devotos. Homens e mulheres entravam e saíam das igrejas com palmas bentas nas mãos e já livres das vestes escuras que eram obrigados a usar. As cadeiras de arruar, em madeira leve e cortinas coloridas, serpenteavam, levando sinhôs e iaiás, ricamente vestidos, para a missa. São Salvador da Bahia de Todos os Santos mergulhava nos ruídos de uma cidade em festa. Muito verde e toda em subidas e descidas, ela abrigava uma babel de casas, igrejas, conventos, becos e travessas. Enquanto a menina dormia o primeiro sono, escravas envoltas em seus panos-da-costa, pulseiras de ouro, turbantes brancos ou azuis ofereciam, desde cedo, seus quitutes nos tabuleiros. Em meio aos fiéis, carregadores transportavam na cabeça e nos ombros todo tipo de objetos: de barris de vinho e água a cestos com animais vivos. Gritos de trabalho enchiam o ar. Nas esquinas, se acendiam os fogareiros para aquecer as grandes panelas de mingau de milho e tapioca. O acaçá quente, de farinha de arroz, perfumava as calçadas. Aqui e ali, um barbeiro ambulante aparava gaforinhas e barbas. No sobrado alto e imponente onde a menina nasceu, as janelas abertas absorviam a música da cidade em festa. Com as paredes coloridas e as portas emolduradas por azulejos trazidos de Portugal, a construção ficava na Cidade Alta e era rodeada por um jardim gigantesco. Da esplanada onde estava localizada, gozava-se do panorama de toda a baía. Nos fundos, dando para as encostas abruptas, as galinhas ciscavam entre bananeiras e pés de mandioca. A cidade na qual nasceu Luísa era lindíssima. A densa vegetação entremeada com construções estendia-se até o extremo onde ficava a Igreja de Santo Antônio da Barra. Os morros se esfumando e a baía, com suas ilhas, ofereciam aos olhos um panorama sem igual. A Cidade Baixa impressionava pelo mercado, muito semelhante aos da costa da África. Entre pirâmides de frutas e legumes, sentavam-se vendedoras com trajes das mais diversas cores. Escravos seminus trabalhavam ativamente, carregando e descarregando as frutas e gaiolas. O brilho das conversas, o chiar dos papagaios e outros bichos de pena, o riso das mulheres e o grito dos patrões enchiam os ares. Nas praias, canoas descarregavam peixes. Cheios de produtos variados, o grande número de barcos, lanchas, saveiros e outros tipos de embarcações agitavam as águas. A pequena tinha um ano quando estourou, em Recife, a maior insurreição que o mundo luso-brasileiro conhecera até então. Alguns fatores se transformaram no estopim da bomba. Houve uma crise na produção açucareira à qual se somou uma grande seca que varreu a região. Além disso, os pernambucanos tinham a sensação de que os altos impostos que pagavam serviam apenas para financiar a Corte lusa no Rio. Tudo resultou num caldeirão onde prevalecia a idéia de que os portugueses exploravam a nobreza da terra. Nas missas passou-se a usar cachaça, no lugar do vinho, e mandioca, no da hóstia, para afirmar o sentimento de natividade. Houve até quem tentasse recrutar soldados de Napoleão para lutar em favor de uma república no Nordeste. E a história acabou mal. Em menos de três meses, os revolucionários que tinham ocupado a capital pernambucana foram apeados do poder por tropas portuguesas. “Má peste persiga tal canalha que quer viver do suor alheio”, imprecava a Gazeta da Bahia. Quatro líderes foram executados e o editorialista se felicitava: “Levantemos as mãos ao céu, por se haver acabado este fatal desastre sem que fosse preciso arrasar Recife.” Na Bahia, a situação também estava longe de ser tranqüila. Certo mal-estar se instalara desde a transferência da sede do governo de Salvador para o Rio. E este sentimento, combinado com outros fatores, tendia a aumentar o desejo de um governo diferente. Um governo constitucional mais sensível às necessidades das diferentes regiões e que seria encarregado de distribuir todos os benefícios concentrados na capital. Na falta desse governo, contudo, um cheiro de guerra civil se espalhava no ar. Enquanto esse sentimento se alastrava, a menina se agarrava ao peito da ama-de-leite, e Domingos, seu irmão, começava a dar, sozinho, os primeiros passos. A diferença de idade era pequena. Os pais tinham se casado havia apenas dois anos. Ambos os irmãos foram amamentados por escravas, localizadas em anúncios de jornal como tantos que eram publicados: “Limpa, de bom corpo e parida há um mês.” Em geral, essas mulheres portavam contas de louça em branco leitoso ao pescoço, para garantir que o leite não secasse. Além disto, alimentavam as crianças, desde muito pequenas, com comida que mascavam antes para amolecer. Enfim, uma alimentação à base de creme de arroz e fubá procurava proteger os irmãos das epidemias tão comuns nas cidades litorâneas. Luísa foi logo batizada. O prazo para a cerimônia era de oito dias. Temia-se que a inocente morresse do mal-de-sete-dias, indo direto para o limbo sem passar pelo purgatório. O batismo consistia não somente num rito de purificação e de promessa de fidelidade ao credo católico, mas também era uma forma de comemorar a entrada da criança nas estruturas familiares e sociais. Com roupa branca bordada e os enfeites de fitas de diversas cores, a menina foi, nos braços da madrinha, a avó Dona Luisa Rosa de Gouveia Portugal, para a pia batismal. A cerimônia foi administrada no oratório da casa por um amigo da família, o padre Mestre Joaquim de São Simplício. Seguiu-se uma animada reunião que terminou num chá. Nas semanas seguintes, o sino da porta da casa tocou muitas vezes, acionado por escravos. A mensagem era sempre a mesma: “Sinhô branco manda uns presente.” Como tantas crianças nascidas na mesma época, os irmãos Domingos e Luísa eram protegidos de feitiços, graças a defumadouros na casa. O uso de arruda entre os lençóis do berço também era comum. Se tinham algum problema de saúde, a primeira preocupação era saber se estavam embruxados. Para descobrir, bastava pegar um vaso cheio d’água e colocálo debaixo dos cueiros ou do berço, com um ovo dentro. Se o ovo boiasse, era certo ter quebranto. Eram então benzidos em jejum, durante três dias, com raminhos de arruda, guiné ou jurumeira. Como tantas outras crianças, sofreram as doenças infantis mais comuns — sarna, impingem, sarampo, lombrigas. Foram tratados com óleos santos e orações em verso: “Pedro e Paulo foram a Roma E Jesus Cristo encontrou Este lhe perguntou — Então, que há por lá? — Senhor, erisipela má. — Benze-a com azeite e logo te sarará.” Cedo começou o aprendizado dos dois. Dona Maria do Carmo era a primeira professora. Usavam-se, então, cartilhas de alfabetização e de religião que ensinavam a rezar o pai-nosso, a ave-maria e a repetir as sílabas. Depois se lhes ensinava a escrever as orações, a seguir os artigos, preposições e, finalmente, os verbos. Cercados de livros na enorme biblioteca do pai, os irmãos avançavam rapidamente no aprendizado. Luísa fazia exercícios de caligrafia, decorava a tabuada e tinha lições. Entre elas, fazer o bem e temer a Deus. Seus brinquedos preferidos? As bonecas de porcelana vindas de Paris. Ou as bruxas de pano — com cabelos naturais, unhas de escamas ou cânulas de penas. Sabia recitar o Magnificat, o Ave Maris Stella e o ofício de Nossa Senhora, que repetia com as mucamas, de manhã e à tarde. Não lhe era permitido sentar-se à mesa sem dar graças a Deus pelo alimento. Ai da mucama que se descuidasse em corrigir a menina! Recebia castigo com vara de marmelo. Na hora de ir à missa, seguia com os pais, o irmão e as escravas “de dentro” da casa, vestidas com o mesmo luxo de D. Maria do Carmo, pelas ruas íngremes da cidade. A primeira infância transcorreu tranqüila, entre o jardim do sobrado e algumas longas temporadas nos engenhos, que eram dois: São Pedro e São João. Ficavam no Recôncavo de Santo Amaro, ao longo do rio Subaé, distante cerca de 72 quilômetros da capital. A família ia para lá em lombo de mula, a cavalo, ou em carro de boi, por péssimas estradas. As mulheres e crianças recostavam-se em almofadões de chita no fundo do coche, ouvindo os gemidos das rodas que rangiam de cansaço. Como outros engenhos, São João e São Pedro eram reconhecidos pelas manchas verdes que pela manhã se enchiam dos sons de cigarras e pássaros: os canaviais. Ao longo dos córregos que abasteciam a casa, as buracicas, com suas flores amarelas, alegravam as margens. São João se alojava num pequeno vale, cercado por mata densa. Um renque de vinte coqueiros finos marcava a vista da casa principal. Sua única curiosidade era o alpendre com nobres colunas toscanas, que fazia as vezes de varanda. À direita, brilhava um grande açude onde as vacas bebiam água. A família ocupava um núcleo com uma sala central, e diversas alcovas ao seu redor. De um lado da entrada, ficava a capela que trazia à frente a tabuleta “Viva Nossa Senhora das Graças”, devoção dos Borges de Barros. Do outro, ficava o quarto de arreios, destinado aos hóspedes. Num quarto contíguo à sala, D. Domingos recebia empregados e amigos. Recebia também cativos fugidos ou maltratados pelos vizinhos, a quem dava proteção. Foi “padrinho” de muito escravo com marcas de suplícios e se colocava à disposição para facilitar as negociações com os senhores antes que ele optasse por “tirar cipó”. Ou seja, fugir para o mato. Da janela ou da varanda de engenhos como este, Luísa cresceu vendo o sol se espalhar sobre os partidos, esquentando as folhas de cana ainda pingando de orvalho. Dona Maria do Carmo, a poderosa senhora,dava o santo e a senha dentro da casa. Mulheres mais jovens e gentis, escravas ou não, provocavam logo seu mau humor e esconjuros. Mesmo jovem, já se sentia venerável por ter de dar a bênção a tanta gente: escravos, crianças, vizinhos. Essa necessidade de tanto abençoar a envelhecia e lhe dava a consciência de sua precoce respeitabilidade. Sabia que tinha que ser modelo de pureza, a quem interessava somente o bom governo da casa, a ordem e a economia. Evitava desperdícios, cuidava para que os escravos fossem bem alimentados e vestidos e olhava as crianças quando as mães recebiam serviços muito distantes. Zelava, pessoalmente, para que nada faltasse a Domingos e Luísa. Muito religiosa, Dona Maria do Carmo tinha empenho em que bem se ensinasse os meninos a rezar. As mucamas, as rapariguinhas viviam também na casa-grande sob suas vistas, ocupadas cosendo roupas grossas e sacos para o açúcar. À volta da mesa de costura, a senhora aproveitava para lhes contar histórias extraídas da Bíblia Sagrada, que elas ouviam com resignação. Maria do Carmo presidia também a distribuição das rações. Cabia a ela a missão de controlar as refeições do marido e dos trabalhadores; cuidar do bom funcionamento da cozinha e da dispensa; manter os trajes engomados, as camas macias e receitar remédios caseiros. Luísa e Domingos se misturavam às crianças livres e escravas do engenho para brincar. Pião e papagaio entre os meninos. Danças de roda, vestir o menino Jesus e batizados de bonecas, para as meninas. O pequeno Domingos aprendia a ter pontaria no bodoque ou a assobiar como os pássaros. Nos terreiros e pomares, as crianças subiam em árvores para comer fruta verde, brincavam de soldado e faziam teatrinho. A molecada tomava até três banhos de rio por dia. Caindo a tarde, a família liderada por D. Domingos se reunia para observar o movimento do engenho: a chegada do gado que, deixando as pastagens, se recolhia aos currais, e das últimas viagens de cana ou de mantimentos provindos da roça; a contagem e a revista dos escravos; a chegada de tropas de cavalos carregados de canastras. Luísa e seu irmão tudo acompanhavam da varanda. Descia a noite sob a melodia simples e monótona de versinhos, canto da gente da senzala. Na sala, jogavamse prendas, o queijo do reino sobre a mesa. Uma escrava idosa vinha, então, colocar sobre a canastra a lamparina, repetindo as palavras usuais: “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!” Sentavam-se todos à volta da mesa e começava a conversa animada. Nela, os assuntos prediletos eram a lavoura, as chuvas e a estiagem. A política era discutida depois da leitura do jornal Idade d’Ouro do Brazil. À luz de candeeiros, discutiam sobre o tempo: “Os porcos estão carregando mato: sinal de chuva.” Outro assunto de predileção, neste caso, na cozinha, eram as visões e assombrações. Histórias de gente que se “envultava”. Ficavam enfeitiçados nas encruzilhadas ou perto dos cemitérios. No silêncio do sono, tinha quem ouvia vozes de crianças que tinham morrido sem batismo a pedir o sacramento. Além do temor dos mortos, alguns vivos também faziam medo: quilombolas fugidos rio acima, aninhados pelos matos tiravam definitivamente o sono dos que moravam nos engenhos. Luísa e Domingos iam dormir com o temor de bichos infernais: o caipora, os homens amarelos que chupavam fígado de menino, o zumbi, o lobisomem. No oratório, com suas abas pintadas com santos, as mulheres do engenho, com as crianças pelas mãos, se reuniam para rezar. Faziam ladainhas à Virgem para pedir chuva, nos tempos de seca. Com as portas abertas para o terreiro, às suas vozes vinha se unir o coro de escravos, feitores e homens forros, de joelhos ao ar livre. Alguns penitentes descalços e descabelados levavam andores pelas estradas vizinhas. Um mundo de afazeres femininos cercava a mãe e, por extensão, a filha pequenina. Elas conviviam com modistas encarregadas do vestuário da sinhá e da sinhazinha. Dividiam com as cozinheiras e as biscoiteiras receitas variadas. Distribuíam ordens às mucamas que arranjavam alcovas, serviam banhos em bacias de cobre e, pela manhã, levavam em bandejas café com leite, gemada ou chocolate, acompanhados de outras gulodices. Circulavam em meio às mucamas que tomavam conta de tudo e eram encar regadas, nas horas vagas, de contar histórias às crianças e fazer-lhes cafunés. O ritmo do trabalho só era alterado pelo calendário religioso e as festas de colheita. No Natal, por exemplo, recebia-se a visita de parentes vindos da cidade. Nestas ocasiões, a casa se enchia de balbúrdia, as escravas aprontando bandejas e compoteiras. Presentes na forma de galinhas, leitões e perus, amarrados com fitas coloridas, eram entregues aos vizinhos e amigos. Os bailes pastoris, dançados nesta época, apresentavam um tom monótono e solene mas eram perfumados com uma chuva de flores jogada sobre os espectadores. Num deles, Luísa representou o anjo que viera avisar os pastores do nascimento de Jesus. Contudo, a festa mais importante dos engenhos era a da moagem. Luísa se lembraria dela por toda a vida. Acontecia em maio, época em que os engenhos começavam a funcionar. A casa, os paióis e as senzalas eram caiados e limpos. Os escravos ganhavam timões de baeta azul e roupa de algodão para o ano inteiro. Os de estimação, jóias de coral e cortes de chita. No terreiro, as bandeiras de papel flutuavam nas extremidades de bambus verdes. Matava-se um boi para o banquete dos senhores e carneiros e galinhas para a refeição dos escravos. Amigos ajudavam nos preparativos da música e dos fogos. D. Maria do Carmo, com seu vestido de musselina, trepa-moleque e lencinho ao pescoço, entretinha os convidados. Um carro de boi enfeitado com ramagens trazia os músicos e o vigário. Era a tradição que, em não se benzendo o engenho, tudo podia correr mal. Neste dia, com exceção das pessoas envolvidas com a festa, ninguém trabalhava. Os escravos batucavam depois do jantar, os roceiros cantavam e dançavam. Nessas ocasiões, cantar versos de autoria de D. Domingos era obrigatório. Aliás, o senhor de engenho e poeta tinha os versos muito apreciados em toda a província da Bahia. Em fevereiro, época da festa de Nossa Senhora da Purificação, as escravas saíam cedo da casa-grande, levando os tapetes sobre os quais D. Maria do Carmo e os filhos se sentariam, mais tarde, na Igreja de Santo Amaro. Os sepultamentos dentro do templo deixavam no ar um cheiro esquisito. A menina se impressionava quando o padre falava nos castigos reservados aos pecadores: “Misericórdia”, gritava o povo, e as pessoas se batiam nas faces. Algumas lembranças devem ter marcado Luísa para sempre. As que diziam respeito à escravidão, com certeza. Muitas de suas atitudes no futuro se originaram na primeira infância e no contato ininterrupto com a população negra, que crescia, a olhos vistos, na primeira metade do século XIX. Cerca de 8 mil africanos desembarcavam no porto de Salvador a cada ano para manter a economia açucareira funcionando. Eles vinham da área do Benim, sudoeste da atual Nigéria, no antigo reino do Daomé. Eram escravos nagôs, jejes, hauçás ou tapas. Em 1811, os escravos dessa origem representavam 50% da comunidade africana residente em Salvador, chegando a 60% em meados da década de 1830. Cerca de 10% eram originários da Costa da Mina e do sul da África, de Angola em sua maioria. A esse total de “nações”, nome que se dava às várias etnias, pertenciam mais de 60% dos escravos que representavam, por sua vez, 33% dos 65 mil habitantes de Salvador. Negros e pardos nascidos no Brasil formavam perto de 40% dos escravos. Uma presença tão forte de africanos preocupava setores das elites, entre as quais se incluía D. Domingos, senhor de engenhos. E com razão. Entre 1807 e 1835, os escravos realizariam mais de duas dezenas de conspirações e revoltas, mantendo seus senhores em estado permanente de alerta. Os hauçás começaram, em 1809, e repetiram a dose aliando-se aos nagôs, em 1813. Depois aconteceu o ataque à capital, Salvador, por seiscentos negros saídos das armações — onde trabalhavam na fabricação e conserto de embarcações — e de propriedades próximas a Salvador, contavam os jornais: “Eles começaram na armação de Manuel Inácio e seguiram pelo sítio de Itapoá até o Rio de Joanes com o desígnio de irem incorporando-se com os dos mais engenhos e armações. E gritavam ‘liberdade, vivam os negros e seus reis... e morram os brancos e mulatos’.” Eram cruéis e matavam as mulheres e os moleques que se recusavam a acompanhá-los. Em 1814, irrompeu uma insurreição em Santo Amaro do Ipitanga. No ano mesmo do nascimento de Luísa, lambeu o fogo da revolta em localidades como Lagoa, Itatinga, Caruaçu, Guíba, Cassarangongo, Quibaca, Cabaxi e Poucoponto. As condições para tais levantes não podiam ser melhores: as idéias liberais tinham enfraquecido grupos de senhores antes fervorosos defensores da metrópole, Portugal. As dissidências entre portugueses e brasileiros tinham aumentado. A classe militar baiana, encarregada da ordem, estava num abatimento só. Ou seja, eram tempos em que os senhores estavam na defensiva. Tinha-se muito medo do que os escravos faziam e do que ainda poderiam vir a fazer. Luísa cresceu ouvindo falar em poderosos rituais de candomblés, cenário para o que as autoridades entendiam como crime de feitiçaria. Neles — comentava-se —, se preparavam malefícios e calundus ao som de danças com requebros. Cantos em idiomas africanos varavam, muitas vezes, as noites e, nas ruas de Salvador, a menina ouvia falar dialetos incompreensíveis. Ela também via, da janela do sobrado ou nas esquinas, os jogos de capoeira animados por batuques. As negras “de dentro” gostavam de pendurar ao pescocinho dos pequenos ioiôs — como então se chamavam as crianças pequenas — amuletos e fetiches, juntando búzios e dentes de jacarés às medalhinhas de Nossa Senhora. Em casa, temiamse as que sabiam rezar o mau-olhado e o quebranto. Sussurrava-se sobre o “amansa-sinhô”, veneno com que os escravos, sobretudo os de nação mandinga, intoxicavam os senhores, tornando-os abúlicos. Não poucas vezes, ela viu negras que saíam pela casa afugentando os maus espíritos com raminhos de arruda. No engenho, a menina se impressionava com o poder dos negros que, por meio de rezas fortes, faziam cair o bicho das bicheiras ou livravam os canaviais das lagartas. E ela ouvia os pais falarem, com indignação, dos senhores que tratavam mal, castigavam e levavam escravos ao suicídio. A menina conhecia o vira-mundo, a gargalheira, o anjinho, o ferro em brasa, instrumentos de castigo aos quais D. Domingos tinha verdadeira aversão. Sabia que os traficantes de escravos tinham sua irmandade na pequena Igreja de Santo Antônio da Barra e que tinham São José por padroeiro. Aprendeu com os pais a desprezar os tumbeiros, embarcações que transportavam cativos da África. A abominar os negros ladradores, nome que se dava aos que procuravam e capturavam homens e mulheres em terras africanas. E a se horrorizar com os mercados de escravos que, para a alegria de seu pai, os ingleses começavam a fechar. A primeira infância da menina transcorreu numa época em que um debate dividia as autoridades locais. Maior coerção ou maior tolerância em relação aos escravos? O conde dos Arcos, último vice-rei do Brasil, achava que o apelo dos senhores à repressão era uma confissão de culpa: eles eram conscientes dos maus-tratos que infligiam aos escravos e temiam retaliações. Muitos senhores, diferentemente de D. Domingos, davam tratamento desumano aos seus. Nestes engenhos, eles trabalhavam até morrer, eram mal alimentados, punidos com rigor, coibidos em seus momentos de lazer e, por isso, se rebelavam. O conde dos Arcos e D. Domingos achavam que a escravidão em si provocava revolta. Por isso, o melhor remédio contra a rebeldia coletiva era deixar que os campos da Graça e do Barbalho fossem pontos de reunião, batuques, danças e festas. Acreditavam que as celebrações e divertimentos africanos na verdade representavam o sossego das senzalas. Ambos permitiam que seus escravos liberassem a energia que podia explodir na forma de rebeliões. Além disso, livre da pressão, cada nação africana se fecharia em torno dos seus próprios deuses e costumes, evitando alianças. Do outro lado, havia os que, como o inspetor-geral militar, Pedro Caldeira Brandt, endossavam a violência pura e simples. Este poderoso senhor de engenho, além de conservador, era adversário do avô de Luísa, Pedro Alexandrino de Souza Portugal. Os dois chegaram às vias de fato. Portugal ousou insultar publicamente Brandt e sofreu corte marcial. Foi absolvido por influência dos parentes, inclusive do genro, que já brilhava nos salões e na arena política baiana. Houve, portanto, duas razões para que Luísa se alinhasse com o pensamento abolicionista: as querelas familiares contra os conservadores e os princípios de D. Domingos. O prolongamento da infância entre o engenho São João e a cidade de Salvador foi, contudo, abortado pela decisão do pai de ir para a Europa. No pano de fundo se desenhava uma participação cada vez maior de Domingos Borges de Barros nas tensões que opunham brasileiros e portugueses. Fatos importantes se acumularam naqueles últimos anos. A revolução liberal do Porto, em agosto de 1820, criou uma monarquia constitucional em Portugal e estabeleceu as Cortes, o parlamento português, como órgão supremo da administração da metrópole e de seus domínios. Foram as Cortes que solicitaram o retorno de D. João VI à Europa em 1821, deixando seu filho Pedro na função de príncipe regente. Inicialmente, a revolução criou a expectativa de que o Brasil seria agraciado com um grau maior de autonomia. Em setembro de 1821, a Bahia elegeu nove deputados para representá-la nas Cortes, entre eles D. Domingos. Ele saiu daqui levando consigo uma agenda revolucionária: a emancipação política da mulher e a libertação dos escravos. Em janeiro de 1822, foi eleita uma nova junta governativa com representantes das classes ricas da província, do clero, da magistratura e dos militares. Mas uma carta régia, chegada um mês depois, determinava que o comandante de armas fosse um português, o que foi considerado um retrocesso inadmissível. Enquanto a junta debatia a legitimidade da nomeação, a população da Bahia acentuava sua divisão em campos opostos: os que estavam a favor de Portugal e os que estavam contra. Do lado português, contavam-se cerca de 1.700 homens armados e os próprios imigrados que controlavam a quase totalidade do comércio na província. O lado brasileiro era bem mais variado. Reunia militares, o povo pobre da cidade, profissionais liberais, a elite representada pelos senhores de engenho e uns poucos comerciantes. Existia ainda um terceiro grupo: o dos negros, escravos, forros e livres. Não havia objetivo definido ou unidade estratégica entre os brasileiros. Havia desde os que queriam a conciliação da colônia com a metrópole em bases tradicionais até os que propunham a independência e a instalação de uma república. Motins sucediam-se assim como lutas para ver quem ficaria com o poder. Portugueses ocuparam militarmente Salvador, enquanto latifundiários e oficiais brasileiros conspiravam no Recôncavo, para onde haviam se retirado. No início de 1822, a cidade se transformou num teatro de intolerância entre baianos e portugueses. Grupos de militares e paisanos brasileiros percorriam as ladeiras e praças gritando “Viva a Constituição, vivam as Cortes, viva o novo governo, abaixo o atual!”. Incidentes, ofensas e humilhações se multiplicavam. Eram comuns os confrontos nas ruas. E das janelas da Câmara Municipal escapavam gritos de “morte aos europeus”. Com o clima pesado, mais e mais baianos que tinham propriedades no Recôncavo começaram a deixar a capital, onde a repressão portuguesa se intensificava. Nas manchetes das gazetas, a fome era o assunto principal: “Os facciosos” — no caso os brasileiros revoltados contra Portugal — “foram ao porto de Caravelas proibir os barcos de farinha, que vinham para esta cidade; e esta notícia fez com que a farinha subisse logo cem por cento. É indispensável que o governo olhe muito seriamente para este objeto porque a fome produz comoções perigosas”. A comida não entrava e o dinheiro saía: os comerciantes alfacinhas preferiam mandar o seu para Lisboa! Perto do engenho São João, na Câmara Municipal de Santo Amaro, reuniram-se representantes da nobreza e do clero. Decidiram aconselhar os deputados da Bahia nas Cortes a apoiarem um governo autônomo para o Brasil com Dom Pedro à frente. Ainda em Lisboa, e tendo prévio conhecimento da pretendida idéia de recolonização do Brasil, Domingos escreveu a seu colega baiano Miguel Du Pin e Almeida — futuro secretário da Junta de Cachoeira pela Independência e futuro marquês de Abrantes — advertindo os senhores de engenho das manobras em curso em Portugal. O Brasil foi traído — avisava! O amigo leu sua carta em favor da liberdade, no dia 25 de junho, na presença dos ricos homens do Recôncavo. Era o vagido da independência que viria, alguns meses mais tarde, no mês de setembro. A 25 de junho de 1822, a Vila de Cachoeira aclamava a regência e D. Pedro, que foi promovido a “Defensor Perpétuo do Reino do Brasil”. De lá também saiu um apelo para a mobilização armada a todos os habitantes do Recôncavo contra os lusos. A guerra se aproximava. Os campos se dividiam claramente: na capital, os portugueses. No Recôncavo, os brasileiros, inclusive D. Maria do Carmo e as crianças. Enquanto isto, os pessimistas, membros do partido luso, trombeteavam: “E o Brasil? O Brasil segue a sorte de Portugal. E se não seguir está completamente perdido, porque os agentes da independência têm toda a capacidade para o levar a uma vastíssima anarquia. Em tal caso, Portugal fica sendo alguma coisa; e o Brasil nada, até que uma nação estrangeira o venha povoar e cultivar, de novo.” Apesar deles, a 7 de setembro a separação foi oficialmente confirmada no Rio de Janeiro, em São Paulo e Minas Gerais. A esta altura, as forças do Recôncavo sitiavam as tropas portuguesas em Salvador. O controle pelos baianos do abastecimento, que vinha do interior, também ajudou a estrangular a situação na capital. Muitos escravos e negros livres se uniram às forças patriotas. Tinha início a guerra da independência da Bahia que se estenderia até julho de 1823. Enquanto na colônia portugueses e brasileiros pegavam em armas, em Portugal, Domingos se batia por suas idéias. Em uma das sessões das Cortes Constituintes, exatamente no dia 22 de março de 1822, ele apresentou um projeto no qual propunha, entre outras medidas, a extinção do tráfico de escravos e a sua emancipação gradual. O deputado manifestava-se formalmente contra o comércio de carne humana. No Brasil estas idéias tinham pouco apoio e nas nações cultas da Europa, salvo a Inglaterra, o tráfico ainda não tinha sido totalmente suprimido. Ele fazia eco porém à formação que tivera e à agenda liberal que conquistou por meio de suas viagens e experiência familiar. Na Bahia, os escravos recrutados para lutar pela independência aguardavam, iludidos, sua libertação como prêmio. Quando o movimento emancipacionista se alastrou, a Bahia passou a ser governada por uma Junta Provisória composta por representantes das vilas sublevadas no Recôncavo. Foi esse governo que dirigiu o cerco à capital da Província, onde se encontravam estacionadas as tropas inimigas. Apesar de a cidade ter sido cercada, seu porto bloqueado, as estradas pelas quais era abastecida, ocupadas, os portugueses resistiram durante um ano. Nos meados de 1823, acabaram por ser expulsos e embarcados para Lisboa. Era o 2 de julho. Os lusos se defendiam, dizendo não terem feito mal nenhum. Viviam “sem ofender os brasileiros. E eles ainda se queixam e inventam mil mentiras”. Entrou, finalmente, na cidade o “exército pacificador”. Ao imperador recém-aclamado, não interessava perder uma das mais ricas províncias do país. E mandando nela, como sempre, os grandes e já conhecidos proprietários de engenhos, como os Borges de Barros. Os deputados portugueses tinham errado suas previsões. Não acreditaram que províncias como Rio e São Paulo pudessem se impor às demais, separadas por enormes distâncias, além de divididas por profundas diferenças. Achavam também que as elites temessem uma rebelião de escravos como aconteceu em São Domingos, ilha hoje dividida entre Haiti e República Dominicana. Nada disto aconteceu, a independência se firmou e Portugal acabou se conformando. A volta de D. João VI a Portugal havia criado uma situação nova: havia de fato dois governos. Um no Rio e outro em Lisboa. No conflito que nascia entre eles, era forçoso o recurso às potências estrangeiras para reconhecimento dos direitos brasileiros. Finalmente, em agosto de 1825, Portugal assinou um acordo sobre a independência, mediante uma indenização de 2 milhões de libras e a concessão a D. João VI do título de Imperador Honorário do Brasil. Ao Brasil coube o pagamento dos juros e dos serviços da dívida que Portugal tinha junto à Inglaterra. Após a concordância por parte de Portugal, não demorou muito para que as outras nações reconhecessem a nova situação. A Inglaterra o fez oficialmente em 1825, tratando em seguida de garantir a manutenção das vantagens concedidas aos comerciantes ingleses desde o estabelecimento de D. João no Rio de Janeiro. Domingos foi, então, mandado de Lisboa para Paris para conseguir o reconhecimento da independência do Brasil pela França. Domingos foi nomeado encarregado dos negócios brasileiros na França, em janeiro de 1824. Começaram então os arranjos para a mudança de sua família. Despedidas foram feitas nos engenhos. Na capital, visitas vinham dizer adeus. Os pequenos, Luísa e Domingos, pouco compreendiam, mas sabiam que algo ia mudar. D. Maria do Carmo ia enfrentar vida nova. A ida dos Borges de Barros à Europa traria mudanças profundas para todos. Ficavam para trás as longas temporadas no engenho São João. O senhor despia as botas. Os pequenos deixavam para trás os amigos, os banhos de rio e as árvores de fruta. Um desafio se abria diante da família. Na condição de chefe, Domingos Borges de Barros iria lhes mostrar um mundo que o fascinava. E graças a esta viagem, Luísa não conheceria apenas novas paisagens. Ganharia novos olhos sobre o mundo. Enquanto os Borges de Barros se instalavam em Paris, nascia, no Rio de Janeiro, o herdeiro do trono brasileiro. Em 2 de dezembro de 1825, a cidade despertou com o barulho de sinos e salvas de canhão que anunciavam a boa-nova. Os pais pediam a Deus um herdeiro, pois já tinham quatro filhas. Foram atendidos. Nas palavras da mãe, a imperatriz Leopoldina, era “um filho robusto e grande”, que recebeu o nome do pai: Pedro. Tinha, dela, os olhos azuis e o cabelo louro fosco. Desceu de Nova Friburgo uma ama-de-leite, mulher de um dos colonos suíços lá instalados, e o menino ganhou também uma mãe postiça, D. Mariana Carlota de Magalhães Coutinho. Pobre, mas culta e honrada, foi feita “camareira” ou dama de quarto do pequeno príncipe, segundo o costume da família real Habsburgo. A linguagem infantil a transformou, rapidamente, em Dadama. Diferentemente de Luísa, cuja infância foi cor-de-rosa, cercada dos pais que lhe enchiam de atenções, a de Pedro foi solitária. Com um ano, morreu-lhe a mãe de tristeza e, diziam, maus-tratos que lhe impingia um marido grosseiro. O menino foi levado pela mão até o caixão para beijar,pela última vez, a mão da imperatriz. Com um ano, o príncipe já vestia calças, jaleco e levava a placa do Cruzeiro, condecoração criada logo após a Independência, presa ao peito. Parecia um adulto em miniatura e tinha acessos de criança mimada. Uma “jovem fúria”, como o descreveu um visitante estrangeiro. A primeira infância foi passada no palácio de São Cristóvão, cercado de matas e silêncio. O pequerrucho crescia magrelo e amarelo, com olhos muito azuis. Portões afora, o imperador D. Pedro I enfrentava a oposição interna, questões nas fronteiras do sul do Império e problemas de sucessão em Portugal. Pedro tinha 5 anos quando seu pai abdicou do trono do Brasil. No dia 7 de abril de 1831, o monarca entrou no quarto onde os filhos dormiam, beijou-lhes, chorando, e embarcou, na mesma madrugada, para a Europa com a segunda mulher, D. Amélia, e com a filha primogênita, Maria da Glória. Deixou o varão e as três filhas entregues à nação brasileira. Aos mais chegados, explicava a retirada: “Os nascidos no Brasil congregam-se contra mim. Não querem mais que os governe porque sou português.” Ele sabia que a luta entre portugueses e brasileiros tinha começado. “Meu filho tem sobre mim a vantagem de ser brasileiro e de ser estimado por eles”, concluía. Com a abdicação do pai, o filho acordou imperador. Dizem mesmo que com a coroa em cima da cama. No caminho que o levou pelas ruas da cidade, nos braços de Dadama, viu o povo dando vivas, se abraçando e comemorando. Na despreocupação dos seus 5 anos, sentado no fundo do carro, ele só ouvia: “Imperador, cumprimente, cumprimente, Imperador.” E o obediente menino, solene e compenetrado, abanava a cabecinha loura para a direita e a esquerda. Uma semana depois, recebia uma carta do pai, escrita do navio, pedindo que não o esquecesse. “Lembre-se bem de um pai que ama e amará até a morte a Pátria que adotou como sua, em que Vossa Majestade teve a fortuna de nascer.” Pedia que amasse também o Brasil e seguisse os conselhos dados por aqueles que cuidariam de sua educação. Tinha certeza de que o mundo o iria admirar. Pedro não teve amor de pai e mãe como Luísa. Mas mereceu, como a menina baiana, uma educação primorosa. Seis meses depois da partida do ex-monarca, Dadama escrevia a D. Pedro I anunciando que o menino era “raro em tudo”. Estava adiantadíssimo nos estudos e já era capaz de ler português e inglês corretamente. Diante dos mais variados objetos, repetia seus nomes em língua estrangeira. Brincava com as estampas da História Sagrada e nas aulas de ginástica ensaiava os primeiros passos de dança. Começava o francês e dominava gramática. Logo, logo, leria os romances de Victor Hugo. Vez por outra, lhes chegavam às mãos livros e presentes enviados pelo consulado brasileiro em Paris. Quando, por pequenos incômodos de saúde, era obrigado a ficar no quarto em vez de assistir às aulas, chorava até ficar com o rosto inchado. O pequeno era estudioso, mas sofrido. “Tem o melhor caráter possível, franco, dócil, polido e alegre. Assim também as princesas, que são uns bons anjinhos” — contava Dadama. Mas perguntado sobre se queria passear na Quinta de São Cristóvão, respondeu: “Não, não gostava nada. E por quê? Porque tenho muitas saudades do Papai e da Mamãe.” Pobre criança, no dia de seu aniversário, houve doces e gente à volta dele. Mas nada conteve as lágrimas e os “corações oprimidos”, contava a camareira. Da Europa, primeiro em Paris, depois em Lisboa, o pai seguiu lhe escrevendo. Queria muito bem aos filhos e, apesar de estar envolvido numa luta de morte contra seu irmão pelo trono português, exprimia ao seu sucessor o prazer que lhe causavam suas cartas. Elas atestavam os progressos que o menino fazia nos estudos. “Aplica-te” — insistia — “que um dia virás a ser um digno monarca”. Lembrava que monarcas não eram deuses. Era preciso ter conhecimentos para serem amados e respeitados. Até sua morte em 1835, D. Pedro I não deixou de lhe recomendar que estudasse, fosse obediente, que tratasse bem a suas irmãs e “que vós lembreis de mim, que tanto vos amo”. Nove anos de tensões, motins e revoluções armadas seguiram-se à Abdicação. Não poucas vezes, os distúrbios chegaram às portas do palácio e era preciso esconder os pequenos príncipes num distante sítio na fazenda Santa Cruz. Nas ruas, os populares murmuravam que tinham “roubado o menino”. Tantos sustos só serviam para meter medo no espí rito do pequeno imperador. Se ele não tinha ainda idade para compreen der os perigos que o cercavam, percebia perfeitamente que vivia em insegurança. Na Cort, a atmosfera de intrigas e conspirações ajudou a formar, desde a mais tenra infância, um caráter reservado e precavido contra tudo e todos. A vontade política de alguns grandes homens livrou o país do esfacelamento e da anarquia. Mas, acima deles, pairava a imagem do Imperador-menino, do pequeno Monarca, do “pupilo da nação”. Todos lhe queriam bem e viam nele a esperança do jovem império. De toda parte emanava um sentimento de compaixão e defesa do pequeno órfão louro. Louro e triste. Pois se no engenho São João, Luísa e seu irmão se divertiam com filhos de escravos e empregados, em São Cristóvão os príncipes viviam engaiolados como passarinhos. Os ivertimentos eram poucos. Brincavam de rezar missa, jogar cartas e fazer teatrinho. No início de 1834, o menino sofreu mais uma perda. Morreu sua irmã, D. Paula, desde sempre doentinha. Para o pequeno núcleo familiar onde uns se apegavam aos outros, não pode ter sido mais doído. O pior veio depois. Em setembro, depois de ter enviado a Portugal alguns desenhos de vistas do Rio de Janeiro, que fizera a pedido do pai, o pequeno recebeu a horrível notícia: D. Pedro I expirou em seu quarto no palácio de Queluz. Sobre a reação das crianças, um observador registrou, penalizado: “Era golpe tão profundo em todos esses peitos juvenis (ele com 9 anos incompletos, as irmãs de 10 e 12), era tão comum a orfandade em que todos ficavam, tanto haviam se acostumado a sentir juntos as mesmas dores, que, por um singular movimento instintivo, o príncipe e as princesas saíram dos aposentos em que se achavam, com o único fito de se procurarem, reciprocamente; encontrando-se logo, todos três se enlaçaram no mais doloroso amplexo do mundo, até que torrentes de lágrimas prorromperam dos amargurados peitos com uma intensidade e afeto filial capaz de comover o mais empedernido coração.” As crianças mergulharam num tempo de silêncio e tristeza, vivendo, como disse alguém, da compaixão dos conterrâneos. A sombra na vida dos pequenos Bragança na Corte do Rio de Janeiro contrastava com a luz na dos pequenos Borges de Barros, circulando por Paris.

Assista o Trailer

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Condessa de Barral

Condessa de Barral (Cód: 2608833) Condessa de Barral (Cód: 2608833)
R$ 44,90
Condessa de Barral (Cód: 2608833) Condessa de Barral (Cód: 2608833)
R$ 44,90