Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
  • Google Plus

Direito Eleitoral Internacional e Comunitário (Cód: 2589818)

Born,Rogério Carlos

Juruá

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 29,90
Cartão Saraiva R$ 28,41 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Direito Eleitoral Internacional e Comunitário

R$29,90

Descrição

O Tratado da União Européia, Maastricht, de 1º de novembro de 1993, além de promover a denominação da Comunidade Econômica Européia para Comunidade Européia, emendando o Tratado de Roma garantiu que os europeus possuem “o direito de livre circulação e residência nos Estados-Membros da Comunidade” e, em conseqüência, “o exercício dos direitos políticos ativos e passivos nas eleições européias e autárquicas no Estado de residência”.
O Tratado de Roma, por seu turno, estabelece no artigo 19º, 1 que “qualquer cidadão da União residente num Estado-Membro que não seja o da sua nacionalidade goza do direito de eleger e de ser eleito nas eleições municipais do Estado-Membro de residência, nas mesmas condições que os nacionais desse Estado”.
No inciso 2 do mesmo artigo, ainda, é estabelecido que “qualquer cidadão da União residente num Estado-Membro que não seja o da sua nacionalidade, goza do direito de eleger e de ser eleito nas eleições para o Parlamento Europeu no Estado-Membro de residência, nas mesmas condições que os nacionais desse Estado”.
Desta forma, procura este estudo, primeiramente, distinguir as eleições municipais e autárquicas das eleições para o parlamento europeu, delimitando o alcance e resolvendo conflitos decorrentes das diferentes normas relativas aos direitos políticos ativos e passivos dos cidadãos da Comunidade Européia.
Neste emaranhado de normas eleitorais, não se poderia deixar de esclarecer o funcionamento dos partidos e o financiamento das campanhas eleitorais que constituem condições sine qua non para a realização dos pleitos comunitários.
Como se trata de eleições que envolvem o interesse internacional, não poderia ocorrer melhor oportunidade para esclarecer a atuação dos observadores internacionais que representam a Comunidade Européia, tanto nos Estados-membros, quanto nos pleitos realizados em países em conflito. A disciplina dos serviços das Missões de observação e assistência internacional são contempladas pela Carta da Organização dos Estados Americanos, OEA e avaliados por relatórios das Comissões da União Européia.
O Autor aproveitará, ainda, a experiência adquirida quando atuou como assistente da Comissão de observadores internacionais latino-americanos, norte-americanos e Europeus que acompanharam as Eleições Municipais de 2000 nas zonas eleitorais de Curitiba, Piraquara e Pinhais.
Na esteira do Direito Eleitoral Internacional, é prudente arrematar obra com a Extraterritorialidade da lei eleitoral brasileira esclarecendo o alistamento, o voto e a justificativa dos brasileiros que residem ou se encontram no exterior e o alcance do exercício dos direitos políticos pelos brasileiros em Portugal e dos portugueses no Brasil.
Por fim, busca o Autor, pontuar o direito eleitoral da integração sulamericana esclarecendo a composição e o processo eletivo para o Parlamento do Mercosul previsto inicialmente para o ano de 2014 delineando as intenções existentes que, a princípio, somente estava contida na Constituição Brasileira que, em norma programática, reza no parágrafo único do artigo 4º que “a República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações”.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Juruá
Cód. Barras 9788536220727
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788536220727
Profundidade 1.00 cm
Número da edição 1
Ano da edição 2008
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 110
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorBorn,Rogério Carlos

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Direito Eleitoral Internacional e Comunitário