Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
  • Google Plus
Livro Digital

Do que a gente fala quando fala de Anne Frank (Cód: 9321801)

Englander, Nathan; Claudio Marcondes

Companhia Das Letras (Livros Digitais)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 27,50
Cartão Saraiva R$ 27,50

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Do que a gente fala quando fala de Anne Frank

R$27,50

Descrição

Os oito relatos reunidos neste livro renovam temática e estilisticamente o panorama da narrativa curta produzida nos Estados Unidos. Nascido em 1970, Nathan Englander parece pertencer a um novo capítulo da literatura produzida por autores de ascendência judaica daquele país. Diferentemente dos personagens de Saul Bellow e Philip Roth, que se faziam americanos a despeito das origens europeias ainda recentes, os tipos criados por Englander habitam outro momento da psique judaica norte-americana: nativos de terceira ou quarta geração já não se constrangem em retornar às origens - moram em bairros e condados exclusivamente habitados por judeus religiosos, relacionam-se apenas com outros judeus, enxergam o mundo gentio com desconfiança e algum temor, permanecem fiéis ao Estado de Israel. Há muita paranoia nessas histórias: teme-se um novo Holocausto, há a desconfiança de que o velho frequentador do acampamento de férias possa na verdade ter sido um algoz nazista, subsiste o temor de um aniquilamento global a partir da destruição de Israel. Temas pesados, mas que na mão leve e inteligente do autor tornam-se enredos de algumas das mais deliciosas histórias da prosa contemporânea. Tudo com um humor anárquico e uma leveza típica dos filmes de Woody Allen. E vai além, pois Englander é um desses prodigiosos contadores de histórias. Isso tudo já é bastante explícito no conto que empresta o título ao volume. O leitor perceberá que se trata de uma paródia de uma famosa narrativa de Raymond Carver. Mas o sentido irônico do pastiche de Englander não fica apenas no título. À maneira das secas histórias de Carver, aqui o ritual do encontro etílico entre amigos de classe média é transformado num cômico embate de ideias e crenças.

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Companhia Das Letras (Livros Digitais)
Cód. Barras 9788580866421
Início da Venda 18/03/2013
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Sim
Idioma 333
Código do Formato Epub
Número de Páginas 208 (aproximado)
Ano da Publicação 113
Peso 0.00 Kg
AutorEnglander, Nathan; Claudio Marcondes

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Do que a gente fala quando fala de Anne Frank