Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
selo-progressivo-livros
e-book

Do vinil ao download (Cód: 9354874)

André Midani

Harpercollins Brasil (Livros Digitais)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 29,90

em até 1x de R$ 29,90 sem juros

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Do vinil ao download

R$29,90

Descrição

LIVRO QUE DEU ORIGEM AO PROGRAMA DO GNT“Se esta obra fosse um disco, seria um álbum triplo. Se fosse um filme, seria um épico. Se fosse uma série de tevê, seria sucesso por muitas temporadas. Uma história que, se não fosse real, seria difícil de acreditar.”
Washington Olivetto — Publicitário“Midani foi fundamental para que não acontecesse com a MPB o mesmo que se passou com o cinema brasileiro, eterno artesanato acachapado pelo grande cinema internacional. Graças à sua sensibilidade, pude ouvir Lulu, Rita Lee e os Titãs em pé de igualdade com os Rods, os Micks e afins.”
Fernanda Torres — AtrizDo vinil ao download não é só uma autobiografia, nem apenas o testemunho de histórias reveladoras do meio musical. É também uma reflexão sobre os modos de produção, veiculação e comercialização de música popular, e sobre as suas transformações, do 78 rotações ao long-play, do vinil ao CD, do CD ao MP3.”
Arnaldo Antunes — Músico e poeta“‘Comecei a entender que o que o cantor e sua música diziam não era tão importante quanto a maneira como o diziam, e como o que diziam dependia da genuinidade do sentimento que vinha do fundo da alma.’ Esta frase de André Midani explica o tipo de talento que fez dele um homem tão importante para a MPB.”
Susana Moraes — Cineasta“Ler a autobiografia de um amigo é vagamente indiscreto; é como se estivéssemos espionando seu diário íntimo. A vida de André Midani é extraordinária. Ele é muito mais importante do que se mostra para os amigos e muito mais extravagante do que conta para os leitores.”
Gloria Kalil — Jornalista, consultora de moda e escritora“É fascinante a história do homem que desembarcou no Brasil como uma das forças a construir a Música Popular Brasileira de dois lados: o do artista e o da indústria. Não teria sido tão bem-sucedido se não dominasse tanto a arte quanto o negócio.”
Thomaz Souto Corrêa — Vice-presidente do Conselho Editorial do Grupo AbrilSe não existisse, André Midani não poderia ser inventado. Seria inverossímil demais. Sua vida é feita de acasos improváveis. Vocês conhecem alguém que se encontrava na Normandia em 1945, durante o desembarque das tropas aliadas no famoso “Dia D”? Pois André estava lá, como muito depois estava no Rio ajudando a criar a Bossa Nova. Ou mais tarde nos Estados Unidos, como um dos mais poderosos executivos da Time Warner. Tinha razão aquela policial mexicana quando examinou os documentos dele: “Uma pessoa nascida na Síria, com passaporte brasileiro, que mora em Nova York, que vem de Medellín e passa pelo México, que diz trabalhar com música e que fala espanhol com sotaque francês... não pode ser uma pessoa confiável!”Glauber Rocha também não se conformava. Chegou a escrever um artigo cujo título dizia tudo: “André Midani, o agente da CIA”. Para o hiperbólico cineasta, aquele gringo que comandava a produção musical no Brasil só podia ser um elemento do imperialismo americano infiltrado no nosso showbiz. Fazia sentido, porque o suspeito estava realizando uma revolução na nossa indústria do disco. A gravadora que ele dirigia aqui havia tomado conta do mercado.Por outro lado, a ditadura mantinha sob vigilância esse possível agente de Moscou — no caso, com motivos. André ousou reunir o que para os militares não passava de um elenco de subversivos: Caetano, Gil, Chico, Raul Seixas, Nara, Elis, entre outros. Pior: quando alguns desses elementos perigosos foram obrigados a deixar o país, Midani desafiou a repressão e os manteve empregados e produzindo no exílio.Do vinil ao download é uma espécie de Google da MPB moderna. Acesse “Midani” e vêm junto Tom, Vinicius, João Gilberto, Donato, o que há de melhor, com histórias saborosas. Como a do dirigente de uma companhia que jogou no chão o disco que André insistia para que ele gravasse. “Isso é música de veado!”, xingou. O disco se chamava Chega de saudade.A policial mexicana errou por pouco. André era confiável. Só não era provável.
Zuenir Ventura

Características

Peso 0.00 Kg
Produto sob encomenda Sim
Marca Harpercollins Brasil (Livros Digitais)
Acabamento e-book
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Sim
Cód. Barras 9788520923191
Ano da Publicação 2015
AutorAndré Midani