Frete Grátis
  • Google Plus

Filiação (Cód: 2639390)

Fujita,Jorge Shiguemitsu

Atlas

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 57,00
Cartão Saraiva R$ 54,15 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 28,50 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Descrição

A relação entre pais e filhos sofreu profundas transformações durante o desenrolar dos séculos, deslocando-se do princípio da autoridade exercida pelo paterfamilias em Roma (que detinha o ius vitae necisque, isto é, o direito de vida e de morte sobre os filhos) até o princípio do afeto. A filiação, atualmente, é fundada no afeto, motivo pelo qual pouco importa se o filho é originário de um matrimônio ou de uma união estável, se o filho é resultante de uma relação extraconjugal ou de uma conduta incestuosa de seus pais.

Os filhos matrimoniais ou extramatrimoniais, biológicos e socioafetivos, são todos iguais perante a lei, possuindo os mesmo direitos e deveres e experimentando os mesmo efeitos pessoais, patrimoniais e sociais. E não se admitem quaisquer designações que possam, de algum modo, discriminar a filiação. Afinal, filho é, simplesmente, filho.

Até mais da metade do século XX, promovia-se, no Brasil, uma distinção entre filhos legítimos, ilegítimos, legitimados e adotivos. Somente eram considerados legítimos os filhos nascidos de um casamento e, para tanto, aplicava-se a célebre presunção romana pater is est, segundo o qual o pai era o marido da mãe. Todavia, esse critério de paternidade foi superado por ocasião da descoberta do exame de DNA, que se revelou de grande valor para apontar a verdade biológica da filiação.

No período que compreende o final do século XX e início do século XXI, observamos um novo capítulo no vínculo entre pais e filhos, consistente numa verdade superior àquela biológica. Essa verdade é a socioafetiva existente na relação paterno-materno-filial, talhada na compreensão, na assistência, no carinho, afeto e companheirismo. Para ser pai, ou mãe, não basta unicamente ser o titular do material genético, porquanto é absolutamente necessário que assuma, com afetividade, todos os direitos-deveres que lhe são inerentes.

Livro destinado a todos os acadêmicos, pesquisadores e operadores do Direito - magistrados, promotores de justiça e advogados -, com o objetivo não apenas de destacar aspectos referentes à filiação, como também de colocar em evidência os critérios jurídico, biológico e socioafetivo, com ênfase neste último.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Atlas
Cód. Barras 9788522454488
Altura 24.00 cm
I.S.B.N. 9788522454488
Profundidade 0.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2009
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 166
Peso 0.44 Kg
Largura 17.00 cm
AutorFujita,Jorge Shiguemitsu

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Filiação