Frete Grátis
  • Google Plus

Gregório de Matos - Poemas Atribuídos - Códice Asensio-Cunha - Vol. 3 (Cód: 7695049)

Hansen, João Adolfo; Guerra, Gregório De Matos E; Moreira, Marcello

Autêntica Editora

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 47,00
Cartão Saraiva R$ 44,65 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 23,50 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Na sátira atribuída a Gregório de Matos e Guerra, o caráter e as paixões do personagem satírico que vitupera vícios e viciosos são inventados retoricamente com categorias e preceitos éticos, jurídicos e teológico-políticos da “política católica” ibérica, sendo repetidos nos poemas como esquemas opositivos de ação verbal: catolicismo X heresia e gentilidade; brancura X não brancura da pele; discrição X vulgaridade; fidalguia X plebe; honestidade X desonestidade; liberdade X escravidão; masculino X feminino; sexo natural X sexo contra naturam. Constituindo-se como semelhança virtuosa das categorias positivas, o personagem satírico compõe os tipos viciosos como semelhanças malvadas das negativas, afirmando ser tipo virtuoso, por isso indignado contra a corrupção da sua Cidade segundo uma afetação retórica de indignação, como ocorre na Sátira 1, 79, de Juvenal: […] si natura negat, facit indignatio versum. Quando declara que a ordem racional do seu mundo está corrompida e que sua indignação faz o verso, o personagem de Juvenal afirma também ignorar o valor da disciplina poética. Com verossimilhança dramática, alega viver num mundo caótico em que expressa sua indignação caoticamente, como se o discurso fosse expressão informal da sua ira. Obviamente, é artifício dizer que “não há artifício” no que é retoricamente dito. A irracionalidade da indignação do personagem é inventada racionalmente, enfim, pela técnica de contrafação do fingimento poético que produz estruturas “indignadas” e “excessivas”. No século XVII, vulgares as recebiam como ausência de artifício.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Autêntica Editora
Cód. Barras 9788582173039
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788582173039
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2014
Idioma Português
Número de Páginas 496
Peso 0.20 Kg
Largura 14.00 cm
AutorHansen, João Adolfo; Guerra, Gregório De Matos E; Moreira, Marcello

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Gregório de Matos - Poemas Atribuídos - Códice Asensio-Cunha - Vol. 3

Gregório de Matos - Poemas Atribuídos - Códice Asensio-Cunha - Vol. 3 (Cód: 7695049) Gregório de Matos - Poemas Atribuídos - Códice ... (Cód: 7695049)
R$ 47,00
Gregório de Matos - Poemas Atribuídos - Códice Asensio-Cunha - Vol. 3 (Cód: 7695049) Gregório de Matos - Poemas Atribuídos - Códice ... (Cód: 7695049)
R$ 47,00