Frete Grátis
  • Google Plus

Hipólito e Fedra - Três Tragédias - Estudo , Tradução e Notas de Joaquim Brasil Fontes (Cód: 1973666)

Seneca; Euripides

Iluminuras

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 57,00
Cartão Saraiva R$ 54,15 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 28,50 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Os santuários de Ártemis, divindade que os latinos assimilariam mais tarde a Diana, situavam-se geralmente nos limites, nos confins de todo território cultivado, chamado pelos gregos de eskhatíai: a orla, as extremidades, o ponto onde estão inscritas as complexas relações que a civilização estabelece com a selvageria e a natureza com a cultura. As muralhas urbanas circunscrevem o adulto, o cidadão, suas lutas e guerras. Leis e códigos humanos. Do outro lado, extra-muros, ficam a 'vida espinhosa' e as feras selvagens. E não é difícil imaginar a tragédia de 'Hipólito e Fedra' acontecendo numa dessas margens instáveis, tênues, que separam a terra cultivada da floresta virgem, a paixão da razão - embora os antigos a situassem geograficamente às vezes em Atenas, às vezes em Trezena, árido burgo natal de Teseu, o grande herói civilizador.
Filho de Teseu e de uma amazona - mulher guerreira e selvagem -, Hipólito é um caçador que devotou sua vida ao culto da virgem deusa Ártemis. É ferozmente casto. É belo. Terá talvez quinze anos de idade.
Fedra pertence à linhagem do Sol e é irmã do Minotauro, fruto dos amores monstruosos de sua mãe com um touro sagrado. Seu pai, o cretense Minos, rege o reino tenebroso dos mortos. Casada com Teseu, é uma jovem rainha estrangeira em terra grega e seu nome, que significa 'a luminosa', é o mais claro e um irônico signo de suas insolúveis contradições: Afrodite sopra-lhe nas veias uma paixão impossível por Hipólito, cuja essência é a castidade, desencadeando a noite escura em que ela vai desmoronar lentamente, à sombra de Teseu, figura arquetípica do poder - erótico, político, religioso, paterno.
No tabuleiro das paixões proibidas, uma quarta figura é entretanto indispensável ao bom funcionamento dessa peça de teatro antigo: a Ama ou Aia da rainha que, ao tentar desfazer os nós que embaraçam as personagens ao seu destino, a ele as vai atando, mais e mais.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Iluminuras
Cód. Barras 9788573212624
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788573212624
Profundidade 2.50 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2007
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 496
Peso 0.68 Kg
Largura 16.00 cm
AutorSeneca; Euripides

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Hipólito e Fedra - Três Tragédias - Estudo , Tradução e Notas de Joaquim Brasil Fontes