Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 12Artboard 28Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8

Histórias de Literatura e Cegueira (Cód: 1981501)

Fuks,Julián

Record

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 47,90

em até 1x de R$ 47,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 45,51 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Histórias de Literatura e Cegueira

R$47,90

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

HISTÓRIAS DE LITERATURA E CEGUEIRA é um híbrido entre ensaio e ficção. A partir da vida e obra dos escritores Jorge Luis Borges, João Cabral de Melo Neto e James Joyce, Julián Fuks constrói pequenas histórias fragmentadas de momentos da trajetória de cada um desses autores, que possuem em comum a cegueira precoce ou tardia. Cenas da criação de poemas, contos, ensaios, romances são abordados de forma original, como uma ficção sobre outra ficção. “Acho que o que essas histórias transmitem é que sempre se produz uma relação muito pessoal e particular com a cegueira. Há os que conseguem fazer dela quase que um atributo, uma condição que lhes concede uma singularidade (e por isso até apreciável, em se tratando de um mundo tão homogêneo), e os que se deixam abater pelas impossibilidades que ela provoca e nunca superam essa frustração.”, diz o autor. Borges, míope desde a infância e tendo acompanhado o enceguecimento do próprio pai, conhecia bem o mal que o destino lhe reservava e, ao longo dos anos, apenas foi se conformando com isso. Estava preparado, então, e quem sabe até satisfeito com a demora, quando aos 56 anos finalmente ficou cego. Já tinha armado a infra-estrutura de que necessitava. A mãe, a irmã, os amigos que o cercavam não se incomodariam em ler para ele tudo o que desejasse, e menos ainda em pôr no papel o que se desprendesse dos lábios dele, os versos que ditasse. Em pouco tempo, aquilo se converteria em ritual e já quase não o incomodaria, persistindo assim nos trinta anos seguintes. Para João Cabral, a história foi muito diferente. A cegueira o pegou de surpresa e obscureceu os últimos sete anos de sua vida, que ele acabou vivendo tristemente trancafiado num apartamento da praia do Flamengo. Já quase não escreveu mais nenhum verso e tinha tremenda dificuldade em se concentrar na audição, de modo que tudo o que liam para ele acabava acarretando um sofrimento, pela incompreensão de que se via vítima. A cegueira representou, portanto, o fim de sua vida devotada à literatura. Joyce, por fim, teve uma cegueira peculiar, marcada por surtos de dor aguda e por operações sucessivas praticamente inúteis. Por algumas superstições que carregava desde menino, ele sempre a compreendeu como um castigo dos deuses, que o estariam punindo pelos pecados passados (lembrando que sua formação havia sido dentro de um catolicismo rígido) e pela vida desregrada e tumultuosa que levava. Dessa forma, ele sempre amaldiçoou a cegueira e nunca se rendeu a ela, lutando para ignorá-la mesmo nos momentos mais críticos e seguir trabalhando, ditar da maneira que podia, revisar o que alguém lhe lesse. É claro que nisso se reflete também a obsessão com que ele se dedicava à escrita.

Características

Peso 0.24 Kg
Produto sob encomenda Sim
Editora Record
I.S.B.N. 9788501079435
Altura 21.00 cm
Largura 14.00 cm
Profundidade 1.20 cm
Número de Páginas 160
Cód. Barras 9788501079435
Ano da edição 2007
País de Origem Brasil
AutorFuks,Julián