Frete Grátis
  • Google Plus

Lete - Arte e Critica do Esquecimento (Cód: 464664)

Weinrich,Harald

Civilização Brasileira

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 50,00
Cartão Saraiva R$ 47,50 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 25,00 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

LETE, de Harald Weinrich, é um ensaio, uma viagem pelo rio mitológico de mesmo nome e pela história cultural deste fenômeno. Weinrich observa como o homem tem lidado com o esquecimento, analisando-o em seus vários aspectos na literatura, na filosofia, na história e, principalmente, na mitologia ocidentais. Lete, o Esquecimento, é filha de Éris, a discórdia, e, segundo uma tradição, mãe das Cáritas, as Graças. A Fonte do Esquecimento, conhecida por Lete e situada nos Infernos, era de onde os mortos bebiam um líquido para esquecer a sua vida terrena. De igual modo, na concepção dos filósofos - de que Platão se fez eco com O Mito da Caverna - antes de regressar à vida e de retomar um corpo, as lamas bebiam desse líquido, que lhes tirava a memória do que tinham visto no mundo subterrâneo. Perto do oráculo de Trofónio, em lebadeia, na Beócia, existiam duas nascentes, aonde deviam beber os que o consultavam: a Fonte do Esquecimento e a Fonte da Memória, Mnemósine. Lete transformou-se numa alegoria, O esquecimento, irmã da Morte e do Sono, freqüentemente mencionada pelos poetas. Weinrich se propôs uma tarefa que jamais alguém antes havia cumprido: escrever a história cultural da dupla face do esquecimento - da técnica em vencê-lo e da crítica feita em querer vencê-lo. O homem necessita combater o esquecimento e, ao mesmo tempo, contar com ele. Lete, como toda divindade tinha uma relação ambígua com os homens. Na Antigüidade grega já era conhecida essa relação. Temístocles, por exemplo, antecipava o que Nietzsche escreveria muitos anos depois: 'felizes os que esquecem.' Na Odisséia, Ulisses relata que os maiores obstáculos em seu retorno a Ítaca se dão em três momentos: os lotófagos, Circe e a ninfa Calipso se empenham de igual em provocar o esquecimento da vontade de voltar. Segundo o professor e crítico Luiz Costa Lima, partindo deste ponto, Weinrich percorre Ovídio - tanto autor de um ars amatoria como aquele que celebra Amor Lethaeus, o deus romano responsável pelo árduo trabalho de provocar o esquecimento do amor - entre outros, Virgílio, Platão, Agostinho, Dante, Vives, Rabelais, Montaigne, Cervantes, sua pouco lembrada fonte, o médico Juan Huarte, aos quais nesta edição brasileira, publicada pela Editora Record, se acrescenta Camões, vindo daí aos modernos e aos contemporâneos. A sutileza de LETE consta de duas faces: inteligência e leveza igualmente incríveis. Um estudo imperdível e precioso. Com o olhar fixo sobre o rio, o autor se propõe a analisar e descrever, a partir de numerosos exemplos retirados essencialmente da literatura européia no sentido amplo do termo, as formas mais notáveis que revestem o esquecimento no desenrolar da história cultural, da Antigüidade aos nossos dias.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Civilização Brasileira
Cód. Barras 9788520005422
Altura 22.50 cm
I.S.B.N. 852000542X
Profundidade 2.00 cm
Acabamento Brochura
CONSUMÍVEL Não
Número da edição 1
Idioma Português
ANO 2001
MÊS NOVEMBRO
País de Origem Brasil
Número de Páginas 346
Ano da Publicação 2001
Peso 0.52 Kg
Largura 15.50 cm
AutorWeinrich,Harald

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Lete - Arte e Critica do Esquecimento