Frete Grátis
  • Google Plus

Medicina Legal - Fundamentos Filosóficos (Cód: 2884338)

Freire,José Jozefran Berto

Pillares

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 56,00
Cartão Saraiva R$ 53,20 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 28,00 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

O conceito de Medicina Legal só aparece em 1621, com Paolo Zacchia (Quaestiones Medico Legales). Alguns objetivos permearam o nosso traba-lho e daí decorreram algumas consequências que passamos a enumerar. A primeira é a de demonstrar que a Medicina Legal pode ser a ciência de uma classe no sentido da Lógica e que ela não seria, portanto, a exemplo da Medicina Clínica, 'uma ciência do indivíduo', como diz Gilles Granger em sua obra 'Epistemologia', já tornada célebre. A segunda consequência teórica seria a de propor a Medicina Legal como ciência do 'frequente aristotélico', termo este cunhado pelo grande helenista brasileiro Porchat Pereira, enquanto conceito filosófico, graças ao qual podemos situar a nossa ciência entre o 'acidental aristotélico' e o necessário e universal do pensamento lógico-matemático. Em terceiro lugar, refletimos e discorremos sobre o fato de que os laudos médico-legais estão normalmente restritos à constatação empírica e, então, demonstraremos a também indispensável condição 'a priori' da possibilidade de se estabelecer o 'visum et repertum', ou seja, a consideração do papel do encéfalo na leitura da experiência possível ao ser humano, numa linguagem atual. Sobre o Método, consideramos as teorias de Aristóteles, Descartes, Kant, Piaget, Popper e Granger, deixando de lado os grandes empiristas Francis Bacon, David Hume, Stuart Mill, na medida que, em suas teorias, devido as crenças embutidas no próprio Empirismo, não há lugar para o cérebro como condição primeira de qualquer tipo de leitura da experiência no mundo sensível.
Ora, muitos biológos, inclusive no Brasil, a partir do Prêmio Nobel em Fisiologia ou Medicina, Konrad Lorenz, consideram que o 'a priori' kantiano pode ser interpretado, hoje, como o aspecto endógeno, orgânico, da possibilidade humana de conhecer o mundo.Tal possibilidade se torna necessária a toda e qualquer leitura da experiência vivida, sobretudo quando houver a necessidade de explicá-la e reportá-la a terceiros. No caso da Medicina Legal, reportá-la à Justiça, com muitíssimas implicações psicossociais. Propomos então, à Medicina Legal, um Método Dialético, procurando demonstrar suas vantagens teóricas e práticas.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Pillares
Cód. Barras 9788589919791
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788589919791
Profundidade 1.50 cm
Acabamento Brochura
Ano da edição 2010
Idioma Português
Número de Páginas 276
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorFreire,José Jozefran Berto

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Medicina Legal - Fundamentos Filosóficos