Frete Grátis
  • Google Plus

Mídia e Produção Audiovisual: Uma Introdução (Cód: 2605359)

Marcia Nogueira Alves,Mara Fontoura, Cleide

Ibpex

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 55,00
Cartão Saraiva R$ 52,25 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 27,50 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Este livro levará você a uma viagem inaugural pelo mundo da mídia e da produção audiovisual.
Com uma linguagem simples e agradável, Cleide Luciane Antoniutti, Mara Fontoura e Marcia Nogueira Alves contam a história dos meios de comunicação audiovisual e da propaganda no Brasil e no mundo e explicam de forma didática como funcionam a produção sonora e audiovisual e a publicidade on-line. Fazem também uma introdução teórica a assuntos de grande interesse na atualidade, como a convergência das tecnologias e seus impactos, a comunicação de massa e a segmentação dos mercados.Você saberá, por exemplo, quem são os profissionais envolvidos na produção de um comercial, qual a diferença entre um spot e um jingle e os diversos tipos de banners para a internet.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Ibpex
Cód. Barras 9788578380557
Altura 0.00 cm
I.S.B.N. 9788578380557
Profundidade 0.00 cm
Número de Páginas 357
Peso 0.56 Kg
Largura 0.00 cm
AutorMarcia Nogueira Alves,Mara Fontoura, Cleide

Leia um trecho

Capítulo 1 Este capítulo traz uma visão histórica da comunicação. Expõe a busca constante do homem por meios de transmitir o conhecimento e se comunicar com maior eficiência à medida que o mundo foi evoluindo. Veremos como a escrita e a invenção da prensa revolucionaram o registro de livros edocumentos, afetando profundamente as comunicações das sociedades. Ainda que nosso objeto de estudo esteja limitado à comuni cação audiovisual, comentaremos sobre o surgimento da mídia im pressa, que, historicamente, fez nascer o conceito de meio de comunicação como o entendemos na atualidade. Um breve passeio pela história da comunicação 1.1 Muito tempo antes Uma das maiores conquistas da história da humanidade foi descobrir, ao longo do tempo, diferentes formas de se comunicar e de transmitir conhecimento. Desde os primórdios, o homem está em constante evolução nesse sentido. Quando ainda morava nas cavernas, os desenhos nas paredes eram o recurso empregado para transmitir idéias eregistrar os valores sociais daquele período. No Império Romano, os ocupantes das torres de observação tinham, além da vigília, a função de emitir sinais para lugares distantes. Para isso, acenavam bandeiras ou tochas de fogo de acordo com um código preestabelecido, para transmitir as mensagens desejadas. Os chineses usavam os mesmos artifícios. Sons de tambor eram freqüentemente ouvidos nas tribos africanas e os índios americanos eram mestres na arte de transmitir sinais de fumaça, indícios de uma comunicação audiovisual, mesmo que rudimentar. Assim, por um bom período de tempo, sons, luzes e fumaça foram os meios de comunicação mais utilizados. A transmissão de mensagens também era feita oralmente, chegando a virar uma atividade formal entre incas, astecas, gregos e romanos. Na Grécia e em Roma, a profissão de carteiro-corredor era uma das mais cobiçadas. Um deles, o soldado grego Feidípedes, entrou para a história ao percorrer cerca de 40 quilômetros entre as cidades de Maratona e Atenas para anunciar a vitória sobre os persas. Após cumprir sua missão, morreu de exaustão. Com o tempo, o ser humano buscou maneiras mais sofisticadas de se comunicar. Com o surgimento da escrita, criou-se a possibilidade de registro e perpetuação das experiências por sucessivas gerações. A comunicação deixou de ser um fato – a fala – e se tornou objeto – a escrita (o livro). Além disso, o aparecimento da escrita está ligado ao surgimento da civilização. A oralidade era uma característica das sociedades mais rudimentares, limitadas aos mecanismos da fala e da memória para garantir sua sobrevivência. Com base nisso, pode-se afirmar que a escrita foi a primeira tecnologia de pensamento e inteligência desenvolvida pelo homem e representou uma mudança de paradigma quanto ao modo de acumular os conhecimentos historicamente construídos. Tão logo o homem começou a registrar os seus conhecimentos, mesmo que poucos tivessem o privilégio de acesso a eles, a expansão da escrita tornou-se inevitável. Tem-se registro de que em 627 a.C. já havia na biblioteca do palácio de Assurbanipal, na Assíria, uma coleção de 25 mil placas de argila com textos literários, religiosos, históricos, legais e comerciais, produzidos por escribas. As placas eram grandes e pesadas e, como apresentavam formas variadas, o critério adotado para organizar o acervo era justamente o seu formato. As placas redondas, por exemplo, continham anotações sobre determinado tema, enquanto as retangulares eram registros de outro tipo de documento. Com a popularização da escrita, surgiu a necessidade de aperfeiçoar os materiais nos quais se registravam os textos. Até se chegar ao papel, houve muita experimentação. Os assírios, como já citado, usavam placas de argila, enquanto os sumérios adotavam tijolos de barro. Os romanos usavam tábuas de madeira cobertas de cera. Em qualquer um desses casos, o mais difícil era o transporte e o armazenamento. Por volta de 350 a.C., os romanos substituíram as tábuas pelo pergaminho, em formato de rolo. Tempos depois, esses rolos se transformaram em páginas encadernadas, conhecidas como códex. Os egípcios usavam o papiro, que, devido ao seu tamanho, era enrolado em dois cilindros, para facilitar o manuseio. Os chineses também usavam o códex, mas confeccionado com seda, e os indianos eram adeptos das folhas de bananeira. Os maias e os astecas, povos précolombianos, escreviam seus livros e documentos em um material retirado dos troncos das árvores. Sabe-se que, por volta do século II, os chineses criaram uma técnica de impressão parecida com a usada para estampar tecidos, mas que só se desenvolveu a partir do ano de 105, quando inventaram o papel*, pois o papiro era extremamente frágil e o pergaminho, muito caro. Apesar de ser o material mais adequado e promissorpara o registro de livros, documentos ou mesmo mensagens, o processo de fabricação do papel demorou muito tempo para se tornar conhecido entre outros povos. Os chineses guardavam esse segredo a sete chaves. E, pelo que a história relata, foram muito bem-sucedidos nesse sentido, pois somente em 610 os japoneses descobriram a técnica de fabricação desse material. Os árabes, obcecados pela idéia de descobrir o método de obtenção do papel, chegaram a capturar fabricantes chineses e, depois que finalmente o descobriram, acabaram levando a novidade para a Europa, no século XII**. Paralelamente à evolução dos tipos de materiais empregados no registro de documentos, o homem procurou aprimorar seus métodos de comunicação usando a escrita. Na China, existia o tipao, uma espécie de boletim de notícias escrito à mão, de acesso restrito aos membros mais importantes da dinastia Han. Por volta de 59 a.C., os romanos publicavam um noticiário oficial, o Acta Diurna, também totalmente manuscrito, porém mais popular. Depois de confeccionado, era colado no mercado público e, portanto, podia ser lido pelo povo. Os analfabetos ficavam amontoados ao lado esperando ansiosamente até que alguém lesse em voz alta as últimas notícias. Na Idade Média, como o conhecimento da escrita era praticamente restrito aos religiosos, os livros eram escritos por monges copistas, com a ajuda de aprendizes. Além da Bíblia, eles copiavam ou raduziam obras clássicas e, quando eram textos de sua autoria, geralmente tratavam de temas filosóficos ou teológicos. Como escreviam à mão, um livro demorava meses e até anos para ser concluído. Mas, por volta de 1450, Johannes Gutenberg criou a tipografia, revolucionando a produção de textos escritos, em razão da possibilidade de imprimi-los em grande escala. O método de impressão mecânica, ou tipografia móvel, era relativamente simples, mas trabalhoso. Consistia em esculpir as letras em tipos de metal e, depois, colocá-las lado a lado para compor as palavras, até chegar a páginas inteiras de texto, que eram prensadas. O primeiro livro realizado com essa técnica ficou conhecido como a Bíblia de Gutenberg e foi concluído anos depois, em 1455. Em pouco tempo, a técnica ganhou mercado e várias oficinas de impressão foram abertas por toda a Europa. Em 1500, já havia registro de cerca de 9 milhões de livros impressos e, menos de um século depois, esse número mais que dobrou, chegando a cerca de 20 milhões. A impressão escrita permitiu uma maior mobilidade do conhecimento, tanto em temporalidade quanto em abrangência social. Com o hábito da leitura, as mudanças sociais, culturais e políticas foram significativas, mesmo que de maneira tímida no início, devido ao fato de que grande parte da população demorou para integrar o grupo de pessoas alfabetizadas. O século XV marcou o início de uma revolução em termos de comunicação. Depois da invenção da prensa, vários boletins impressos surgiram na Europa. Porém, os primeiros jornais publicados com regularidade – popularmente chamados de avisi ou gazetas* – ainda eram manuscritos. Foi somente no século XVI que apareceram os jornais regulares impressos, na região que hoje corresponde à Alemanha, à Áustria, à Holanda e à Suíça. Geralmente, tinham periodicidade semanal ou mensal. Assim, surgiu o primeiro meio de comunicação formal. Com o jornal, o povo passou a ser mais bem informado e o conceito de opinião pública começou a tomar forma. Existem registros de que, em 1640, líderes políticos ingleses já usavam a imprensa para divulgar seus ideais e ganhar apoio público. No Brasil, a imprensa iniciou-se no Rio de Janeiro, em 10 de setembro de 1808, mesmo ano em que a Corte de D. João VI chegou ao País. O primeiro impresso oficial, a Gazeta do Rio de Janeiro, saiu da Impressão Régia (futura Tipografia Nacional). O jornal trazia notícias da Corte e da Europa, além de assuntos gerais sobre os despachos de D. João. Antes disso, em junho do mesmo ano, passou a circular o Correio Braziliense, fundado por Hipólito da Costa e redigido e dirigido por ele no exílio em Londres. O jornal atacava principalmente o modelo imperial implantado na Colônia e, por isso, era repudiado pela Corte e teve de se manter na clandestinidade. Esses dois periódicos tinham estilos e intenções diferenciados. A Gazeta do Rio de Janeiro era um jornal informal semanal, com poucas folhas e o mesmo formato que o dos órgãos impressos no período, além de preço baixo, enquanto o Correio Braziliense tinha edição mensal e preço elevado, constituindose em uma brochura de mais de cem páginas. O Correio Braziliense acabou por incentivar o surgimento de inúmeras outras publicações. Em Lisboa, no ano de 1809, já circulava o Reflexões sobre o Correio Braziliense e, no Brasil, o próprio governo se encarregava da emissão de folhetos e documentos, além da publicação de jornais. No mesmo período, surgiram outros títulos, como A Idade de Ouro do Brasil, o primeiro jornal provinciano, editado na Bahia em 1811. No ano seguinte, foi a vez de Variedades ou Ensaios de Literatura e, pouco mais de um ano depois, de O Patriota. No início do século XIX, os jornais eram artesanais e sua impressão um monopólio da Impressão Régia. Mas o que de fato retardou o desenvolvimento da imprensa no Brasil foi a restrição da liberdade de expressão imposta pelo governo para evitar ataques políticos. Somado a isso, a maior parte da população era analfabeta, havia poucos centros urbanos, o comércio interno era incipiente e a indústria, pouco promissora. Depois da independência, em 1822, a imprensa começou a se espalhar por vários cantos do País. No afã do momento, Cipriano José Barata lançou o Sentinella da Liberdade, primeiro jornal panfletário, com uma linguagem patriótica, inflamada e contestadora. Assim nasceu o pasquim. Pelo tom claramente oposicionista que adotava no jornal, Cipriano acabou sendo preso muitas vezes, em vários locais diferentes. Por essa razão, pode-se encontrar na Biblioteca Nacional edições do Sentinella da Liberdade publicadas em diversos locais do País: da guarita do quartel-general de Pirajá, na Bahia (março de 1831), da guarita do quartel-general de Villegaignon (edições entre 1831 e 1832) e da guarita de Pernambuco (em 1832, 1834 e 1835). O estilo irônico e até grosseiro, ou seja, sem “papas na língua”, dos pasquins causava impacto e acabou por servir de motivo para a perseguição e atentados a jornalistas e figuras da imprensa durante décadas. No mesmo período, além dos pasquins, apareceram outras publicações esporádicas, de variedades, que traziam assuntos “philosophicos, litterarios, industriais e scientíficos”. Entre elas, destacam-se O Belchior Político (1844), A Borboleta (1844) e A Lanterna Mágica (1844-1845). Quintino Bocayuva estava à frente da primeira versão de O Globo, que em nada lembrava o atual jornal. A publicação costumava apresentar vários romances em forma de folhetim. O mais famoso foi A mão e a luva, de Machado de Assis. A fundação do Partido Republicano, em 1870, inspirou o lançamento do jornal A República, com edições às terças, quintas e sábados. Como pertencia ao Club Republicano, sua missão principal era publicar o Manifesto Republicano, com o objetivo de mobilizar a população. Preocupado com a cultura da época, publicava romances de autores brasileiros, como Til, de José de Alencar (1871). Paralelamente, surgiram publicações importantes e duradouras, como a Gazeta de Notícias, de Ferreira Araujo, e O Paiz, também dirigido por Quintino Bocayuva (a folha de maior tiragem e circulação da América do Sul). No entanto, o engajamento político da imprensa não lhe confere qualquer mérito relativo à Proclamação da República, pois, nessa época, o público que lia jornal ainda era pouco significativo e a característica regionalista dos meios impedia que tivessem um alcance nacional. Apesar de todas as dificuldades, em 1879, todos os estados brasileiros já tinham jornais impressos com as características de um meio de comunicação formal, ou seja, publicação periódica, com cobertura e/ou distribuição definida em determinada praça, região ou mercado. O século XX foi definitivo para o desenvolvimento da imprensa. Logo no início, surgiram as primeiras empresas jornalísticas. A industrialização cresceu e, com ela, os meios de comunicação em massa no País. No final desse século, a popularização da internet provocou um grande impacto na mídia impressa, com a transformação dos jornais em versões on-line. A maior vantagem dessa nova mídia é que as notícias podem ser atualizadas instantaneamente, além de permitir a participação do leitor, por meio de comentários e enquetes.

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Mídia e Produção Audiovisual: Uma Introdução