Frete Grátis
  • Google Plus

O Cortiço - Série Literatura Brasileira (Cód: 3299912)

Azevedo,Aluísio

Universidade Falada

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 25,00 R$ 22,00 (-12%)
Cartão Saraiva R$ 20,90 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

O cortiço, publicado em 1890, é um marco do Naturalismo no Brasil. Os personagens principais são moradores de um cortiço no Rio de Janeiro. Excluídos, humildes, e quem não se misturava com a burguesia moravam lá. Todos possuindo os seus problemas e vícios decorrentes do meio em que vivem. O autor descreve a sociedade brasileira da época, formada pelos portugueses, burgueses, negros e mulatos, pessoas apaixonadas por dinheiro e poder, que pensam somente em si mesmos, ao mesmo tempo em que presenciam a miséria, ou mesmo a simplicidade dos outros. O autor descreve a sociedade brasileira da época, formada pelos portugueses, os burgueses, os negros e os mulatos, pessoas querendo mais e mais dinheiro e poder, pensando em si só, ao mesmo tempo em que presenciam a miséria, ou mesmo a simplicidade de outros. Essa obra de Aluísio Azevedo tem dois elementos importantes: primeiro, o extensivo uso de zoomorfismo; e, segundo, cria um microcosmo (Que é o cortiço do título). O cortiço também é ostensivamente personificado no decorrer da obra, sendo muitas vezes tratado como um único personagem ('Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.', capítulo III). Sumário do enredo O romance não se concentra em um personagem apenas, mas no início, a ação está mais ou menos centrada no português João Romão, ganancioso e avarento comerciante que consegue enganar uma escrava trabalhadeira chamada Bertoleza (Aluísio várias vezes menciona o conceito racista de que Bertoleza era submissiva e trabalhadeira por ser negra), conseguindo assim, uma empregada que trabalhava de graça. João Romão privava-se de todo o luxo, e só gastava dinheiro em coisas que faziam-no ganhar mais dinheiro. Foi assim que ele começou a comprar terreno e construiu o Cortiço. Miranda, vizinho rico de Romão, e também português, que vivia no luxo, começa a questionar o modo que conseguiu a riqueza, (Se casou com uma mulher rica, Estela, e eles se odeiam mutuamente) e a invejar João Romão, enriquecendo por conta própria. João Romão, que continua enriquecendo, constrói uma pedreira, e contrata o português Jerônimo para supervisionar os trabalhadores. O que se segue é a transformação de Jerônimo, de um português forte, trabalhador e honesto em um brasileiro malandro e preguiçoso, (Seguindo os preceitos naturalistas de que o meio determina o homem) graças à sua atração por Rita Baiana, uma mulata que morava no cortiço. Jerônimo briga com Firmo, namorado de Baiana, é esfaqueado e vai para o hospital. Quando sai, chama uns amigos e vai ao cortiço vizinho, o 'Cabeça de Gato', onde mata Firmo a pauladas. Enquanto isso, João Romão começa a invejar Miranda, que acaba de conseguir um título de nobreza. E, quando o cortiço é destruído por um incêndio, ele o reconstrói, mas desta vez, para a classe média, ao invés da ralé que morava lá antes. Depois, ele começa a comprar coisas caras e se interessa em se casar com a filha de Miranda, para se tornar nobre também. Mas há um problema: Bertoleza.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Universidade Falada
Cód. Barras 9788560997824
Altura 19.00 cm
I.S.B.N. 9788560997824
Profundidade 1.00 cm
Duração Aproximada 7 horas
Narração Aluísio Azevedo
Idioma Português
País de Origem Brasil
Tipo de Mídia CD
Peso 0.10 Kg
Largura 13.00 cm
AutorAzevedo,Aluísio

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: O Cortiço - Série Literatura Brasileira