Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

O Encarnado e o Branco (Cód: 4892673)

Pamplona, Fernando

Novaterra

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 29,90

em até 1x de R$ 29,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 28,41 (-5%)

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Origem

R$ 49,90

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


O Encarnado e o Branco

R$29,90

Descrição

Pamplona fez história no desfile das escolas de samba a partir dos anos 60, quando introduziu os enredos afro nos desfiles, e colocou o Salgueiro no patamar das grandes agremiações cariocas. Foi o líder de uma geração de carnavalescos que brilhou nos anos seguintes em várias escolas: Arlindo Rodrigues, Joãosinho Trinta, Rosa Magalhães, Renato Lage, Maria Augusta, dentre outros. O livro é composto por quatro atos, que vão desde a infância no Acre (Fernando é carioca, mas rumou ainda pequeno para o Norte do País) até o período em que atuou como comentarista de televisão. O prefácio é assinado por Sérgio Cabral e o posfácio ficou a cargo de Joãosinho Trinta, falecido em 2011, considerado por Fernando Pamplona o mais talentoso dos seus pupilos. A capa tem o traço inconfundível de Ziraldo. Pamplona está com 86 anos (nasceu em 28 de setembro de 1926). Sua estreia na folia aconteceu em 1960 ('Quilombo dos Palmares'), o primeiro campeonato do Salgueiro. Foi campeão também 1965, 1969 e 1971. “Sempre na mesma escola, sempre sem ganhar dinheiro algum. Fiz apenas no amor”, orgulha-se. O último trabalho como carnavalesco foi em 1978 ('Do Yorubá à luz, a Aurora dos Deuses'). Depois disso, atuou como comentarista da TVE e da Rede Manchete. Também foi professor da Escola de Belas Artes da UFRJ, cenógrafo do Theatro Municipal e o responsável por algumas das melhores decorações de rua do carnaval carioca. “As mudanças promovidas por ele tinham em vista, principalmente, a preservação dos elementos da cultura negra. Já em 1960 introduziu espetacularmente os atabaques no Salgueiro. Ao substituir por espelhos as lâmpadas usadas nas fantasias dos sambistas, recuperava uma tradição do próprio folclore brasileiro”, afirma Sérgio Cabral. Com produção e coordenação do jornalista e escritor Fábio Fabato, o livro mostra em primeira pessoa todas estas transformações, fundamentais para colocarem o samba no protagonismo da folia do Rio. Casado há mais de 60 anos com Zeni, a bailarina que conheceu no Municipal (e que é o seu ponto de equilíbrio), pai de Eneida e Consuelo, tão botafoguense quanto salgueirense, Pamplona é a síntese de um Rio multidiverso, pleno de referências, de pulsação cultural, mestiça e democrática. A biografia é, sobretudo, um desfile de grandes personagens do século XX, de amizades, bares, polêmicas e sonhos que cristalizaram a força popular e universal de seu trabalho. “Ao contrário do artista comum, que se comove diante de uma catedral gótica, ele descobriu que a sua catedral era feita de carne e sangue, de suor e prazer, de riso e lágrima em forma de povo”, derrama-se o escritor Carlos Heitor Cony, que assina a orelha da publicação. Quer síntese mais perfeita para o “pai de todos”? Viva Pamplona!

Características

Peso 0.44 Kg
Produto sob encomenda Não
Editora Novaterra
I.S.B.N. 9788561893231
Altura 21.00 cm
Largura 14.00 cm
Profundidade 1.00 cm
Número de Páginas 174
Idioma Português
Acabamento Brochura
Cód. Barras 9788561893231
Número da edição 1
Ano da edição 2013
AutorPamplona, Fernando