Frete Grátis
  • Google Plus

O Índio Brasileiro e a Revolução Francesa (Cód: 448372)

Franco,Afonso Arinos de Melo

Topbooks

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 32,00 R$ 28,20 (-12%)
Cartão Saraiva R$ 26,79 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

O Índio brasileiro e a Revolução Francesa é erudita, original e brilhante análise do impacto da imagem do índio brasileiro no imaginário, na literatura e no pensamento europeus dos séculos XVI, XVII e XVIII. O autor concentra-se na visão do 'bom selvagem' transmitida por viajantes e a persegue, em viagem não menos fascinante que a deles, nas obras de grandes pensadores e literatos como Thomas Morus, Erasmo, Rabelais, Montaigne, Shakespeare, Locke, e, por último, Rosseau, que faz a ligação direta de nossos índios com a Revolução Francesa via teoria da bondade natural do ser humano. Índio fazendo europeu se repensar: excelente tema para meditar no quinto centenário do encontro das duas culturas.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Topbooks
Cód. Barras 9788574750088
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 8574750085
Profundidade 1.80 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 3
Ano da edição 2004
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 318
Peso 0.38 Kg
Largura 14.00 cm
AutorFranco,Afonso Arinos de Melo

Avaliações

Avaliação geral: 5

Você está revisando: O Índio Brasileiro e a Revolução Francesa

Newton Kepler de Oliveira recomendou este produto.
07/04/2015

Resultado de exaustiva pesquisa documental sobre um período histórico.

Afonso Arinos salienta o impacto do descobrimento da América, em particular o Brasil, sobre o pensamento político europeu. Ele realizou uma exaustiva pesquisa documental sobre um período histórico marcado pelas narrativas de viajantes. Afonso Arinos estabelece diálogos com a obras de grandes pensadores europeus, entre eles Thomas More e Jean Jacques Rousseau. Uma obra excepcional, que deve ser lida e discutida em qualquer centro de pesquisa social de qualidade.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)