Frete Grátis
  • Google Plus

O Julgamento de Gabriel (Cód: 4914100)

Reynard, Sylvain

Arqueiro

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 49,90 R$ 27,90 (-44%)
Cartão Saraiva R$ 26,51 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


O Julgamento de Gabriel

R$27,90

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Eles estão vivendo uma paixão arrebatadora. Mas muitas pessoas são contra esse amor. Gabriel Emerson e Julia Mitchell se conheceram há muito tempo, quando ela ainda era adolescente, numa noite mágica e confusa. Mas, apesar de todo o sentimento que nasceu entre eles, no dia seguinte seus caminhos se separaram. Anos depois eles se reencontraram quando Julia começou o mestrado na Universidade de Toronto. Gabriel era um professor enigmático, sedutor e muito arrogante que a atormentava e perseguia. No entanto, o que mais fazia Julia sofrer era ele não se lembrar dela. Mas nem mesmo o insensível Gabriel é capaz de resistir à profunda conexão que existe entre eles e logo os dois embarcam numa tórrida paixão proibida. Com o fim do semestre e do curso ministrado por Gabriel, eles deixam de ser professor e aluna e enfim estão livres para viver seu amor. Ou pelo menos era o que pensavam. Após uma viagem romântica para a Itália, durante a qual Gabriel ensina a Julia todos os mistérios do prazer e, em troca, aprende com ela o significado do amor verdadeiro, os dois veem seus sonhos ameaçados. Duas denúncias junto ao Comitê Disciplinar da Universidade põem em risco o emprego de Gabriel e a carreira brilhante e promissora de Julia. Será que o professor vai ceder às ameaças ou irá lutar até o fim por sua amada? Será que essa paixão conseguirá resistir a um julgamento implacável? Na apaixonante sequência de “O inferno de Gabriel”, Sylvain Reynard constrói uma bela história de amor, da qual os leitores jamais se esquecerão.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Arqueiro
Cód. Barras 9788580411850
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788580411850
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Tradutor Fabiano Morais
Número da edição 1
Ano da edição 2013
Idioma Português
Número de Páginas 384
Título Original Gabriel’s Rapture
Peso 0.45 Kg
Largura 16.00 cm
AutorReynard, Sylvain

Leia um trecho

O professor Gabriel Emerson estava sentado na cama, nu, lendo o jornal florentino La Nazione. Havia acordado cedo na cobertura Palazzo Vecchio do Gallery Hotel Art e pedira o serviço de quarto, mas não conseguiu resistir à tentação de voltar para a cama e ficar observando a jovem dormir. Ela estava deitada de lado, virada para ele, respirando de modo suave. Um diamante brilhava em sua orelha, suas faces estavam rosadas por causa do calor. O sol entrava pelas janelas panorâmicas, iluminando a cama. As cobertas, deliciosamente amarrotadas, recendiam a sexo e sândalo. Seus olhos azuis brilharam, explorando-a sem pressa, a pele exposta, os cabelos longos e negros. Quando tornou a voltar sua atenção para o jornal, ela se mexeu um pouco e gemeu. Preocupado, ele atirou o jornal de lado. Ela puxou os joelhos para junto do peito, enroscando-se na cama. Murmúrios escaparam de seus lábios e Gabriel se inclinou para mais perto, tentando decifrar o que ela dizia. Mas não conseguiu. De repente, seu corpo se contorceu e ela deu um grito de cortar o coração. Seus braços se debateram, lutando com o lençol que a cobria. – Julianne? Ele pousou de leve a mão sobre seu ombro nu, mas ela se encolheu ao toque. Começou a balbuciar o nome dele repetidamente, o tom de voz cada vez mais apavorado. – Julia, estou aqui – disse ele, elevando a voz. No instante em que tornou a estender a mão para tocá-la, ela se sentou na cama com as costas eretas, ofegante. – Você está bem? Gabriel se aproximou, resistindo ao impulso de tocá-la. Ela respirava com difi-culdade e, sob o olhar vigilante dele, cobriu os olhos com a mão trêmula. – Julia? Após um longo minuto de tensão, ela o encarou de olhos arregalados. Ele fechou a cara. – O que houve? Ela engoliu em seco. – Um pesadelo. – Sobre o quê? – Eu estava no bosque atrás da casa dos seus pais, em Selinsgrove. As sobrancelhas de Gabriel se uniram atrás dos óculos de armação preta. – Por que você sonharia com isso? Ela respirou fundo, cobrindo os seios com o lençol e levando-o até o queixo. A coberta, volumosa e branca, engoliu suas formas delicadas antes de ondular como uma nuvem por sobre o colchão. Aos olhos dele, ela parecia uma estátua ateniense. Ele correu os dedos com carinho por sua pele. – Julianne, fale comigo. Ela se contorceu sob o seu olhar penetrante, mas ele se recusou a soltá-la. – O sonho começou muito bonito. Nós fizemos amor à luz das estrelas e eu adormeci em seus braços. Mas, quando acordei, você tinha sumido. – Está me dizendo que sonhou que fiz amor com você e depois a abandonei? – A voz dele ficou mais fria para disfarçar seu desconforto. – Eu já acordei no pomar sem você antes – disse ela a meia voz, em tom de censura. O fogo de Gabriel se apagou na mesma hora. Ele pensou naquela noite mágica seis anos antes, quando eles se conheceram e apenas conversaram e ficaram abraçados. Ele havia acordado na manhã seguinte e fora embora, deixando sozinha uma adolescente adormecida. A ansiedade dela era compreensível e até comovente. Um a um, Gabriel abriu e beijou os dedos cerrados dela, arrependido. – Eu amo você, Beatriz. Não vou abandoná-la. Você sabe disso, não sabe? – Doeria muito mais perder você agora. Franzindo a testa, ele passou um braço em volta dela, pressionando seu rosto contra o peito. Uma enxurrada de lembranças lhe invadiu a mente enquanto ele pensava nos acontecimentos da noite anterior. Tinha visto Julia nua pela pri-meira vez e a iniciara nas intimidades do sexo. Ela compartilhara sua inocência com ele, que acreditava tê-la feito feliz. Sem dúvida havia sido uma das melhores noites da sua vida. Ele refletiu sobre isso por alguns instantes. – Você se arrepende da noite passada? – perguntou. – Não. Estou feliz que você tenha sido o primeiro. Foi o que eu sempre quis, desde que nos conhecemos. Ele pousou a mão no rosto dela, acariciando sua pele com o polegar. – É uma honra ter sido o seu primeiro. – Ele se inclinou para a frente, seu olhar fixo. – Mas também quero ser o último. Ela sorriu e levou os lábios ao encontro dos dele. Porém, antes que Gabriel pudesse abraçá-la, as badaladas do Big Ben ecoaram pelo quarto. – Deixe isso para lá – sussurrou ele, irritado, esticando o corpo sobre o dela e obrigando-a a se deitar. Ela lançou um olhar por sobre o ombro dele, em direção ao iPhone que tocava em cima da mesa. – Achei que ela não fosse mais ligar para você. – Não vou atender, então não tem importância. – Ele se ajoelhou entre as pernas dela e a descobriu. – Na minha cama, só existimos nós dois. Ela perscrutou os olhos dele enquanto Gabriel colava seu corpo nu ao dela. Ele se inclinou para a frente a fim de beijá-la, mas ela virou a cabeça. – Ainda não escovei os dentes. – Não me importo. Ele baixou os lábios até seu pescoço, beijando-o e sentindo sua pulsação ace-lerada. – Prefiro fazer a toalete antes. Ele bufou, frustrado, e se apoiou num dos cotovelos. – Não deixe Paulina estragar as coisas entre nós. – Não vou deixar. Ela tentou rolar de baixo dele e levar o lençol, mas Gabriel o agarrou. Olhou para Julia por sobre a armação dos óculos, os olhos faiscando de malícia. – Preciso do lençol para fazer a cama. Os olhos de Julia se desviaram do tecido branco preso entre os dedos dele e foram até seu rosto. Gabriel parecia uma pantera prestes a atacar. Ela lançou um olhar para a pilha de roupas no chão. Estavam fora do seu alcance. – Qual o problema? – perguntou ele, contendo um sorriso. Julia ficou vermelha e segurou o lençol com mais força. Com uma risadinha, Gabriel o soltou e a puxou para seus braços. – Não precisa ser tímida. Você é linda. Se eu pudesse escolher, você nunca mais se vestiria. Gabriel pressionou os lábios no lóbulo da orelha dela, roçando o brinco de diamante. Estava seguro de que Grace, sua mãe adotiva, teria ficado feliz em saber que Julia recebera seus brincos. Com outro beijo suave, ele se virou, sentando-se na beirada da cama. Ela correu para o banheiro, mas não antes de Gabriel conseguir ter um vislumbre de seu traseiro encantador quando ela largou o lençol, imediatamente antes de cruzar a porta. Enquanto escovava os dentes, ela pensou no que havia acontecido. Fazer amor com Gabriel tinha sido uma experiência muito intensa, e seu coração ainda estava abalado. O que não era nenhuma surpresa, levando-se em conta a história dos dois. Ela o desejava desde os 17 anos, quando haviam passado uma noite inocente juntos num pomar, mas, ao acordar na manhã seguinte, ele tinha desaparecido. Como estava bêbado e drogado quando tudo aconteceu, Gabriel havia se esquecido dela. Julia só voltou a vê-lo depois de seis longos anos, mas ainda assim ele não se lembrou dela de imediato. Quando o reencontrou, no primeiro dia do curso que Gabriel ministrava na pós-graduação da Universidade de Toronto, ele lhe pareceu atraente porém frio, como uma estrela distante. Na época, não acreditava que pudessem se tornar amantes. Achava impossível que o professor temperamental e arrogante correspondesse a seu afeto. Havia muitas coisas que ela não sabia. O sexo era uma forma de conhecimento, e agora ela sentia uma pontada de ciúme que nunca havia experimentado. A simples ideia de que Gabriel havia feito com outra mulher (no caso dele, com muitas outras) o que fizera com ela lhe dava um aperto no peito. Ela sabia que os encontros de Gabriel eram diferentes do que eles haviam compartilhado – aventuras que nada tinham a ver com amor ou afeto. Mas ele despira aquelas mulheres, vira-as nuas e as penetrara. Quantas delas não desejaram mais depois de terem estado com ele? Paulina havia desejado. Ela e Gabriel tinham mantido contato ao longo dos anos, desde que perderam o bebê deles. A nova maneira de Julia encarar o sexo mudou sua compreensão do passado dele e a tornou mais solidária com o drama de Paulina. E ainda mais precavida contra perder Gabriel para ela ou para qualquer outra mulher. Sentindo-se invadida por uma onda de insegurança, Julia se agarrou a uma das pias do banheiro. Gabriel a amava, ela acreditava nisso. Mas também era um cavalheiro e por isso jamais revelaria que a relação deles o deixara insatisfeito. E quanto ao seu próprio comportamento? Ela havia feito perguntas e falado em momentos nos quais imaginava que a maioria das amantes teria ficado calada. Tinha feito muito pouco para agradá-lo e, quando tentou, ele a impedira. Julia voltou a ouvir as palavras do seu ex-namorado, girando em sua mente como gritos de condenação: Você é frígida. Vai ser péssima de cama. Ela deu as costas para o espelho, refletindo sobre o que poderia acontecer se Gabriel estivesse insatisfeito com ela. O espectro da traição mostrou sua cabeça maléfica, trazendo consigo visões de quando ela encontrou Simon na cama com sua colega de quarto. Ela empertigou os ombros. Estava confiante de que, se convencesse Gabriel a ser paciente e ensiná-la, poderia dar prazer a ele. Gabriel a amava e lhe daria uma chance. Ela pertencia a ele, como se seu nome estivesse gravado a ferro e fogo na pele dela. Quando saiu do banheiro, ela o viu através da porta aberta do terraço. No caminho, se distraiu com um belo vaso de flores roxo-escuras e lírios mais claros, matizados, em cima da mesa. Alguns amantes teriam comprado rosas vermelhas de caules longos, mas Gabriel, não. Ela abriu o cartão que estava aninhado entre as flores.

Avaliações

Avaliação geral: 4.1

Você está revisando: O Julgamento de Gabriel

adrielly recomendou este produto.
30/03/2017

maravilhoso

linda história de amor proibido, parabéns para Sylvain reynard. SIMPLISMENTE FANTÁSTICO.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)
margot recomendou este produto.
04/09/2014

Chatoooo

Quando se lê ""paixão arrebatadora""a gente espera mais. Espera mais namoro, mais cenas sensuais e não se encontra.
Livro bem superficial .
Esse comentário foi útil para você? Sim (1) / Não (4)
crislanercc recomendou este produto.
04/07/2014

Envolvente e apaixonante

Lindo, sofredor, envolvente, inspirador... falta-me palavras para descrever o quão lindo e fascinante é esse livro.
Esse comentário foi útil para você? Sim (2) / Não (3)
Angel recomendou este produto.
04/05/2014

Livro bom.

O livro é bom, mas não chega a ser tão bom quanto o primeiro.. Achei um pouco apelativo...
Esse comentário foi útil para você? Sim (1) / Não (3)
DanielaFelix recomendou este produto.
04/02/2014

Intenso!

O livro intitulado "O Julgamento de Gabriel"" é um livro de muito bom gosto, com trechos cheios de emoção dos apaixonados  Gabriel e Julia, espelhando-se no amor incondicional do personagem Virgílio para com sua amada Beatrice da obra ""A Divina Comédia"" do poeta italiano Dante Alighieri. Instigante, profundo, intenso, requintado e arrebatador! Recomendo a todo/as.
Esse comentário foi útil para você? Sim (8) / Não (2)
FsA23 recomendou este produto.
04/02/2014

Recomendadíssimo.

Professor Emerson vem nos encantando desde o Inferno de Gabriel, e neste segundo volume não podia ser diferente. O casal agora está amadurecendo conforme a relação deles chegou a outro nível. Sempre inspirado na Divina Comédia, o romance de Gabriel e Julia é simplesmente brilhante, como ele é super protetor a ela, e ela super apaixonada. Um otima leitura. Recomendo
Esse comentário foi útil para você? Sim (8) / Não (1)
Rachel9568 recomendou este produto.
04/10/2013

Muito bom

Apesar desse "chove e não molha" do Gabriel com a Julia, o livro é romântico, sensível e muito bonito. Neste volume vemos um Gabriel em busca de sua redenção, não para ser um homem melhor para Julia, mas para sim mesmo- afinal, ela não pode salvá-lo sozinha. Sylvain Reynard conduz a história maravilhosamente bem, sem esbarrar em vulgaridades e ainda sim sendo muito sensível e romântico. Vale muito a pena ler. 
Esse comentário foi útil para você? Sim (44) / Não (2)