Frete Grátis
  • Google Plus

O Vale Dos Mortos (Cód: 6833258)

De Oliveira, Rodrigo

Faro Editorial

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 34,90
Cartão Saraiva R$ 33,16 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Estamos em 2017 ... Cientistas descobrem um planeta vermelho em rota de colisão com a Terra. Depois de muito pânico nos quatro cantos do mundo, eles asseguram que o astro passaria a uma distância segura. E todos ficam tranquilos acreditando que nada iria acontecer... Uma profecia esquecida do Apocalipse, reiterada por outros profetas modernos, ressurge... “Então 2/3 de todas as pessoas no Planeta são acometidas por uma estranha doença... E abriu-se o poço do abismo, de onde saíram seres como gafanhotos com poderes de escorpiões. E os homens buscarão a morte e a morte fugirá deles.' Apocalipse 9:2-6. Então um grupo luta por sobreviver num mundo dominado pelo mal.



Trecho do livro: Esse trecho trata-se de um conto derivado da série, e não está contido no livro que será vendido.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Faro Editorial
Cód. Barras 9788562409073
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788562409073
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Flexível
Número da edição 1
Ano da edição 2014
Idioma Português
Número de Páginas 320
Peso 0.44 Kg
Largura 16.00 cm
AutorDe Oliveira, Rodrigo

Leia um trecho

Mariana Olhava impacientemente para o pequeno teste de farmácia em suas mãos, guardando o veredicto que poderia mudar radical-mente a sua vida. Ela só não estava certa de qual tipo de mudança seria aquela, se para melhor ou para muito pior.
Os minutos se arrastavam. Será que aquilo estava certo? Talvez ela tivesse feito algo errado; afinal de contas, era a primeira vez na vida que usava um teste de gravidez.
Seu corpo, nos últimos dias, vinha dando sinais de que algo estava diferente. Enjôos matinais, cansaço excessivo, nervos à flor da pele. Tudo muito estranho. Porém, como enfrentava uma rotina de trabalho muitíssimo estressante, Mariana concluiu que aquilo poderia ser a origem dos distúrbios. Até mesmo o súbito ganho de peso teria como explicação a alimentação desequilibrada das últimas semanas.
Todavia, com o atraso de vários dias de sua menstruação, começou a desconfiar do verdadeiro motivo de tudo aquilo.
Ela e Raul haviam tomado todos os cuidados? Sabia que não. Sobretudo em sua última reconciliação, depois de mais um rompimento. Eles foram para a cama algumas vezes sem nenhuma precaução, cegos pelo entusiasmo e desejo.
Mariana hesitou muito em tirar a dúvida, então entendeu que a atitude apenas prolongava a angústia. A menstruação estava atrasada quase um mês, e os sintomas de uma possível gravidez não paravam de surgir. Ou estaria doente. De todo modo, uma vez feito o teste, só lhe restava aguardar alguns segundos pelo resultado. Torcia para que desse negativo. Quando as duas barras vermelhas surgiram no meio do pequeno objeto que mais lembrava um termômetro, seus olhos se encherem de lágrimas. Mas não eram de alegria... Mariana demorou quase trinta minutos para sair do banheiro da empresa na qual trabalhava. Estava arrasada e precisava se recompor. Não queria voltar à mesa chorando. E, acima de tudo, não queria que Raul, que trabalhava na mesma sala, percebesse algo.
Aquele era mais um dia comum numa empresa de desenvolvimento de sistemas em São Paulo. A equipe, composta por jovens analistas e programadores, trabalhava intensamente num importante projeto que já estava atrasado. Por isso, todos tiveram de abrir mão de seus dias de descanso e se encontravam ali, trabalhando em pleno sábado, no dia 14 de julho de 2018.
A empresa funcionava num gigantesco prédio de escritórios na Avenida Berrini, zona sul de São Paulo. Era um edifício moderno, todo revestido de placas de vidro interligadas por hastes de aço. Por encontrar-se espremido entre várias outras construções, causava nos funcionários a sensação de trabalharem num labirinto de vidro e aço que os impedia de enxergar a avenida.
Os setores ficavam num imenso espaço aberto com várias divisórias baixas de cor bege, alinhadas lado a lado, além de diversas salas de reunião e gabinetes dos chefes de setor.
Estavam todos tão atarefados que quase ninguém se lembrava de que aquela era uma data importante. Enfim o dia mais aguardado dos últimos anos chegara. O dia em que Absinto, o Planeta Vermelho, estaria no seu ponto mais próximo da Terra, produzindo um espetáculo visual sem precedentes.
O gigantesco planeta, descoberto pelos astrônomos no ano anterior, pusera toda a humanidade em pânico. Em todos os países, milhões de pessoas foram para as ruas, certas de que a aproximação do misterioso corpo celeste iria destruir a Terra, visto que Absinto tinha mais de vinte vezes o tamanho do nosso planeta.
Os cientistas, no entanto, descobriram que ele não representava uma ameaça — passaria a uma distância bastante segura da Terra. Assim, o susto se transformou em festa e cidadãos de todas as idades e classes sociais ao redor do globo se prepararam para observar com detalhes o gigantesco visitante cósmico.
Para aquela equipe, entretanto, nada daquilo importava. Estavam todos cansados após várias noites mal dormidas. Os funcionários se mostravam impacientes e irritadiços e os conflitos não paravam de acontecer. Tratava-se de um grupo de cerca de vinte pessoas, além de mais uns dez funcionários de outras áreas, todos fazendo hora extra em pleno sábado.
E dentre toda aquela gente que não dava a mínima para o Absinto, Mariana era a mais indiferente. Para ela havia questões muito mais relevantes que a passagem de um fenômeno da Natureza.
Aos vinte e quatro anos, ela não se sentia preparada para ser mãe. Aliás, Mariana nem queria ser mãe. Não naquele momento. Não daquele pai.
Mariana Fernandes era uma mulher muito bonita, com cabelo castanho-claro liso, olhos verdes e pele branca com pequenas sardas que lhe conferiam um ar doce e angelical. Ela possuía um corpo belo também, entretanto, sem ser excessivamente sexy.
Era uma competente analista de testes, com olho clínico e perfil detalhista. E agora ela sabia que estava encrencada.
Apesar de maior de idade, Mariana ainda morava com os pais. Achava-se em um momento de crescimento na carreira. Acabara de comprar seu carro e começava a investir cada vez mais em si mesma. O que ganhava mal dava para pagar a prestação do automóvel e seus cursos; como, então, iria manter uma criança?
E Mariana sabia que seu pai ficaria furioso. Ele era um oficial militar muito rígido, que jamais aceitaria um neto gerado fora do casamento, e trataria a filha como uma completa irresponsável.
Ela se jogou em sua cadeira, exausta. Sentia-se esgotada fisicamente pelo excesso de trabalho, e agora também pelo problema gigantesco que tinha em mãos.
Torcia para que ninguém tentasse puxar conversa com ela; era tudo o que não queria. E o simples fato de pensar em ficar sozinha foi suficiente para que suas duas melhores amigas na empresa se materializassem ao seu lado, como num passe de mágica.
— E aí, tudo bom? Pronta para mais um sábado trabalhando? — perguntou Mayara, uma jovem de vinte e poucos anos. Ela era pequena e de ascendência japonesa. Seus óculos lhe conferiam uma aparência de nerd.
— Só espero que não falte café, senão eu não vou aguentar ficar o dia inteiro aqui — Joana arrematou.
Joana era muito magra e alta, com cabelo castanho-escuro e liso. De salto alto, como estava naquele momento, ela era maior que quase todos os homens da empresa. Era também a melhor amiga de Mariana.
— Sinceramente eu só queria estar na minha casa neste momento — Mariana afirmou, sincera, sem querer revelar as verdadeiras razões do seu desânimo, apesar de gostar de Mayara e da sua forte amizade com Joana.
— Eu queria mesmo estar na praia! — Joana falou. — Lá em Santos vai acontecer a maior festa por causa da passagem do Absinto, ou Hercóbulus.
— É Hercólubus, pelo amor de Deus! — Mayara corrigiu, rindo. — Quantas vezes eu vou precisar repetir, sua lesada?
— Você me entendeu, não é verdade? Então, não enche meu saco! — Joana rebateu.
As duas amigas continuaram trocando alfinetadas, alheias ao fato de que Mariana não participava da conversa. Pior que isso, ela mal as ouvia.
A grande preocupação de Mariana era: como daria aquela notícia para Raul? Ela não fazia ideia.
Mariana e o namorado estavam numa situação indefinida, mas que pendia fortemente para um rompimento. Aquela relação já se exaurira, não havia mais o que extrair dela.
E eles tinham plena consciência disso. Já haviam rompido e reatado diversas vezes. Na prática, o que adiava o fim era basicamente o sexo. Fora da cama eles não tinham mais nada a acrescentar um ao outro, numa total dissonância de interesses, gostos e objetivos.
E agora eles iriam ter um bebê! Ambos estariam ligados por esse for-te elo para o resto da vida. Justo quando tudo indicava que eles iriam, enfim, tomar rumos opostos.
Mariana sentiu o estômago embrulhando. Não podia acreditar que aquilo acontecera com ela. Queria gritar, ir pra casa, se trancar no quarto e chorar. Chorar muito.
— Não é verdade, Mari? — Joana perguntou de repente, trazendo Mariana de volta à realidade.
— Hã? O que é verdade? — Mariana nem sequer se esforçou para fingir que estava ouvindo.
— Nossa Senhora, você não ouviu nada do que eu falei? Onde sua cabeça estava? — Joana arqueou as sobrancelhas.
— Desculpe, eu me distraí. Estou cansada, só isso. — Mariana torcia para que as amigas não fizessem mais perguntas.

Assista o Trailer

Avaliações

Avaliação geral: 5

Você está revisando: O Vale Dos Mortos

Jiani Alvao recomendou este produto.
17/12/2016

Perfeito!

Como todos os demais livros dá série, este te prende.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)
Andreza recomendou este produto.
20/06/2015

Fantástico

Leitura envolvente e com algumas descrições bem sangrentas dos ataques.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)
Tiago Sturridgue recomendou este produto.
18/02/2015

Ótima surpresa!

Livro de um autor brasileiro e muito bem escrito, história envolvente que te prende do início ao fim, recomendadíssimo para fãs de "Resident Evil" e "The Walking Dead".
Esse comentário foi útil para você? Sim (3) / Não (0)
Tiago Sturridgue recomendou este produto.
18/02/2015

Ótimo livro!

Esse livro foi uma grata surpresa, encontrei-o por acaso, comprei, li e adorei, traz uma história bem contatada e que te prende desde o início.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)
Gisagbs recomendou este produto.
04/06/2014

Livro muito bem escrito! Recomendo!!!

Uma livro diferente de outros do gênero. Faz você se envolver, se sentir participando da trama, se contagiar com os personagens! Vai além da batalha pela sobrevivência, fala de família, amizade, lealdade. Um daqueles livros que a gente devora e pede mais!!!
Esse comentário foi útil para você? Sim (8) / Não (1)
Ricardo recomendou este produto.
04/03/2014

Grande livro... mal posso esperar pela continuação

Um livro muito bem escrito...original, com cenários que a gente reconhece, ação do início ao fim. Uma enorme surpresa!
Esse comentário foi útil para você? Sim (19) / Não (1)
O Vale Dos Mortos (Cód: 6833258) O Vale Dos Mortos (Cód: 6833258)
R$ 34,90
O Vale Dos Mortos (Cód: 6833258) O Vale Dos Mortos (Cód: 6833258)
R$ 34,90