Frete Grátis
  • Google Plus

Os Náufragos do Batávia & Porsper (Cód: 2643726)

Leys,Simon

Contraponto

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 28,00 R$ 24,60 (-12%)
Cartão Saraiva R$ 23,37 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Em 1629, o Batávia, orgulho da Companhia Holandesa das Índias Orientais, encalha com 330 pessoas em um recife dos Abrolhos Houtman, a 80km do continente australiano. Antes de o navio afundar, há tempo para que todos se salvem, recolham mantimentos e acampem em pequenas ilhas. Quatro dias depois, o capitão e os melhores marinheiros partem em botes salva-vidas para buscar ajuda. Os náufragos sentem-se ainda mais sós, mas encontram água e têm provisões.

Nas semanas seguintes, o boticário Jeronimus Cornelisz, um dos passageiros, arregimenta cúmplices, toma o poder e impõe o terror: homens torturados, crianças massacradas, mulheres estupradas. Só um grupo opõe resistência, dominando outra ilha. Começa uma pequena guerra, muito sangrenta. O socorro só chega três meses depois, quando 2/3 dos náufragos já haviam sido assassinados. A Companhia Holandesa, que tinha poderes de Estado, julga e executa os culpados. Graças a esse processo judicial, preservado até hoje, com depoimentos de setenta sobreviventes, conhecemos em detalhes o impressionante dia-a-dia dessas pessoas isoladas.

Náufragos do Batávia, no fundo, é uma reflexão sobre a natureza humana, pois a tragédia é quase incompreensível: com os recursos que tinham, todos poderiam ter vivido em paz, sem passar grandes necessidades, enquanto aguardavam a ajuda. Como um psicopata conseguiu subjugar mais de 250 pessoas honestas? Os massacres que comandou não obedeciam a nenhuma necessidade de sobrevivência. O que leva os homens a fazerem o mal?

Narrando com maestria o drama do Batávia, em um texto direto e compacto, Simon Leys vai dando preciosas indicações: a eloqüência do criminoso, a ousadia dos seus métodos, a surpresa do seu comportamento, a trama que concebeu, a sensação geral de desamparo, a perda de referências, a docilidade dos bons.

Prosper, a segunda narrativa do livro, também se passa no mar, numa embarcação bretã envolvida na pesca do atum. Na companhia de homens endurecidos, Leys vive a completa ausência de privacidade, a dureza do quotidiano, as conversas sem fim, o vício do álcool. Um trabalho árduo, uma convivência difícil. Mas, quando um marinheiro cai doente, o capitão decide voltar, para tentar preservar sua vida, arcando com os enormes prejuízos de uma decisão que poderia não ter sido tomada. O que leva os homens a fazerem o bem?

Passadas no mesmo ambiente do mar, com séculos de distância, as duas narrativas reais se completam, tratando do eterno enigma humano.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Contraponto
Cód. Barras 9788578660130
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788578660130
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2009
Idioma Português
Número de Páginas 128
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorLeys,Simon

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Os Náufragos do Batávia & Porsper