Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
  • Google Plus
Livro Digital

Osculário (Lacrado) - Contos (Cód: 7936472)

Antonio Coutinho Soares Filho

Editora Kiron (Edição Digital)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 22,00
Cartão Saraiva R$ 22,00

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Osculário (Lacrado) - Contos

R$22,00

Descrição

No soar do ninho de um couto (lugar imune),
um filho desgarrado beija sua mão

Por vezes diante de uma palavra, de um rabisco de uma imagem, do silêncio de uma vírgula, da correnteza intransponível de um ponto sem final, somos lançados no depositário da existência e, irremediavelmente, não há como não se render às dores e aos prazeres insondáveis da natureza humana. Assim, no ninho do que é couto (que significa uma terra em que se proibia a entrada de estranhos), como estrangeiro somos enredados nas armadilhas de suas palavras. Em enaltecidos suspiros, ele, tão Coutinho, no mais dos pervertidos carinhos, se desnuda, sem nenhum pudor, em se render às amorosas influências da vida. No lugar da acusação, um beijo repartido, cinematográfico, como uma cena de um filme que só por ele poderia estar sendo feita, e no regalo do despudor, cada um, leitor, se aquiete diante da dor da alma ou se alvoroce na exuberância de um gesto ora profano ora sacro, conforme a necessidade da alma.
Eu, entregue aos devaneios do pensamento, sempre segredava que “a vida bem que poderia ser um beijo na boca”, após ser assaltado por tão ásperos e amáveis beijos coutinianos, me rendo e só me resta afirmar que “a vida bem que poderia ser um beijo na boca, mesmo quando não há como escapar da condição dolorosa do existir”.

Gilberto Freire de Santana
(Dr. em Ciência da Literatura: Teoria da Literatura (UFRJ) e professor de Teoria Literária (Uema)

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Editora Kiron (Edição Digital)
Cód. Barras 9788581133157
Início da Venda 31/07/2014
Territorialidade Brasil
Formato Livro Digital Epub
Tamanho do Arquivo 499
Proteção Drm Sim
Idioma Português
VOLUME 1
Peso 0.00 Kg
AutorAntonio Coutinho Soares Filho

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Osculário (Lacrado) - Contos