Frete Grátis
  • Google Plus

Para Que Todos Entendais - Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Letrados... - Vol. 5 (Cód: 7695355)

Hansen, João Adolfo; Guerra, Gregório De Matos E; Moreira, Marcello

Autêntica Editora

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 49,00
Cartão Saraiva R$ 46,55 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 24,50 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico: “A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. Porque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano; assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor”. O trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de ridiculum, ridículo. O exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio: a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo; a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. Nos dois casos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. Sensivelmente, a feiura é deformação do belo-bom; moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A matéria geral dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas; a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. Nos poemas, a feiura física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Autêntica Editora
Cód. Barras 9788582172995
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788582172995
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2014
Idioma Português
Número de Páginas 594
Peso 0.35 Kg
Largura 14.00 cm
AutorHansen, João Adolfo; Guerra, Gregório De Matos E; Moreira, Marcello

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Para Que Todos Entendais - Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Letrados... - Vol. 5

Para Que Todos Entendais - Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra ... (Cód: 7695355) Para Que Todos Entendais - Poesia Atribuída A Gre... (Cód: 7695355)
R$ 49,00
Para Que Todos Entendais - Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra ... (Cód: 7695355) Para Que Todos Entendais - Poesia Atribuída A Gre... (Cód: 7695355)
R$ 49,00