Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 42 Artboard 21 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 42 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 23 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 6 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 43 Artboard 44 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 46 Artboard 8
  • 4826
  • 123546548

Para uma Menina com uma Flor - Col. Vinicius de Moraes (Cód: 325665)

Moraes, Vinícius De

Cia Das Letras

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 36,00

em até 1x de R$ 36,00 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 34,20 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Para uma Menina com uma Flor - Col. Vinicius de Moraes

R$36,00

Descrição

As crônicas reunidas neste livro, escritas entre 1941 e 1966, tocam temas díspares, mas fascinantes: o pós-guerra, um desenho de Carlos Scliar, a avenida Atlântica, Hollywood, o assassinato de dez mil pintinhos pelo Ministério da Agricultura, um batizado na Penha, o amor à pátria, a morte de Cecília Meireles, uma ´saison´ em Caxambu. O cotidiano aqui aparece emaranhado, desconexo, caótico como de fato são os acontecimentos. Ao contrário, ao retratista não cabe escolher o que a realidade lhe oferece, nem discriminar imagens ou acontecimentos. Cabe, sim, pôr-se a serviço do confuso trançado de fatos que compõem o cotidiano e não sucumbir à ânsia de colocar, precocemente, ordem na casa - pois os fatos se ajeitam e se moldam por si mesmos, ou simplesmente se perdem na espiral do tempo. Vinicius de Moraes é um cronista sem onipotência, que não conspira contra os acontecimentos, nem tenta acomodá-los de um modo coerente e aceitável. Sabe que tudo se perde no tempo, e é assim que trabalha suas crônicas, como um poeta metido em um nevoeiro, onde pode ver apenas aquilo que se passa a menos de um metro de si. É daí, dessa impotência, que ele retira a beleza do que escreve. E, ainda que o poeta apareça como personagem de si mesmo - ´Hoje fui ao parque: melhor dizer Parque, assim com maiúscula. Passei minha convalescença por entre outras senhorazinhas encantadas...´ -, o que lhe interessa não é o egoísmo do poeta colocado no posto de estrela, mas o modo como ele pode se oferecer para apresentar um diagnóstico mais preciso e belo do mundo exterior. A leitura dessas crônicas traz um alívio: o cotidiano pode ser um campo minado de farpas e imprevistos, mas só contra eles o homem pode construir sua felicidade.

Características

Peso 0.22 Kg
Produto sob encomenda Sim
Editora Cia Das Letras
I.S.B.N. 8571642540
Altura 21.00 cm
Largura 13.00 cm
Profundidade 0.00 cm
Número de Páginas 168
Idioma Português
Cód. Barras 9788571642546
País de Origem Brasil
AutorMoraes, Vinícius De