Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Frete Grátis
  • Google Plus

Paraísos Artificiais (Cód: 411317)

Baudelaire, Charles

L&PM

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 19,90
Cartão Saraiva R$ 18,91 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Paraísos Artificiais

R$19,90

Descrição

'Paraísos artificiais' reúne dois ensaios realizados pelo poeta seguindo o seu interesse pelos chamados estados de exaltação atingidos pelo uso de drogas, especialmente as da época: ópio e o haxixe. Este livro teve origem no poema em prosa publicado em 1851 no Messager dÁssemblé chamado Do vinho e do haxixe (incluído no final do livro). Dez anos depois, o autor de Flores do Mal (publicado e apreendido em 1857, esteve proibido até 1924 na França, período em que vendeu milhares de exemplares clandestinamente) desenvolveria o tema em duas partes: O ópio e o Poema do Haxixe. No Ópio, Baudelaire comenta e analisa o livro de Thomas De Quincey, Confissões de um comedor de ópio, de quem foi o tradutor e grande admirador. No Poema do Haxixe, o poeta fala sobre os efeitos da droga em suas experiências e na convivência com poetas, pintores e jovens intelectuais franceses, que se reuniam no Club des Hachichins, no Hotel Pimodan, onde residia Baudelaire em Paris.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora L&PM
Cód. Barras 9788525408587
Altura 18.00 cm
I.S.B.N. 8525408581
Profundidade 1.30 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 1998
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 220
Peso 0.17 Kg
Largura 11.00 cm
AutorBaudelaire, Charles

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Paraísos Artificiais