Frete Grátis
  • Google Plus

Personalidade Juridicas Dos Grandes Primatas (Cód: 4026263)

Migliore,Alfredo Domingues Barbosa

Del Rey

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 98,00 em até 3x de R$ 32,67 sem juros
Cartão Saraiva R$ 93,10 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 4x de R$ 24,50 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Os códigos e leis da atualidade foram forjados sobre a premissa de que a humanidade está no centro do mundo; de que o homem é o único senhor de todas as coisas e todos os seres vivos. Nessa realidade, os animais foram postos sob o seu jugo e domínio irrestrito. Desde que Darwin revelou para o mundo uma então chocante realidade – sim, nós viemos de um ancestral símio! – os princípios filosóficos do antropocentrismo sobre o qual se ergueram essas legislações começaram, então, a ruir. E os animais, que nós sempre pensamos como objetivos de uso e consumo humano, como sofás, mesas e cadeiras? E os seres, que nós descobrimos serem tão parecidos conosco que os chamamos de “primos” ou humanlike, como gorilas e chimpanzés? Eles ainda são bens móveis, nas palavras fora de moda do direito posto? Os antigos tabus da irracionalidade e do instinto pavloviano foram dinamitados por etólogos e cientistas que deixaram de enxergar os não-humanos apenas como os seres mecanicamente animados de Descartes. E, em razão disso, muitos filósofos passaram a defender a existência de direitos fundamentais (v.g., o direito à vida, à liberdade e à integridade física) de outras espécies. Para os que sustentam tais ideais de igualdade substancial, os animais, como a maioria de nós, têm interesses considerados relevantes, o que significa que eles podem pensar racionalmente, evitando a dor e o sofrimento, e procurando o seu próprio bem-estar. Mas, há um outro grupo de animais que vai mais além... Como as pesquisas de Frans De Waal (que dialogou com o autor, na introdução deste livro), Sue Savage- Rumbaugh, Roger Fouts, Jane Godall, Dian Fossey, e muitos outros, demonstraram, somente o pequeno grupo dos “grandes primatas”, no qual se incluem o próprio homem e, além dele, os outros antropóides, isto é, os chimpanzés, gorilas, orangotangos e bonobos, possui os rudimentos (ou, como diz o Prof. De Waal, os blocos construtores) da moralidade. Aos componentes desse grupo dos grandes primatas podem ser reconhecidos direitos subjetivos? Abstraído o ceticismo dos civilistas de outrora, já o respondeu o notável geneticista Richard Dawkins que não há classificação natural que inclua chimpanzés, gorilas e orangotangos e exclua os seres humanos; e, da mesma forma, não há razão que explique o reconhecimento de direitos ao homem, mas não a esses seres, como se verá no decorrer desta obra.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Del Rey
Cód. Barras 9788538402138
Altura 22.50 cm
I.S.B.N. 9788538402138
Profundidade 2.30 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2012
Idioma Português
Número de Páginas 434
Peso 0.30 Kg
Largura 15.50 cm
AutorMigliore,Alfredo Domingues Barbosa

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Personalidade Juridicas Dos Grandes Primatas