Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Frete Grátis
  • Google Plus

Plano de Ataque (Cód: 1446479)

Sant'anna, Ivan

Objetiva

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 57,90 R$ 46,30 (-20%)
Cartão Saraiva R$ 43,99 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 23,15 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Plano de Ataque

R$46,30

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Como foi concebido o atentado terrorista de 11 de setembro? Como os pilotos suicidas foram recrutados, e que treinamento receberam, nas montanhas do Afeganistão? E o que aconteceu durante os vôos daquela manhã que o mundo não vai esquecer? Após três anos de pesquisas minuciosas, Ivan Sant´Anna revela neste livro a trajetória dos homens que planejaram o ataque e daqueles que seqüestraram os quatro aviões - reconstituindo episódios ainda pouco conhecidos do drama humano dos terroristas e das vítimas.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Objetiva
Cód. Barras 9788573027969
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 8573027967
Profundidade 0.00 cm
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 280
Peso 0.44 Kg
Largura 16.00 cm
AutorSant'anna, Ivan

Leia um trecho

"Plano de Ataque", novo livro do autor do best-seller "Caixa-Preta", reconstitui a história dos vôos de 11 de setembro Como foi concebido o atentado terrorista de 11 de setembro? Como os pilotos suicidas foram recrutados, e que treinamento receberam no Afeganistão? E o que aconteceu durante os vôos daquela manhã que o mundo jamais vai esquecer? Após três anos de pesquisas minuciosas, Ivan Sant´Anna (foto), autor do best-seller Caixa-preta, revela em Plano de Ataque a trajetória dos homens que planejaram o atentado e daqueles que seqüestraram os quatro aviões, reconstituindo episódios ainda pouco conhecidos do drama humano dos terroristas e das vítimas. Leia abaixo entrevista com Ivan, que é piloto amador e sempre foi fascinado por aviões. 1. O que diferencia Plano de Ataque dos outros livros publicados sobre o 11 de setembro? A maioria dos livros publicados sobre o 11 de setembro trata de um assunto só. Ora são as torres gêmeas, e o que aconteceu lá dentro após os ataques, ora são narrativas contando a história da al-Qaeda, ora são relatos de um dos quatro vôos seqüestrados. Há também livros sobre o desempenho dos bombeiros de Nova York e sobre os controladores de vôo. Plano de Ataque trata de tudo um pouco. Mas o destaque do meu livro é a narrativa da escolha (por parte da al-Qaeda) dos pilotos kamikases, sua formação nos Estados Unidos e os antecedentes dos atentados, assim como um relato do que aconteceu a bordo dos quatro aviões, desde que decolaram até o momento em que explodiram contra seus alvos ou contra o solo (caso do vôo 93). Muitos dos livros sobre o 11 de setembro fazem juízo de valor o tempo todo. Eu me limito a narrar, como se estivesse escrevendo um thriller, o que aconteceu. Não faço juízo de quase nada. 2. Na introdução do livro você escreve que "o grande obstáculo, no caso do 11 de setembro, não é a falta de informações, mas o excesso delas". Como você lidou com essa dificuldade? No início, isso (o excesso de informações) quase me fez desistir do projeto. Depois adotei a seguinte postura: como eu já conhecia bem a história, selecionei os personagens que me interessavam, relacionados no início do livro. E passei a só pesquisar aquilo que se referia a eles, ignorando o resto. 3. Quais as principais fontes de informação que você utilizou na pesquisa para o livro? O relatório da comissão que investigou, no Congresso americano, os atentados. "The 9/11 Commission Report"; uma extensa matéria, sobre o vôo 93, do jornal Pittsburgh Post-Gazette; os livros "Al Qaeda Brotherhood of Terror", de Paul L. Williams, "Ground Stop", de Pamela S. Freni, "Inside Al Qaeda", de Rohan Gunaratna, "Let's Roll!", de Lisa Beamer, "Mark Bingham, Hero of Flight 93", de Jon Barrett, e "Road to Al-Qaeda", de Montasser Al-Zayyat; exemplares das revistas "Economist", "Newsweek", "Time Magazine" e "Vanity Fair" e diversos sites da Internet, entre os quais destaco http://www.september11victims.com/september11victims/victims_list.htm, que exibe a biografia de todos os mortos de 11 de setembro. 4. Além das pesquisas, você fez alguma entrevista? Entrevistei inúmeras vezes, por e-mail, Deena Burnett, viúva do passageiro Tom Burnett, do vôo 93. Deena foi a pessoa que mais conversou (quatro vezes) por telefone, com os aviões seqüestrados. Entrevistei também, por e-mail e telefone, os pilotos Kimberly Kladt, da British Airways, Lyle Miller, da United Airlines, e Fernando Murilo de Lima e Silva, piloto aposentado da Vasp. Eles me deram todas as dicas sobre as técnicas de pilotagem dos Boeing 757 e 767 e assim pude descrever como os pilotos-seqüestradores puderam pilotá-los. 5. Você se interessou especialmente pela história de Mohamed Atta, Marwan al Shehhi, Hani Hanjour e Ziad Jarrah, os terroristas que, após o assassinato dos pilotos, assumiram os comandos dos quatro vôos. O que mais o surpreendeu ao pesquisar a vida destes indivíduos? Ziad Jarrah não preenchia nenhum dos requisitos que se espera de um fanático suicida. Além de não ser religioso (estudou num colégio católico), era um jovem que curtia a vida e era apaixonado por sua namorada e por aviões. Mohamed Atta pretendia ser engenheiro urbano. Hani Hanjour só sonhava em ser piloto de linhas aéreas. O único mais fanático era Marwan al Shehhi. Nenhum dos quatro pretendia morrer. Queriam apenas lutar na Chechênia. Foi Osama Bin Laden quem os convenceu a optar pelo martírio, quando eles foram ao Afeganistão se preparar para a luta na Chechênia. 6. O livro tem algum toque ficcional? Muito pouco. Apenas alguns diálogos entre integrantes da al-Qaeda, mesmo assim para explicar melhor algumas situações. O restante dos diálogos do livro é produto de fitas gravadas, do resumo de interrogatórios de prisioneiros e de entrevistas, pela televisão, de pessoas que travaram esses diálogos. 7. O atentado terrorista poderia ter sido evitado pelas autoridades? Por quê? Poderia. Na hora dos embarques, 12 dos 19 seqüestradores tiveram seus nomes apontados pelos computadores dos setores de segurança dos aeroportos como suspeitos de atividades terroristas. Mas o pessoal se limitou a pôr suas bagagens de lado até que embarcassem nos aviões. Além disso, quase todos entraram nos Estados Unidos com passaportes contendo adulterações as mais diversas. 8. Por que os acidentes aéreos despertam tanta curiosidade entre os leitores? Realmente, não sei. Só sei que se um avião cai no Sudão, no dia seguinte o desastre sai na primeira página dos jornais do mundo inteiro. Acho que isso remonta aos primórdios da aviação, quando voar era realmente uma aventura perigosa. Por mais seguro que um avião seja, na hora da decolagem a maioria dos passageiros ainda sente um frio na espinha. Na hora do pouso, um alívio SOBRE O AUTOR: Ivan Sant´Anna é carioca e trabalhou durante anos como operador da bolsa, vivendo entre Nova York, Chicago e Rio de Janeiro. Piloto amador, sempre foi fascinado por aviões.

Avaliações

Avaliação geral: 5

Você está revisando: Plano de Ataque

Cristiano recomendou este produto.
04/03/2014

Otimo livro!

Narração coerente, cativante e informativa. Vale a pena.
Esse comentário foi útil para você? Sim (2) / Não (2)