Frete Grátis
  • Google Plus

Poesia ao Acaso (Cód: 192215)

Segall, Mauricio

Iluminuras

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 34,00
Cartão Saraiva R$ 32,30 (-5%) em até 1x no cartão
Grátis

Cartão Saraiva

Descrição

Ao usar a imagem de um funâmbulo em 'O Limbo', poema deste novo livro a nós apresentado, Mauricio Segall parece deter-se nos matizes representativos que a figura do equilibrista contem, idéia perceptível desde o título, bipartido entre dois capítulos, 'Poesia ao acaso' e 'Prosa ondeante', a indicar a luta contínua do artista do verbo na busca do equilíbrio precário entre forma e conteúdo, entre a expressão precisa, sem arestas, e a expressão fluida, pulsante. Em 'Poesia', a pretensa casualidade da imagem poética arrima-se num processo lingüístico de mineração e de ourivesaria, na tentativa de fixar no papel o que Segall cataloga de 'ferrugem viva dos sonhos', resultado da ação corrosiva do tempo cronológico, conta quem o poeta é peremptório: 'recuso-me a acompanhá-lo'. Nesse ritmo, para não cair no movimento do mundo urbano, o poeta equilibra-se no exercício contemplativo, em que predominam as cores do 'arco-íris do outono', 'lembranças', a sensação de que o 'calor partiu (com) o sol', o 'ofegar da alma', o 'branco vazio absoluto' das estepes e geleiras da Patagônia, a 'sobrevida incerta', a que se mesclam as figuras auráticas do último neto, Júlio, do último amor, Clarissa e do pai primevo, Lasar Segall. Em 'Prosa', o ritmo verboso da escrita faz parelha com a inequívoca e caudalosa capacidade de indignar-se de Maurício Segall, a lembrar no poeta tardio, o multiculturalista que há décadas formula idéias luminescentes contra a mesmice endêmica das políticas públicas, não apenas culturais, que se incrustam nas sociedades de massa. Entre a introspecção contemplativa e a contenda política, o funâmbulo Mauricio Segall reafirma, no começo do século XXI, o (des)equilíbrio dialético entre a intenção participativa e o gesto poético, ao assumir-se contraditório e absolutamente humano.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Iluminuras
Cód. Barras 9788573212365
Altura 19.00 cm
I.S.B.N. 8573212365
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2005
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 127
Peso 0.23 Kg
Largura 14.00 cm
AutorSegall, Mauricio

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Poesia ao Acaso