Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Qual É seu Lugar no Mundo ? (Cód: 164110)

Navarro,Leila

Gente

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

De: R$ 9,90

Por: R$ 7,40

em até 1x de R$ 7,40 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 7,03 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Qual É seu Lugar no Mundo ?

R$7,40

Descrição

'Qual é o Seu Lugar no Mundo?' A resposta a essa pergunta não é rápida e nem fácil. Num mundo cada vez mais complexo e acelerado, tendo de lidar com excesso de pressão e o estresse do cotidiano, as pessoas acabam fazendo escolha que as levas a trilhar caminhos opostos a seus desejos. Com isso terminam sentindo-se infelizes e frustadas, insatisfeitas, enfim, com sua vida. Esse livro indica meios para descobrir e seguir nossos verdadeiros propósitos, mostrando como evitar as armadilhas que nos afastam da pessoa que desejamos ser. Com isso saberemos com certeza qual é o nosso lugar no mundo. Descubra qual é o seu!

Características

Peso 0.10 Kg
Produto sob encomenda Sim
Editora Gente
I.S.B.N. 8573124407
Altura 16.00 cm
Largura 12.00 cm
Profundidade 0.00 cm
Número de Páginas 104
Idioma Português
Acabamento Brochura
Cód. Barras 9788573124408
Número da edição 1
Ano da edição 2004
País de Origem Brasil
AutorNavarro,Leila

Leia um trecho

Qual é o seu lugar no mundo? A vida tem um propósito muito claro Você sabe o que veio fazer no mundo? Muitas das pessoas a quem faço essa pergunta demoram um pouco para dar a resposta. Algumas coçam a cabeça, outras põem a mão no queixo, outras olham para cima, como se tentassem juntar palavras para uma grande frase, e, depois de toda essa encenação, dizem algo como “vim viver a vida” ou “acho que ainda não sei direito”. Enquanto continua aí, pensando, vamos eliminar algumas possibilidades: você não veio para este mundo para competir por um lugar ao sol nem para correr atrás de um futuro incerto, tampouco para provar nada a ninguém, muito menos para ter uma vida de sacrifícios e enfim ganhar o paraíso. Trechos selecionados do capítulo 1, “Defina o que realmente é importante para você” Defina o que realmente é importante para você. Ainda não respondeu? Deixe-me dizer, então, o que você – tanto quanto qualquer outro ser humano – veio fazer neste mundo: Você veio realizar seus sonhos e ser feliz. Será que agora está com aquela expressão do tipo “tudo bem, conte outra”? Sei que às vezes parece difícil acreditar em sonhos, realizações e felicidade num mundo revirado como o nosso. É tanta preocupação e tamanha a correria que você tem dirigido toda a sua energia não ao sonho, mas à sobrevivência, à luta para conquistar as coisas, à luta para mantê-las, à luta por uma vida melhor. Você sente como se fosse parte de uma grande engrenagem e não pudesse parar – sob pena de ser cuspido para fora da máquina e nunca mais conseguir encaixar-se nela. Então trata de cumprir todas as exigências, de fazer cada vez mais e melhor e mais rápido. Você se empenha em tornar-se aquela pessoa competente, atualizada e objetiva que se espera que seja. Mas vamos pular essa parte. Não estou aqui para falar do que sua vida é, e sim do que pode ser. Você faz idéia de qual é sua missão? Quando falo em missão, em propósito de vida, por favor, não se apavore. Há gente que se arrepia toda quando ouve falar nisso, pois, se mal dá conta de fazer suas obrigações, de pagar as contas e de lidar com os problemas cotidianos, como poderá ainda se ocupar de um propósito?! Mas é aí que está o grande segredo da vida: seu propósito não é mais uma coisa, é “a coisa”. É o que dá sentido à sua vida. Estamos neste mundo para realizá-lo, e o resto – o trabalho, o dinheiro para pagar as contas, a tão desejada harmonia com o mundo, a satisfação pessoal, a felicidade – vem como brinde. Vem por acréscimo. Tenho absoluta convicção de que todos nós viemos a este mundo com um projeto para realizar, um projeto que nossa alma escolhe e com o qual se compromete. E, para nos tornar capazes de cumpri-lo, somos presenteados com talentos. Nascemos completamente equipados para realizar nosso propósito, não é ótimo? Sabe aquelas pessoas para quem tudo dá certo e a felicidade parece ser uma companhia constante? Elas não são desse jeito porque nasceram com o bumbum virado para a Lua ou têm uma fada madrinha, mas porque estão realizando seu propósito de vida. O mundo está cheio de pessoas assim. E não estou falando apenas do empresário de sucesso, da cantora popular nos quatro cantos do mundo, do esportista que coleciona títulos, do escritor que arrebata o coração de milhões com suas histórias. Falo também do pintor de paredes que canta enquanto faz seu trabalho, da cozinheira que adora surpreender com novos pratos, do médico dedicado, da professora adorada pelos alunos, do advogado que defende seus clientes com brilhantismo, do pedreiro caprichoso, do pesquisador obstinado. Falo de todos aqueles que são reconhecidamente talentosos e amam o que fazem. Algumas dessas pessoas ganham muito dinheiro, outras nem tanto. Algumas até levam uma vida muito simples. Na verdade, as conquistas materiais não são sua maior recompensa, e sim aquilo que trazem estampado no rosto: a alegria de viver. Pessoas que estão em sintonia com seu propósito não têm mau humor na segunda-feira nem levantam com o pé esquerdo. É claro que elas têm lá seus problemas e aborrecimentos, mas não fazem disso um calvário. Essas pessoas têm grande poder de superação e, passada a tempestade, lá estão elas, felizes e inspiradas de novo. Sei que você pode estar ansioso para reconhecer seu propósito e talvez pergunte agora: “Mas qual será o meu? Como é que eu o descubro?” Como disse lá atrás, você recebeu talentos para exercê-lo. Esses talentos são, portanto, um indicador do que veio fazer neste mundo. Identifique seus talentos e encontrará seu propósito. Fora da missão, a vida não flui Seria bom se Deus colocasse placas de sinalização para nos indicar o talento e o caminho a seguir: “Venha por aqui”. Eu mesma gostaria que Ele tivesse posto um outdoor bem na frente de minha casa. Mas, se Ele fizesse isso, acho que as coisas não teriam graça. Costumo dizer que a vida não tem ensaio, é uma contínua estréia, e o improviso é a gente que faz. Justamente por não haver placas que nos indiquem o caminho – e sim o livre-arbítrio para tomar o rumo que quisermos –, muitos perdem as pistas de seu talento e desviam-se de sua missão. E então nada dá certo, a vida fica pesada e amargamos frustrações, insatisfações e desânimo. Para algumas pessoas, o baixo-astral decorrente do fato de não realizar seu propósito de vida é tamanho que surge a doença. Há muita coisa escrita sobre o assunto, e se você quiser saber mais a esse respeito recomendo os livros de um médico alemão chamado Rudiger Dahlke: A Doença como Caminho, como Símbolo e A Doença como Linguagem da Alma (em parceria com Thorwald Dethlefsen), todos pela editora Cultrix. Essa relação, aliás, é facilmente observável. Quantas pessoas você conhece que passaram pela experiência de um infarto, de um câncer ou de outra doença grave e só então resolveram tomar nova direção na vida? Há quem precise levar um susto desses para mudar aquilo que, intimamente, sentia não estar dando certo. Quando não seguimos nossa missão, também ficamos mais sujeitos a crises pessoais como perda de emprego, dissolução de relacionamentos ou falência. Se você não se identifica com o trabalho, por exemplo, não é possível disfarçar: os outros percebem sua falta de entusiasmo – clientes, superiores ou colegas. No momento de um corte de pessoal, adivinhe quem tem maiores chances de ser mandado embora? Na hora de contratar um serviço, quem o cliente escolhe: o profissional apaixonado pelo que faz ou o que apenas cumpre sua obrigação? Essa falta de entusiasmo pela vida pode contaminar os relacionamentos, pois a pessoa tende a tornar-se amarga, mal-humorada e negativista. Os amigos desaparecem de cena e até o casamento fica estremecido – para não falar da possibilidade de afundar de vez. Você precisa esperar que aconteça uma tragédia para mudar de vida? Claro que não. É mais barato e menos traumático fazer a virada por si mesmo, partindo da honestidade de reconhecer: “Não estou feliz, o que faço não me apaixona, chega de tanta pressão”. Essa é uma atitude de coragem. Veja que lindo é o termo coragem: reúne as palavras coração e agir. Agir com o coração, agir de acordo com aquilo que se sente ser o melhor – é isso que precisamos fazer. em todas as livrarias ou acesse nosso site: www.editoragente.com.br qual e o seu lugar 21.01.05, 16:17 8