Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
  • Google Plus
Livro Digital

Sofismo do efeito diesel nas armas de pressão (Cód: 9346115)

Pincipi DAS

publique-se!

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 2,99
Cartão Saraiva R$ 2,99

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Sofismo do efeito diesel nas armas de pressão

R$2,99

Descrição

A presente obra visa esclarecer a curiosidade natural que gira em torno deste tema em diversos aspectos práticos e teóricos.
Em apertada síntese o assunto de efeito diesel se trata das consequências imediatas da combustão que ocorre no interior da arma de pressão no momento do disparo e depois os seus efeitos a curto e a longo prazo. (Efeito =consequência, diesel = relacionado à combustão)
Por via de regra a combustão vulgarmente conhecida por efeito diesel ocorre com o armamento novo “incorretamente” lubrificado no estágio de fabricação, ou então pela ação
do usuário, seja por mero desconhecimento dos devidos cuidados na manutenção ou de forma dolosamente proposital. (Dolo = vontade ou intenção de produzir o resultado)
Para se explicar como que o processo se desencadeia é necessário abordar a grande celeuma (Celeuma = discussão, conflito, problemática ou balaio de gato) do conhecimento mecânico da forma de funcionamento das armas de pressão e suas formas de apresentação sofistas encontradas na limitada literatura à respeito. (sofismo = argumentação da verdade para ludibriar ou enganar)
Pode-se admitir que a argumentação do sofismo não seja proposital, considerando-se que a pessoa que escreveu o artigo tenha acreditado naquilo que seria uma verdade naquela situação em específico.
É natural se iniciar esta grande viagem na maionese justamente pela origem das armas de pressão. Segundo reza a interpretação geral mais aceita por pessoas coerentes, a origem da arma de pressão está no homem que utilizou o ar expelido pelos pulmões para lançar algo.
Tipo assim quando Adão mordeu a maçã viu que havia metade de um “bicho asquerento” nela, então ele por dedução concluiu que a outra metade estava em sua boca e por um impulso natural expeliu o ar dos pulmões com força cuspindo longe o pedaço de maçã que percorreu uma trajetória retilínea em linha de convergência com o solo até atingir outro ser o qual em decorrência do impacto veio a cair. Esta interpretação não tem nenhum meio de ser provada de forma cientifica pela impossibilidade de se reproduzir o momento histórico e nem sequer existir tal registro, cabendo apenas aceitar a possibilidade da dedução lógica. (A trajetória retilínea em linha de convergência com o solo é o que acontece com a munição depois de disparada)
Há quem sustente a posição de que tudo começou numa cagada mal feita, onde por ação dos gases de flatulência foi lançado no ar um pequeno tolete de merda endurecida que ricocheteou no solo antes de atingir a vítima. Interpretação de igual incredulidade fática pela falta de registro histórico a respeito, apesar de que cientificamente o evento pode ser reproduzido. (Pessoas que não tem o costume de beber água ou que levam dias para ir ao banheiro produzem um bolo fecal mais endurecido que chega a ponto de se comparar a um projétil)
Não podemos deixar de mencionar alguns autores radicais que defendem a tese de que a origem antecede a existência dos homens e que tudo começou nos macacos porque eles comiam e fraturavam também, e desta forma precedendo ao homem na descoberta e utilização da forma mecânica de lançar objetos por força de gases ou ar dos pulmões, estes mesmos autores apresentam um forte fundamento cientifico com base em escavações arqueológicas de que uma espécie já extinta de macacos fazia bolinhas da caca do nariz e as colocavam na entrada do canal da uretra para enfim arremessá-las com a força da urina, atingindo no ar sua refeição preferida, uma espécie de mosca com sabor adocicado, o autor que sustenta esta tese vive nos dias atuais e alega possuir um macaco treinado para pegar jabuticabas e que este macaco após consumir a jabuticaba, coloca a semente em seu ânus e a lança longe pela ação dos gases do peido. Por mais que possa parecer verídica é de bom censo
descartar esta tese também pelo mesmo motivo de falta de registro oficial. (O autor desta obra não defende esta tese, apenas se limita a gargalhadas pessoais)
Estranhas ou não as mais variadas referências à origem e o funcionamento da mecânica das armas de pressão estão lançadas na internet e através de experimentos práticos propostos podemos chegar a conclusões sobre a veracidade ou não delas, levando em conta a possibilidade da origem das armas de pressão ser um assunto irrisório ou sem causalidade, frente ao tema principal do efeito diesel.
De qualquer forma a ideia de que tudo começou com índios que usavam zarabatanas é muito mais aceita, coerente e plausível. O próprio autor desta obra acreditou na existência de papai Noel por muitos anos, então porque você leitor não pode concordar com a ideia dos índios? Não precisa nem acreditar, basta aceitar, pois de outra forma, o autor não terá nenhuma base para expor seus argumentos. O autor deixou de descartar esta última tese baseada no uso inicial da zarabatana com base em registros históricos oficiais espalhados pelo mundo. Só sobrou esta tese e ela é a única documentada que parece ser verdadeira, já que origem em extraterrestres e viajantes do futuro são mais difíceis de se acreditar
Então, por este motivo vamos começar trabalhando nesta ideia, não é nosso objetivo saber a origem das armas de pressão, esta deve estar perdida no tempo, o escopo (Escopo = objetivo) é demonstrar os princípios que caracterizam os fatos que levam ao efeito diesel e para se argumentar sobre eles é necessário discorrer sobre o porquê do funcionamento das armas de pressão.
Caro leitor, toda esta exposição inicial é proposital, porque mostra exatamente como vamos tratar a matéria em estudo, o assunto foi exposto com base em opiniões muito divergentes entre si, as quais no final, o leitor resolve ficar com a que melhor lhe prouver e é claro, poder através de conhecimento científico básico adquirido descartar as grandes tolices sem nenhuma sombra de dúvida ou incerteza.

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca publique-se!
Cód. Barras 9999093461151
Início da Venda 06/06/2016
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Não
Ano da edição 2016
Idioma 333
Código do Formato Epub
Ano da Publicação 116
Peso 0.00 Kg
AutorPincipi DAS

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Sofismo do efeito diesel nas armas de pressão