Frete Grátis
  • Google Plus

Talvez Poesia - 2ª Ed. 2012 - Nova Ortografia (Cód: 4282337)

Freyre, Gilberto

GLOBAL

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 49,00
Cartão Saraiva R$ 46,55 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 24,50 sem juros
Grátis

Cartão Saraiva
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 18:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

Formas de envio Custo Entrega estimada
X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Gilberto Freyre considerava-se um 'aprendiz de poeta', o que explica o modesto título de seu livro, Talvez poesia, mas que, ao mesmo tempo, permite ao autor 'licenças ousadamente antipoéticas'. A obra reúne poemas escritos ao longo de muitos anos e 'erupções' poéticas, ou seja, trechos extraídos de sua produção em prosa e reduzidos à forma poemática, tarefa desempenhada pelo autor e seus amigos, os poetas Mauro Mota e Lêdo Ivo. O que revela o poeta? Antes de tudo, assim como sua obra de sociólogo e antropólogo, mostra-se apaixonado pelo Brasil e eterno curioso, não raras vezes saudosista de aspectos físicos e imateriais da vida brasileira. Nesse caso, revela-se um persistente observador do cenário de ruas, campos e rios, como podemos comprovar em 'Velhas janelas do Recife e de Olinda': 'Nas ruas napolitanas/ do bairro de São José/ com as roupas a secar/ ainda se encontram antigas/ janelas quadriculadas/ os xadrezes dos postigos/ que outrora amouriscavam/ todo o Recife'. O sonhador se revela em poemas como 'O outro Brasil que vem aí', no qual, como um profeta, antevê os dias futuros do país: 'Eu ouço as vozes/ eu vejo as cores/ eu sinto os passos/ de outro Brasil que vem aí/ mais tropical/ mais fraternal/ mais brasileiro./ O mapa desse Brasil em vez das cores dos Estados/ terá as cores das produções e dos trabalhos'. Poemas nos quais surgem os amarelinhos e as assombrações, tão ao gosto do autor: 'Talvez tenha-se tornado alamoa:/ e ruiva como uma alemãzinha/ e apareça nas noites de lua a homens morenos e até pretos,/ assombrando-os e enfeitiçando-os/ com a sua nudez de branca de neve/ mas desmanchando-se como sorvete/ quando alguém se aventura a chegar perto/ do seu nu de fantasma/ desmanchando-se como sorvete/ e deixando no ar um frio ou um gelo de morte.' Talvez poesia, mas com certeza muito brasileira.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora GLOBAL
Cód. Barras 9788526017351
Altura 23.50 cm
I.S.B.N. 9788526017351
Profundidade 1.50 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 2
Ano da edição 2012
Idioma Português
Número de Páginas 203
Peso 0.34 Kg
Largura 16.50 cm
AutorFreyre, Gilberto

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Talvez Poesia - 2ª Ed. 2012 - Nova Ortografia

Talvez Poesia - 2ª Ed. 2012 - Nova Ortografia (Cód: 4282337) Talvez Poesia - 2ª Ed. 2012 - Nova Ortografia (Cód: 4282337)
R$ 49,00
Talvez Poesia - 2ª Ed. 2012 - Nova Ortografia (Cód: 4282337) Talvez Poesia - 2ª Ed. 2012 - Nova Ortografia (Cód: 4282337)
R$ 49,00