Frete Grátis
  • Google Plus

Ultralongevidade (Cód: 3021392)

Liponis,Mark

Sextante / Gmt

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 39,90
Cartão Saraiva R$ 37,91 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Ultralongevidade

R$39,90

Descrição

Um programa pioneiro para desacelerar - e ajudar a reverter - o envelhecimento 'Uma abordagem inteligente, simples e integrada para quem deseja ter uma vida longa com muita saúde e bem-estar.' - Richard Carmona, M.D., 17o. cirurgião geral dos Estados Unidos. Você sabia que o envelhecimento é causado por ataques do nosso próprio sistema imunológico? Mas como isso é possível? Ele não deveria nos ajudar? É verdade, mas a ciência provou que esse sistema pode se tornar perigoso. O envelhecimento e todas as doenças associadas a ele surgem quando o sistema imunológico se torna hiperativo, isso é, quando seus componentes, ou 'soldados', atacam nosso organismo, e não apenas os vírus e as bactérias que deveriam estar combatendo. Neste livro, você saberá o que fazer para que suas defesas naturais atuem de forma equilibrada, repelindo ameaças de doenças, mas sem serem hiperativas. Isso permitirá que você tenha não apenas uma vida longa, mas uma vida longa e saudável. O Dr. Mark Liponis, diretor médico do Canyon Ranch, apresenta um inovador Programa de Sete Passos com orientações práticas sobre respiração, alimentação, sono, atividade física, sentimentos, ambiente externo e fortalecimento do organismo. Fáceis de seguir, essas sugestões vão ajudar você a viver muito e com o máximo de saúde, felicidade e bem-estar. Comece fazendo o teste da ultralongevidade para saber que velocidade você está envelhecendo e, depois, coloque em prática as sugestões do programa para desacelerar esse processo. Equilibrando seu sistema imunológico, você não viverá para sempre, mas poderá:

- Viver mais de 100 anos e livre de doenças

- Manter ser cérebro em forma

- Adquirir mais condicionamento físico

- Ter mais disposição

- Lidar bem com o estresse

- Sentir-se e permanecer mais jovem do que você jamais imaginou

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Sextante / Gmt
Cód. Barras 9788575425633
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788575425633
Profundidade 1.00 cm
Ano da edição 2010
Idioma Português
Número de Páginas 272
Peso 0.44 Kg
Largura 16.00 cm
AutorLiponis,Mark

Leia um trecho

INTRODUÇÃO Dizem que o célebre explorador espanhol Juan Ponce de León passou o ano de 1513 em busca da fonte da juventude. Mas ele não foi a primeira pessoa a se dedicar a essa aventura – lendas sobre essas águas milagrosas sempre existiram. Alguns creem que essas fontes estão localizadas na Etiópia, na Ásia, no norte da Europa e em muitos outros lugares remotos – e há séculos são procuradas. Até agora, porém, ninguém as encontrou. Após sua chegada às Américas, Ponce de León ouviu dos indígenas histórias sobre uma fonte que tinha a capacidade de transformar velhos em jovens. Animado com essa perspectiva, ele imaginou que havia uma grande chance de localizar essas águas na área que é hoje o estado da Flórida ou então na ilha de Bimini, nas Bahamas, ao norte de Cuba, para onde acabou velejando. Ele não encontrou a fonte nessa região, no entanto descobriu ali o canal das Bahamas, o caminho mais rápido entre Cuba e a Europa. Ponce de León, por fim, tornou-se um nobre e, mais tarde, governador da Flórida. Morreu em 1521, aos 61 anos, uma idade relativamente avançada (para um explorador). Seu fracasso não impediu que muitos outros exploradores, sonhadores, alquimistas e aventureiros continuassem buscando a fonte da juventude, fosse ela água, tônico, pílula ou qualquer coisa capaz de produzir o mesmo efeito. Mas até agora ninguém a encontrou. Vejamos o caso de Laura, uma das minhas pacientes. Na última década, ela aprendeu a jogar golfe e tênis e, quando está em Canyon Ranch - um dos mais importantes resorts dedicados à saúde e ao bem-estar em todo o mundo -, disputa partidas bem duras. Mas nem sempre Laura gozou de tão boa saúde. Asmática na infância, consultava-se com médicos com bastante frequência e foi tratada com injeções de adrenalina muitas vezes, até mesmo depois de se tornar adulta. Quando estava com pouco mais de 60 anos, recebeu o diagnóstico de câncer de mama e acabou tendo que fazer uma mastectomia. Apesar disso, Laura tem agora uma saúde admirável para uma pessoa da sua idade - 81 anos (20 anos a mais do que Ponce de León tinha quando 9 morreu). Na verdade, ela tem 20 anos a menos do que sua idade cronológica. Seu coração bate como um motor muito bem regulado. Testes para verificar a elasticidade das suas artérias e a taxa de variação dos intervalos entre seus batimentos cardíacos revelam resultados notáveis. Seus exames de sangue exibem índices melhores do que os normais e outros já estão na faixa considerada excelente. Embora Laura não tenha encontrado a fonte da juventude propriamente dita, ela conhece um segredo que a está ajudando a se manter mais jovem do que muitos dos que a cercam. Que segredo é esse? Laura aprendeu a viver em harmonia com seu sistema imunológico, também chamado de sistema imunitário, ou imune. A teoria que fundamenta esse novo estilo de vida é resultado do número crescente de pesquisas numa área que cientistas e médicos estão apenas começando a compreender: a imunologia, ou o estudo do sistema imunológico. O que estamos constatando é que não é impossível para os seres humanos viverem bem mais do que 100 anos - na verdade, isso é até provável. Bem, talvez você diga que não quer viver até os 100 anos. Quem deseja passar anos prisioneiro de uma cadeira de rodas numa fria e desoladora casa de repouso? E isso com o agravante de estar com artrite, fragilidade óssea, obstrução arterial, confusão mental, deficiência pulmonar e fraqueza muscular. Acrescente a esses sintomas cansaço, prisão de ventre e a incapacidade de o coração bombear sangue satisfatoriamente. Quem pode querer chegar aos 100 anos ou mais se esse quadro que acabei de pintar for uma descrição fiel da velhice? Acontece que nos últimos anos a medicina descobriu que esses distúrbios – todos esses terríveis e dolorosos sinais de envelhecimento que mencionei – são causados basicamente por problemas no sistema imunológico. Em outras palavras, a parte do corpo que deveria estar nos defendendo está, na verdade, se voltando contra nós e nos fazendo envelhecer. Há algum tempo já se sabe que o sistema imunológico pode se tornar perigoso. A medicina constatou que determinadas doenças, como as disfunções da tireoide, a esclerose múltipla, a artrite reumatoide, a colite ulcerativa (inflamação do cólon), a diabetes e a doença de Crohn (doença inflamatória intestinal), são todas causadas por ele, e por isso são chamadas de autoimunes. Quem apresenta esses males tende a ter um sistema imunológico hiperativo, 10 cujos componentes, ou “soldados”, estão atacando os próprios tecidos do corpo, e não os vírus e as bactérias que deveriam estar combatendo. Os cientistas estão começando a compreender que não são apenas algumas doenças que podem ser atribuídas a essa causa. Parece que todas as doenças da velhice estão associadas à hiperatividade do sistema imunológico e que ela é, em grande parte, responsável pelo próprio envelhecimento humano. À medida que vamos entendendo a natureza dessa questão médica, começamos também a descobrir maneiras de lidar com ela. Isso significa que, se cuidarmos muito bem do sistema imunológico e conseguirmos evitar que ele se torne hiperativo, talvez sejamos capazes de viver mais de 100 anos – com a mente e o corpo saudáveis durante todo esse tempo. Portanto, em vez de nos sentirmos péssimos numa casa de repouso, poderemos, como Laura, passar a vida ao ar livre praticando esportes ou qualquer outra atividade física e dentro de casa aprendendo coisas novas ou nos divertindo com as pessoas que amamos – em qualquer idade. É claro que, fortalecendo seu sistema imunológico, você não viverá para sempre, mas poderá: • Viver mais de 100 anos • Ficar livre de doenças • Manter seu cérebro em forma • Adquirir mais condicionamento físico • Ter mais disposição • Lidar bem com o estresse • Sentir-se e permanecer mais jovem do que você possa imaginar Antes de aprender mais sobre o sistema imunológico e os efeitos que ele exerce sobre a saúde, faça o teste a seguir para verificar quanto você já sabe. 11 O TESTE DA U LTRALONGEVIDADE - A QUE VE LOCIDADE VOCÊ ESTÁ ENVELHECENDO? Você já se perguntou por que as pessoas parecem envelhecer em ritmos diferentes? Como você logo saberá, a velocidade do envelhecimento é determinada pelo sistema imunológico. Hoje em dia, quase todas as doenças estão sendo consideradas consequências de panes nesse sistema. Se ele não for forte, você não parecerá nem será saudável. Veja a seguir 21 perguntas relacionadas ao seu estilo de vida e ao seu sistema imunológico. Responda-as com sinceridade, some os pontos e descubra em que ritmo você está envelhecendo. 1. Você precisa emagrecer cerca de 5kg? a. Some 10 pontos se o seu peso for apropriado à sua altura. b. Some cinco pontos se você precisa perder em torno de 5kg. c. Não some pontos se você precisa perder mais de 5kg. Carregar peso corporal extra é estressante não apenas para as costas e as articulações como também para o sistema imunológico. Além de aumentar o risco de ocorrência de problemas como diabetes, doenças cardíacas e câncer, o excesso de peso pode tornar o sistema imunológico hiperativo. Uma das melhores maneiras de medir o grau de ativação imunológica é fazer o exame de sangue que verifica o nível da proteína C-reativa (PCR) – quanto mais alto ele estiver, mais ativo estará o sistema imunológico. Um artigo publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) em março de 2006 mostrou que mulheres acima do peso, ainda que fisicamente ativas, tinham de 8 a quase 10 vezes mais chances de apresentar hiperatividade 12 do sistema imunológico do que aquelas com pesos normais. Estudos sobre os homens revelaram resultados semelhantes. 2. Você fuma? a. Some 10 pontos se você raramente inala fumaça de cigarro. b. Some cinco pontos se você fica exposto à fumaça de cigarro todos os dias, ainda que não fume. c. Some dois pontos se você mora com um fumante, embora você não fume. d. Não some pontos se você fumar. Fumar é um meio inequívoco de acelerar o envelhecimento do organismo. Você conhece os efeitos do tabagismo – pele enrugada, artérias obstruídas, enfisema pulmonar, câncer e impotência sexual, para citar apenas alguns. Ainda assim, o principal motivo para parar de fumar é o fato de que esse hábito torna o sistema imunológico hiperativo, o que acelera o envelhecimento. Um estudo publicado pelo American Heart Journal em maio de 2005 revelou que os tabagistas mostravam sinais fortes de ativação imunológica, entre os quais níveis de PCR elevados e fatores de estimulação de macrófagos mais altos – o que faz com que as células sanguíneas brancas se multipliquem, proliferem e matem invasores. Até o fumo passivo provoca a ativação imunológica. Uma pesquisa divulgada no American Journal of Medicine em fevereiro de 2004 mostrou que pessoas expostas à fumaça de cigarro pelo menos três dias por semana apresentavam uma quantidade maior de células sanguíneas brancas e níveis de PCR mais elevados do que aquelas que não tinham tanto contato com a fumaça de cigarro. 3. Você vive num grande centro urbano ou mesmo numa pequena cidade onde o nível de poluição do ar é comprovadamente alto? a. Some cinco pontos se você não mora nem trabalha em áreas desse tipo. b. Some dois pontos se você não mora em áreas desse tipo, mas costuma ir a lugares assim com frequência, isto é, uma ou mais vezes por semana. c. Não some pontos se você mora numa área desse tipo. 13 Respirar ar poluído faz com que o sistema imunológico se mantenha em constante estado de alerta, o que causa envelhecimento precoce. Um estudo publicado no American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine em fevereiro de 2006 avaliou as variações diárias dos níveis de PCR dos participantes da pesquisa e as comparou com os índices diários de poluição do ar. De acordo com os pesquisadores, os níveis de PCR subiam de modo significativo cerca de dois dias após a exposição das pessoas a material particulado, isto é, a partículas poluentes em suspensão na atmosfera. 4. Você suou por ter feito exercícios físicos nas últimas 24 horas? a. Some 10 pontos se você sua fazendo atividades físicas pelo menos quatro dias por semana. b. Some cinco pontos se você sua fazendo atividades físicas pelo menos duas vezes por semana. c. Não some pontos se você raramente pratica uma atividade física que o faça suar. Os exercícios físicos ajudam a desativar o sistema imunológico de várias maneiras. Um relatório publicado no American Journal of Cardiology em janeiro de 2004 confirmou os resultados de pesquisas realizadas em 2002 e divulgadas nas revistas Circulation e Epidemiology. Esses estudos mostraram que a prática de atividades físicas reduzia os níveis de PCR. Portanto, não é surpresa o fato de que os exercícios impedem o surgimento de quase todas as doenças e atenuam os efeitos do envelhecimento. 5. Que peso você tinha quando nasceu? a. Some quatro pontos se você nasceu com mais de 3kg e menos de 4kg. b. Some dois pontos se ao nascer você pesava entre 2,6kg e 3kg. c. Não some pontos se você nasceu com menos de 2,5kg ou com mais de 4kg. Pesquisas mostram que bebês de baixo peso (com menos de 2,5kg) possuem sistemas imunológicos precocemente envelhecidos, enquanto as crianças de maior peso (com até 4kg) vivem mais e apresentam menos doenças. Pesos de nascimento muito baixos têm sido associados a níveis mais altos de PCR e de ativação imunológica na vida adulta. 14 6. Com que frequência você toma antibióticos? a. Some quatro pontos se você não consegue se lembrar de qual foi a última vez que tomou um antibiótico. b. Some dois pontos se fez tratamento com antibióticos menos de 10 vezes na vida. c. Não some pontos se você costuma tomar antibióticos todo ano ou até com mais frequência. A ação dos antibióticos faz com que o sistema imunológico envelheça prematuramente e está associada a diversos efeitos prejudiciais à saúde, entre os quais doenças cardíacas, alergias, asma e até câncer de mama. O uso frequente desse tipo de medicamento é um sinal de que o sistema imunológico está sempre em estado de guerra, combatendo uma infecção e, ao mesmo tempo, causando grandes danos à saúde. Um estudo publicado na revista Chest em março de 2006 mostrou que até mesmo bebês submetidos a apenas um tratamento com antibióticos no primeiro ano de vida apresentavam um risco duas vezes maior de desenvolver asma do que aqueles que não tinham tomado antibióticos. Além disso, o risco crescia a cada sucessiva ingestão desses medicamentos. 7. Você tem irmãos mais velhos? a. Some quatro pontos se você tiver irmãs ou irmãos mais velhos. b. Não some pontos se você for filho único ou o filho mais velho. Pesquisas indicam que os filhos únicos ou os mais velhos tendem a apresentar alergias, eczemas, asma e outras doenças alérgicas, o que é um sinal de hiperatividade do sistema imunológico. Uma revisão de 53 estudos publicada no Journal of Epidemiology and Community Health em 2002 mostrou que há uma forte relação entre o número de irmãos e o risco de problemas como alergias, asma, dificuldade respiratória e rinite alérgica e que essa probabilidade aumenta quando a quantidade de irmãos é menor. 15 8. A medida do seu abdômen é maior do que a de seus quadris? a. Some 10 pontos se a medida dos seus quadris for maior do que a do seu abdômen. b. Some dois pontos se as medidas do seu abdômen e dos seus quadris forem iguais. c. Não some pontos se a medida do seu abdômen for maior do que a dos seus quadris. A medida dos seus quadris deveria ser maior do que a da sua cintura - pelo menos 10% a mais para os homens e 20% a mais para as mulheres. Ter centímetros extras nessa região do corpo indica um distúrbio no sistema imu - nológico e é um sinal associado ao envelhecimento precoce. Essa regra vale até mesmo para as pessoas que não estão acima do peso. Um estudo realizado no Brigham and Women’s Hospital, em Boston, e publicado pela revista Epidemiology em novembro de 2003 mostrou que, ainda que o peso seja normal, ter uma medida de cintura tão grande quanto a dos quadris é um fator associado a níveis mais altos de hiperatividade do sistema imunológico. 9. Você usou fio dental hoje? a. Some dois pontos se você usou fio dental hoje. b. Some um ponto se você não usou fio dental hoje, mas faz isso com frequência. c. Não some pontos se você nunca usa fio dental ou se só faz isso raramente. Sim, limpar os dentes com fio dental faz bem à saúde. O fio dental ajuda a reduzir o crescimento da placa nos dentes e nas gengivas. A placa é uma grossa camada de bactérias nocivas que travam uma batalha constante com o sistema imunológico. Grandes quantidades de placa estão associadas à hiperatividade do sistema imunológico e a um risco duas vezes maior de doença cardiovascular. Pesquisas dos Archives of Internal Medicine (outubro de 2000) revelaram que a doença periodontal dobrava a probabilidade de ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC) em adultos com mais de 25 anos. Além disso, de acordo com um estudo da Harvard Dental School e do Brigham and Women’s Hospital (Journal of the American College of Cardiology, fevereiro de 2001), foram registrados índices elevados de ataques cardíacos, de AVC e de mortes por causas cardiovasculares em pessoas com doença periodontal. 16 10. Como vai sua vida sexual? a. Some cinco pontos se você tem uma vida sexual satisfatória. b. Some três pontos se você tem uma vida sexual razoável. c. Some um ponto se você está frustrado com sua vida sexual. Exatamente aquilo que você estava esperando ouvir: sexo é bom para a saúde. Na verdade, não se trata apenas da atividade sexual, mas também de amar e se sentir amado. Poucas coisas desaceleram mais um sistema imu - nológico hiperativo do que saber que outra pessoa nos ama, e vice-versa. Quando amamos e nos sentimos amados, tudo parece melhor, tanto no mundo quanto no nosso corpo. 11. Você contou uma piada engraçada para seus amigos e os fez rir hoje? a. Some dois pontos se você fez alguém rir. b. Some um ponto se alguém fez você rir. c. Não some pontos se você não consegue se lembrar de ter rido hoje. Tudo bem, essa é uma pergunta um tanto capciosa. Se sua resposta foi afirmativa, isso revela duas coisas: você tem amigos e senso de humor (além de saber contar piadas). O importante aqui é a camaradagem e o riso, pois ambos são benéficos para o sistema imunológico. “Rir é o melhor remédio” não é apenas um ditado - o riso envia um sinal para o sistema imunológico relaxar. 12. Você teve um cachorro na infância? a. Some dois pontos se você teve um cão nesse período. b. Some um ponto se você teve qualquer outro animal de estimação. c. Não some pontos se você nunca teve um animal. Além de ser um bom amigo, o animal de estimação desempenha um im - portante papel no apoio ao sistema imunológico. Cães e gatos (e alguns outros bichos) estabelecem contato com a maioria dos germes inofensivos que o sis - tema imunológico precisa conhecer enquanto se desenvolve durante a infância. (No entanto, as pessoas deveriam ter um pouco mais de cuidado com os gatos 17 porque eles tendem a causar mais alergias do que os cães.) Se não for exposto a determinados germes, o sistema imunológico se descontrola e começa a reagir a uma série de coisas que não deveriam ativá-lo - como pólen, mofo, escamas de pele e pelos de animais -, provocando alergias, asma e erupções na pele. 13. Você recebeu uma massagem no último mês? a. Some dois pontos se você foi massageado. b. Some um ponto se você massageou outra pessoa. c. Não some pontos se você não tiver feito nenhuma das duas coisas. Nada como estar relaxado. Receber uma massagem por uma hora enquanto o cérebro descansa é um bom remédio. O toque relaxante somado ao alívio da dor muscular é uma excelente maneira de reduzir a tensão no sistema imunológico também. 14. Você come mais de três vezes por dia? (Se mais de uma resposta puder ser usada, escolha a que se encaixar melhor.) a. Some cinco pontos se você belisca o tempo todo e quase nunca come em excesso. b. Some três pontos se você pula uma refeição de vez em quando, mas cos tuma fazer três refeições por dia e não come em excesso com frequência. c. Não some pontos se você costuma fazer lautas refeições e se sentir enfastiado em seguida. Comer três vezes por dia deixou de ser considerado o padrão alimentar mais saudável. E o pior é reunir em apenas uma ou duas refeições todas as calorias que deveriam ser ingeridas ao longo do dia, pois isso é estressante para o sistema imunológico. Quanto mais lauta a refeição, maior o aumento dos níveis de PCR e de interleucina-6 e mais ativo ficará esse sistema, sobretudo se os alimentos forem ricos em gordura. É melhor beliscar ou fazer várias pequenas refeições do que comer muito apenas duas ou três vezes por dia. 18 15. Você toma vitaminas? a. Some quatro pontos se você toma um polivitamínico uma hora antes da maior refeição do dia. b. Some dois pontos se você toma um polivitamínico todos os dias, mas não antes da maior refeição. c. Não some pontos se você não toma um polivitamínico. Tomar um polivitamínico diariamente reduz a pressão sobre o sistema imunológico e retarda o envelhecimento. Um estudo publicado no American Journal of Medicine em dezembro de 2003 revelou que esses produtos promovem uma redução significativa dos níveis de PCR. Se você é como a maioria das pessoas, é provável que ingira o polivitamínico assim que acorda. Entretanto, deveria fazer isso cerca de uma hora antes da maior refeição do dia, pois assim ele ajudará a reduzir a ativação imunológica que ocorre depois que acabamos de comer. Uma pesquisa publicada pela revista Circulation em julho de 2003 mostrou que a ingestão das vitaminas antioxidantes A, C, E e betacaroteno antes do jantar evitava o aumento dos níveis de PCR observado após as refeições. 16. Você elevou o tom da sua voz nas últimas 24 horas? a. Some cinco pontos se você pode dizer que raramente se aborrece com qualquer coisa. b. Some um ponto se você tiver ficado zangado, mas não tiver gritado. c. Não some pontos se você tiver elevado seu tom de voz hoje. Seja honesto. Você gritou com seus filhos? Com sua mulher? No trabalho? Numa loja? Com alguém? E com seu cão? Até mesmo uma leve alteração no tom da voz é um sinal de agressividade. A hostilidade e a raiva são emoções fortes que transmitem ao sistema imunológico a mensagem de que você está pronto para brigar. Tradução: prepare-se para ser atacado por um sistema imunológico hiperativo. Um estudo do Departamento de Ciências Compor ta - mentais da Universidade Duke, publicado na Psychosomatic Medicine em setembro de 2004, mostrou que um grau mais alto de raiva e hostilidade indicava níveis mais elevados de PCR. 19 17. Você se sente ansioso durante o dia? a. Some dois pontos se você se sente ansioso apenas de vez em quando. b. Não some pontos se você se sente ansioso quase o tempo todo. c. Se você nunca fica ansioso, não some pontos porque mentir também não é bom para seu sistema imunológico. Nervoso? Palmas das mãos molhadas de suor? Apavorado? Ou apenas um pouco agitado? Seu sistema imunológico não fica feliz quando você está nervoso. A ansiedade envia uma mensagem clara – você está se sentindo ameaçado. É nesse exato momento que esse sistema entra em ação. Sentir ansiedade nos faz envelhecer antes do tempo. Depois dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, pesquisadores israelenses avaliaram o efeito da ansiedade crônica na saúde e na função imunológica estudando os níveis de PCR de 721 homens e de 431 mulheres. Especialmente no caso das mulheres, o medo do terrorismo estava associado a níveis altos de PCR, o que indicava ativação do sistema imunológico. 18. Já se sentiu deprimido? Melancólico? Triste? Completamente desesperado? a. Some cinco pontos se, de modo geral, você é uma pessoa positiva e otimista. b. Some dois pontos se você se sentiu deprimido mais de uma vez no último mês. c. Não some pontos se você se sente deprimido com frequência. Entre as três emoções mais perigosas (hostilidade, ansiedade e desespero), esta última é provavelmente a pior - ela diz ao seu sistema imunológico que, além de estar ansioso, você jogou a toalha. O desespero e a depressão têm sido associados a todos os tipos de doenças, entre os quais problemas cardíacos, declínio do funcionamento do cérebro e osteoporose. Se ocorrer com frequência, a depressão precisa ser tratada. Muitos estudos já mostraram isso, inclusive o que foi publicado em outubro de 1996 no New England Journal of Medicine associando esse distúrbio à osteoporose. Desde então, pesquisas o têm vinculado a um aumento na ocorrência de diabetes, doenças cardíacas, AVC e câncer. 20 19. Você dormiu bem na noite passada? a. Some cinco pontos se você quase sempre dorme como um bebê. b. Some três pontos se você geralmente dorme como um bebê. c. Some um ponto se, de vez em quando, você não dorme o suficiente. d. Não some pontos se você está sempre cansado e mesmo assim não consegue dormir pelo tempo necessário. Quando você dorme, o sistema imunológico consegue relaxar, se recarregar e se recompor. Ele não pode fazer isso durante o dia, pois está muito ocupado com o trabalho de defesa. É por isso que é difícil dormir quando estamos doentes – o sistema imunológico está envolvido numa série de tarefas. Muitos estudos, como o que foi publicado no Journal of the American College of Cardiology em fevereiro de 2004, revelam que todos os tipos de processos de reparo ocorrem enquanto estamos dormindo e que a privação de sono, temporária ou crônica, é uma causa importante de hiperatividade imunológica e aumenta os níveis de PCR. 20. Você canta ou cantarola? Costuma ter uma música na cabeça? a. Some dois pontos se você toca um instrumento ou canta todos os dias. b. Some um ponto se você liga com frequência seu aparelho de som. c. Não some pontos se você não está nem aí para a música. Ela não o ajudará, mas provavelmente também não o fará envelhecer. Mais do que aplacar a fera selvagem em seu interior, a música acalma o sistema imunológico. Bach, Beethoven e Eminem são perfeitos para isso. Pesquisas sobre bebês em unidades neonatais intensivas mostraram que, quando canções de ninar eram tocadas, os níveis de oxigenação das crianças melhoravam e elas tinham menos infecções e ficavam internadas por períodos mais curtos (Pediatric Nursing, 1998). 21 21. Em que época do ano você nasceu? a. Some dois pontos se você nasceu na primavera. b. Some um ponto se você nasceu no inverno ou no verão. c. Não some pontos se você nasceu no outono. Não, isso não tem nada a ver com astrologia. No hemisfério norte, as pessoas nascidas na primavera parecem envelhecer um pouco mais devagar e tendem a viver três a seis meses mais do que aquelas nascidas no outono. Pelo menos esse foi o resultado de pesquisas realizadas por Caleb Finch e Eileen Crimmins e publicadas na revista Science em 17 de setembro de 2004. A explicação pode estar na variação sazonal do peso de nascimento e em seu impacto no sistema imunológico (o padrão oposto é observado nas pessoas nascidas no hemisfério sul). RESULTADOS Se sua pontuação for: 80-100. Você está envelhecendo lentamente como uma sequoia e vivendo em harmonia com um sistema imunológico tranquilo e seguro. Não há motivos para que ele se torne hiperativo. A paz reina em sua corrente sanguínea. No entanto, sempre há espaço para melhorar. Continue a ler e aprenda a desacelerar ainda mais o processo de envelhecimento. 60-79. Você está envelhecendo devagar como uma tartaruga gigante. Seu sistema imunológico é seu amigo e não está muito interessado em atacá-lo – neste momento. É possível aprimorar seu resultado e tornar esse sistema ainda mais eficiente. Existem muitas coisas que você pode fazer para desacelerar o processo de envelhecimento e, assim, viver mais e com mais saúde. Vá em frente e aprenda. 40-59. Você está envelhecendo como um ser humano normal, o que não é ruim, mas esse processo poderia ser mais lento, o que reduziria seu risco de adoecer. Como saber é poder, você tem agora a chance de aprender a fazer 22 isso. Há muitas medidas que você pode tomar neste momento para melhorar sua função imunológica, a começar pela disposição certa: acreditar que é capaz de ter mais saúde e envelhecer mais devagar. 20-39. Você está envelhecendo na velocidade de um foguete e a caminho de uma doença grave – se é que já não a tem. Essa pontuação exige uma ação imediata para interromper esse processo. O ideal é que você salte o início deste livro e vá direto para a parte II - O Programa de Sete Passos para a UltraLongevidade. Depois que tiver tomado as primeiras decisões para assumir o controle do seu sistema imunológico, leia a parte I. 1-19. Você só está melhor do que os dinossauros porque ainda não foi extinto. Para ter uma pontuação tão baixa, é porque está tentando antecipar sua morte. No entanto, o mero fato de estar lendo este livro significa que ainda há esperança. Pare, respire fundo, diga a si mesmo que vale a pena cuidar da saúde e continue lendo. Este pode ser um novo começo para sua vida, e você está no controle de tudo. Ânimo: até mesmo as pessoas que apresentam uma pontuação tão baixa quanto esta conseguem mudar sua vida para melhor. 23 PARTE I A NOVA CIÊNCIA DO SISTEMA IMUNOLÓGICO Como o sistema imunológico trabalha O envelhecimento é uma doença autoimune. Ele é causado por ataques do nosso próprio sistema imunológico, ou imunitário. Sim, é isso mesmo. Envelhecer não é uma consequência natural do fato de vivermos muitos anos. Na natureza, há uma série de organismos que têm uma vida longa sem mostrar nenhum sinal de envelhecimento. Mas, como você verá, ao contrário do que ocorre com os seres humanos, esses organismos não apresentam um sistema imunológico complexo. As mais recentes descobertas da ciência revelam que todas as doenças que consideramos próprias do envelhecimento - como artrite, osteoporose, mal de Alzheimer, câncer, acidente vascular cerebral (AVC), males cardíacos, mau funcionamento do cérebro, enfraquecimento dos pulmões e diabetes - não são uma simples consequência desse processo. Elas são provocadas por um sistema imunológico hiperativo. Isso quer dizer que, pela primeira vez na história, a medicina dispõe de uma teoria plausível e coerente para o envelhecimento que é inteiramente fundamentada em pesquisas científicas. Não se trata apenas de contar aniversários Se você fez o teste do envelhecimento no início deste livro, já sabe que envelhecer não significa ter 30, 45 ou 60 anos. Esses números indicam apenas quantos anos já se passaram desde que nascemos. É claro que, em termos do tempo que permanecemos na Terra, todos nós vamos ficando mais velhos. O relógio não para. Isso, porém, não quer dizer necessariamente que esse processo ocorre na mesma velocidade para todos nós - algumas pessoas envelhecem muito mais devagar do que outras. 27 No entanto, se o envelhecimento não corresponde ao número de anos que uma pessoa já viveu, qual é seu significado? O envelhecimento representa as mudanças cumulativas num organismo, num órgão, num tecido ou numa célula que acabam reduzindo sua função e, por fim, acarretam sua morte. Além disso, a diminuição da função é provocada basicamente por um sistema imunológico hiperativo. Em outras palavras, a redução da função dos ossos, da pele, do coração, dos nervos, dos pulmões, dos rins e de todos os outros órgãos do corpo é causada pelo excesso de atividade do sistema imunológico. Pense nisto: a função de um órgão é mais importante do que sua idade cro no - lógica. Por exemplo, desde que o coração esteja funcionando bem, não nos im - portamos com a idade real dele. Da mesma forma, não ligaríamos se tivésse mos 150 anos e todos os nossos órgãos estivessem trabalhando às mil maravilhas. Mas como o sistema imunológico pode ser responsável por essa redução funcional? Sempre pensamos nele como um amigo. Ele não deveria estar nos ajudando? E como poderia provocar o envelhecimento? Para que possamos compreender esse paradoxo, temos que entender duas questões: a função do sistema imunológico e a maneira como envelhecemos. Como eu disse, o envelhecimento corresponde à deterioração dos órgãos e de sua função. O cérebro perde neurônios e capacidade mental, os batimentos cardíacos ficam mais fracos, a resistência pulmonar diminui, as articulações se enrijecem e os ossos se tornam mais frágeis. O resto não é tão difícil de imaginar: redução do tamanho da bexiga, perda de força muscular, limitação da visão, afinamento da pele, debilitação geral do organismo e, por fim, uma doença que causa a morte. Apesar do que você já ouviu diversas vezes, as pessoas não morrem de velhice, e sim de falência cardíaca, pulmonar, renal, hepática, cerebral e, às vezes, de todas elas. Portanto, o envelhecimento corresponde ao declínio progressivo da função dos órgãos até que ela se reduza de modo significativo e uma doença se instale. Mas as doenças não são necessariamente uma característica desse processo. Não é incomum encontrarmos pessoas de idade avançada sem nenhum sinal de distúrbios de saúde nem de diminuição da função de qualquer um de seus órgãos. O sistema imunológico é complexo e muito evoluído. Seu único propósito é defender. Ele se desenvolveu num mundo cheio de ameaças provenientes de 28 uma grande variedade de agressores e hoje é milagroso em sua capacidade e complexidade. É incrível pensar em quanto esse sistema é poderoso, diversificado e capaz de nos proteger de uma quantidade enorme de perigos. No entanto, à medida que os seres humanos continuam a evoluir e a se adaptar a mudanças no ambiente, o equilíbrio entre proteção e um sistema imunológico hiperativo se torna cada vez mais importante. Hoje em dia, contamos com vacinas, antibióticos, melhores hábitos de higiene, diagnósticos precoces e medidas preventivas que reduzem a probabilidade de ocorrência das infecções graves que o sistema imunológico adquiriu condições de combater graças à sua evolução. O resultado disso é que, nos países mais ricos, essas infecções causam menos mortes do que doenças cardíacas, diabetes e mal de Alzheimer. Estamos entrando num período da evolução humana em que o sistema imunológico está se tornando poderoso demais para nos permitir atingir todo o potencial da nossa expectativa de vida. Felizmente, possuímos capacidade de adaptação, somos criativos e inteligentes e estamos aprendendo a controlar esse sistema. Aplicando o conhecimento adquirido com as pesquisas científicas, conseguiremos prolongar até mesmo a longevidade e ultrapassar, sem doenças nem decrepitude, o que hoje consideramos extrema velhice. Mas atenção: não estou afirmando que seremos capazes de mudar o fato de que ficamos cronologicamente mais velhos a cada ano. Não estou falando de imortalidade. O que estou dizendo é que estamos descobrindo como alterar a natureza do envelhecimento porque estamos aprendendo a manter o nível de funcionalidade dos nossos órgãos. Na verdade, o envelhecimento não é inteiramente provocado pelo sistema imunológico. Alguns fatores, como a gravidade e a exposição à radiação atmosférica, produzem efeitos nocivos ao nosso corpo e nos infligem danos para os quais ainda não temos defesa. Talvez um dia venhamos a usar roupas que nos protejam da gravidade e a viver em cidades esterilizadas e cobertas por bolhas. Até lá, não conseguiremos combater todas as causas externas do envelhecimento. Também parece provável que, até certo ponto, o envelhecimento humano seja geneticamente programado, isto é, poderíamos estar predestinados a envelhecer. No entanto, como ainda sabemos pouco sobre isso, é também possível que, ao aprendermos mais, sejamos capazes de combater até mesmo nossos próprios genes. 29 Ainda assim, apesar dos efeitos da gravidade, da radiação e da pro gra - mação genética, que acabam nos conduzindo à senilidade, neste momento a ciência acredita que o ser humano deveria ser capaz de viver até os 150 anos. Talvez você não deseje viver tanto tempo por imaginar que a vida após os 80 anos deve ser horrível. Mas, como eu disse, as pessoas de idade avançada que têm um excelente sistema imunológico continuam expressivamente ativas até muito depois de se tornarem octogenárias. O ser humano mais idoso de que já tivemos registro foi a francesa Jeanne Calment, que chegou aos 122 anos. Ela aprendeu a praticar esgrima aos 85 anos, andou de bicicleta aos 100 e lançou um CD de rap aos 121. Lembre-se de que, graças à ciência, a expectativa de vida vem aumentando há décadas. Como num agitado mercado de ações, os números continuam subindo. O tempo máximo de vida já foi de 90 anos, depois de 100, 110 e 120 - hoje, já ultrapassamos esse teto. Não podemos dizer exatamente que idade conseguiremos alcançar, pois ainda não temos como comprovar. No entanto, sabemos que temos condições de superar os 122 anos. A expectativa é de que muitas pessoas que estão vivas hoje consigam ir além desse limite. Muitos indivíduos que quebram recordes de idade atribuem o fato a hábitos específicos, como beber uma taça de vinho todos os dias, comer chocolate ou ter uma vida sexual ativa. Independentemente da validade dessas explicações, sabemos que existe outro elemento em ação - o sistema imunológico. O que agora está claro é que as pessoas que vivem mais de 100 anos têm um sistema imunológico capaz de resistir à hiperestimulação e à hiperatividade. Acredito nas recentes pesquisas científicas que mostram que os efeitos do envelhecimento estão sob a influência do sistema imunológico e que a melhor maneira de viver uma vida longa e saudável é fazê-lo agir com o máximo de eficiência. O que é o sistema imunológico? Nesta parte do livro forneço uma breve explicação sobre o funcionamento do sistema imunológico, um dos sistemas mais complexos que a ciência já estudou. Aqui você também saberá o que acontece quando ele não trabalha bem. Embora não seja preciso entender tudo isso para acompanhar o Programa de Sete Passos para a UltraLongevidade que apresentarei na parte II, será útil 30 obter um pouco de conhecimento para compreender melhor as recomendações do programa e por que elas são necessárias. O sistema imunológico é formado por um conjunto de células e órgãos que nos protegem do mundo. Isso significa que ele defende o corpo humano de invasores e intrusos com os quais entra em contato todos os dias, entre vírus perigosos, bactérias fatais, parasitas tóxicos e elementos menos nocivos. Incrivelmente complexo - mais do que qualquer outro órgão, inclusive do que o cérebro -, esse sistema não é bem compreendido. Um dos fatores que dificultam seu entendimento é o fato de ele não se constituir de um único elemento. Ao contrário do cérebro, do coração e de qualquer outro órgão que podemos tocar, o sistema imunológico não ocupa um lugar específico no organismo. Ele é formado tanto por órgãos quanto por células e está presente em quase todas as partes do corpo. Como o sistema imunológico se desenvolveu? O sistema imunológico não existe em todos os animais. Os organismos inferiores, por exemplo, não o apresentam, mas, ainda assim, muitas dessas criaturas conseguem viver por um tempo indeterminado sem mostrar sinais de envelhecimento. Os vírus, os mais simples desses seres, podem ser imortais. Descobriu-se também que bactérias aprisionadas em resina fóssil pré- -histórica estavam vivas e que tinham cerca de 250 milhões de anos. Numerosas plantas parecem viver para sempre - foram encontrados choupos- tremedores de 80 mil anos e arbustos da espécie Lomatia tasmanica de 43 mil anos. A recente descoberta de uma imensa quantidade de fungos subterrâneos revela que esses organismos têm pelo menos 2 mil anos - e não apresentam nenhum traço de envelhecimento. Muitas criaturas marinhas simples, como caracóis e ouriços-do-mar, também não mostraram sinais de envelhecimento - espécimes mais velhos não morrem mais depressa do que os mais jovens. O sistema imunológico só surgiu na cadeia evolutiva depois que os organismos se tornaram mais complexos, e não sabemos por que ele se desenvolveu. Contudo, por mais estranho que pareça, é possível que, num ponto muito distante do passado, dois tipos de criaturas totalmente diferentes tenham se unido e dado origem a um ser singular, mais poderoso e dotado de 31 uma capacidade maior de adaptação. Pode ser que um fungo ameboide tenha absorvido um paramécio (uma espécie de protozoário) ou que uma água-viva tenha engolido uma ameba pré-histórica, e é possível que o resultado dessa associação tenha sido uma combinação vantajosa. A água-viva parece ser a primeira criatura da cadeia evolutiva a apresentar um sistema imunológico rudimentar. Talvez há milhões de anos ela tenha absorvido um tipo de ameba que, num processo simbiótico, passou a agir como seu sistema de defesa, atacando e devorando quaisquer possíveis invasores, como bactérias, fungos e vírus. Enquanto isso ocorria, além de fornecer um ambiente seguro em que a ameba podia se desenvolver, a água-viva lhe garantia um amplo suprimento de alimentos e nutrientes. E não havia chance real de rejeição porque, como a água-viva não dispunha de um sistema imunológico, não existia uma estrutura interna capaz de exterminar a ameba. Talvez esse tenha sido o motivo do nascimento da parceria. A partir daquele ponto, o processo reprodutivo subsequente teria duplicado os DNAs de ambos os organismos e, dessa maneira, criado um novo ser, agora com seu próprio e incipiente sistema imunológico. Durante os muitos milhões de anos que se seguiram, a evolução pode ter aprimorado e transformado esse sistema, tornando-o mais complexo, eficiente e vigoroso. É claro que tudo isso é especulação, no entanto está no reino das possibilidades. E, se você pudesse ver como as células do nosso sistema imunológico agem e reagem aparentemente por vontade própria, constataria que essa tese é plausível. O trabalho do sistema imunológico O sistema imunológico tem duas tarefas importantes. A primeira delas é defender o organismo. Ele deve nos proteger dia e noite e lutar contra todos os intrusos potencialmente nocivos que nos atacam sem parar. A segunda tarefa é ainda mais extraordinária: armazenar memórias - e elas não são poucas. O sistema imunológico tem que guardar em seu banco de dados os registros de todas as batalhas de que já participou e de todas as ameaças que já encontrou. Se não fizer isso, acabará não conseguindo nos defender. 32 Afinal, se o sistema imunológico nunca aprendesse nada nesses confrontos, ele continuaria travando as mesmas batalhas, se preocupando desne cessaria - mente com intrusos que são inofensivos ou não se lembrando das armas que deveria usar para enfrentar e repelir invasores perigosos. Grog Para que possamos entender melhor o papel do sistema imunológico na história, vamos imaginar que estamos no período pleistoceno e que um dos meus pacientes é Grog, um homem de Cro-Magnon. Hoje está sendo um dia difícil para ele. Na verdade, sua vida na pré-história já é bastante difícil. (Os homens de Cro-Magnon viveram entre 40 mil e 10 mil anos atrás e enfrentaram muitos desafios. Seus fósseis impressionam pelo enorme número de ossos quebrados e de sinais de infecções que apresentam.) Grog, assim como a maioria dos membros da sua tribo, passa os dias caçando, o que significa correr descalço pelo chão e se machucar a toda hora. Hoje, ele está com uma terrível infecção - e foi esse o motivo que o fez vir ao meu consultório. Ao ler o histórico de sua família, vejo logo que sua situação não é muito boa. A mãe dele morreu aos 18 anos durante um parto. O pai caiu numa ribanceira e sofreu uma lesão na coluna. Como ninguém da tribo podia salvá-lo, foi deixado ali para morrer. Os membros da tribo de Grog têm uma vaga noção do que sejam infecções, pois são acometidos por elas com frequência. Em todo caso, não sabem como esses problemas surgem, o que são nem como curálos. Por outro lado, enterram seus mortos, e parece que fazem isso em parte porque percebem que, se forem deixados ao ar livre para apodrecer, os corpos disseminarão doenças. O próprio Grog é uma infecção ambulante - ele tem furúnculos na pele, um abscesso no maxilar, dentes estragados e um hálito horrível. A quantidade de células brancas em seu sangue é muito grande porque seu corpo está sempre combatendo infecções. Ele apresenta também um nível elevado de proteína C-reativa (PCR), o que indica um alto grau de atividade do sistema imunológico. Mas há uma coisa que Grog não tem: alergias. A sujeira está incrustada em todos os poros do seu corpo e, por causa dela, seu sistema imunológico nunca teve tempo de desenvolver reações alérgicas. A sujeira pode ser benéfica - ela dá a esse sistema de defesa alguma coisa para fazer, aliviando a monotonia do trabalho. 33 34 O que ele tem neste exato momento é uma grave infecção. Enquanto corria pela floresta atrás de um cervo, Grog pisou numa pedra pontiaguda e se cortou, mas continuou caminhando pela lama. Por isso, está com o pé infestado de germes. A infecção está subindo por sua perna e penetrando em seus linfonodos e em sua virilha. Agora, ele já não consegue se defender sozinho. Não há nada que eu nem qualquer outro médico possamos fazer para ajudá-lo, porque, na época em que estamos, o único tratamento possível é tentar drenar a infecção. Mas isso não será suficiente, e já é tarde demais. Como a maioria dos Cro-Magnons que passam por essa situação, Grog logo morrerá de uma devastadora infecção que se tornou sistêmica. Vivemos num mundo em que ou abatemos outro ser ou somos exter - minados por ele. Todas as criaturas são ou predadores ou presas. Esse pro - cesso ocorre em muitos níveis, tanto fora do nosso corpo quanto dentro dele. Costumamos nos considerar predadores, porém também somos presas potenciais, pois vivemos sob a permanente ameaça de bilhões de microrganismos invisíveis cuja intenção básica é nos atacar e, se possível, nos matar. E foi com o objetivo de combatê-los que desenvolvemos um sistema de defesa altamente evoluído e complexo. Para entender melhor essa questão, pense num tema importante que está sempre nas manchetes dos jornais: a segurança nacional. Vamos imaginar um grande país que está sob a ameaça de todas as formas de ataques terroristas: pelo ar e pelo mar, por meio de armas químicas e nucleares, pelo fornecimento de água contaminada e da utilização de gases venenosos. Para garantir a segurança nacional, essa nação cria um sistema de defesa muito complexo. Realiza o patrulhamento regular da sua fronteira, dispõe de agências de informação que não param de coletar dados e tem armas que pode usar a qualquer momento para rechaçar invasores. Em vez de se limitar a uma única linha de defesa, esse país tenta se proteger de todos os tipos de ataque. O mesmo acontece com o nosso organismo. Temos que defender nosso corpo, que é, na verdade, nosso território. Para fazer isso, o sistema imunolóultralongevidade_ gico põe em prática um complexo conjunto de tarefas muito semelhantes às que são realizadas pela instituição responsável pela segurança de uma nação. Ele tem uma enorme fronteira para patrulhar e um grande espaço interno para proteger. As ameaças ao nosso corpo envolvem investidas externas e internas que partem de fontes como o ar que respiramos, os alimentos que comemos, a água que bebemos e o contato que estabelecemos com outras pessoas. Podemos ficar expostos a substâncias químicas e à radiação. A função do sistema imunológico é nos manter a salvo de todas as formas de agressão. Os invasores podem nos atacar não apenas cruzando a fronteira mais aparente, a pele, como rompendo outros limites, entre os quais os dos órgãos internos, como os pulmões, a garganta, o intestino, o trato digestivo, ou digestório, etc. Portanto, todas essas áreas demarcadas estão sujeitas a sofrer investidas de uma série de inimigos, como bactérias, vírus, alérgenos, parasitas, germes, fungos, produtos químicos tóxicos, gases nocivos e até os perigosos príons - formas modificadas de proteínas normais que atuam como agentes infecciosos causadores de doenças degenerativas do cérebro. Para vencer as batalhas contra esses terroristas, o sistema imunológico conta com uma série de armas específicas que são empunhadas por diversos soldados. Os cientistas já identificaram pelo menos 20 tipos de células imunológicas, e as descobertas continuam. Embora haja muitas células diferentes, em quantidade e complexidade diversas, você só precisa conhecer algumas delas para compreender as formas mais importantes pelas quais o sistema imunológico trabalha para nos proteger.

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Ultralongevidade