Frete Grátis
  • Google Plus

Um Lugar Chamado Liberdade (Cód: 8250503)

Follett, Ken

Arqueiro

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 49,90 R$ 31,90 (-36%)
Cartão Saraiva R$ 30,31 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:
Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto
?

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Desde pequeno, Mack McAsh foi obrigado a trabalhar nas minas de carvão da família Jamisson e sempre ansiou por escapar. Porém, o sistema de escravidão na Escócia não possui brechas e a mínima infração é punida severamente. Sem perspectivas, ele se vê sozinho em seus ousados ideais libertários.
Durante uma visita dos Jamissons à propriedade, Mack acaba encontrando uma aliada incomum: Lizzie Hallim, uma jovem bela e bem-nascida, mas presa em seu inferno pessoal, numa sociedade em que as mulheres devem ser submissas e não têm vontade própria.
Apesar de separados por questões políticas e sociais, os dois estão ligados por sua apaixonante busca pela liberdade e verão o destino entrelaçar suas vidas de forma inexorável.
Das fervilhantes ruas de Londres às vastas plantações de tabaco da Virgínia, passando pelos porões infernais dos navios de escravos, Mack e Lizzie protagonizam uma história de paixão e inconformismo em meio a lutas épicas que vão marcá-los para sempre.
Com 8 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, “Um lugar chamado liberdade” é mais uma prova de que Ken Follett é um mestre absoluto em criar tramas complexas e emocionantes.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Arqueiro
Cód. Barras 9788580413304
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788580413304
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Tradutor Fabiano Morais
Número da edição 1
Ano da edição 2014
Idioma Português
Número de Páginas 400
Título Original A place called freedom
Peso 0.55 Kg
Largura 16.00 cm
AutorFollett, Ken

Leia um trecho

7 QUANDO ME MUDEI para a High Glen House, tive que trabalhar bastante para dar um jeito nos jardins abandonados, e foi assim que encontrei o colar de ferro. A casa estava caindo aos pedaços e a velha louca que tinha vivido ali durante vinte anos nunca lhe dera sequer uma demão de tinta. Ela morreu e eu adquiri a propriedade de seu filho, dono de uma concessionária na cidade mais próxima, Kirkburn, a 80 quilômetros de distância. Talvez você esteja se perguntando que tipo de pessoa compraria uma residência dilapidada no meio do nada. Mas a questão é que eu adoro este vale. Cervos tímidos vagam pela floresta e há um ninho de águia bem no topo da cadeia de montanhas. Enquanto cuidava do jardim, eu acabava passando metade do tempo debruçado na pá, olhando as encostas azul-esverdeadas. Decidi plantar alguns arbustos em volta do banheiro externo. Ele não era nada bonito, com suas paredes de tábuas sem janelas, e pensei em escondê-lo atrás de um pouco de vegetação. Ao escavar o terreno, encontrei uma caixa. Não era muito grande, tinha mai s ou menos o tamanho daqueles engradados de vinho. Tampouco era sofisticada: simples ripas de madeira crua unidas por pregos enferrujados. Quebrou-se com um só golpe da lâmina da pá. Havia duas coisas lá dentro. Uma era um livro grande e velho. Fiquei entusiasmado ao ver aquilo: talvez fosse uma Bíblia de família, com uma história intrigante registrada na folha de guarda – nascimentos, casamentos e óbitos das pessoas que tinham morado na casa cem anos atrás. Mas acabei me decepcionando. Quando o abri, notei que as páginas haviam se deteriorado; não dava para ler uma palavra sequer. A outra era um saco de tecido impermeável. Ele também estava podre e desintegrou-se no momento em que o toquei com minha luva de jardinagem. Dentro havia um aro de ferro com cerca de 15 centímetros de diâmetro. Estava manchado e só não fora corroído pela ferrugem porque o saco o protegera. Parecia tosco, provavelmente tinha sido feito por um ferreiro de aldeia, e a princípio achei que fizesse parte de um carrinho de mão ou arado. Mas por que alguém se daria o trabalho de protegê-lo com o saco? Havia uma fenda no aro e ele estava vergado. Passei a achar que era um colar que um prisioneiro fora obrigado a usar em volta do pescoço. Ao escapar, ele teria partido o aro com uma ferramenta pesada de ferreiro e o entortado até conseguir arrancá-lo. Levei-o para casa e comecei a limpá-lo. Seria um trabalho demorado, então o deixei mergulhado em removedor de ferrugem até o dia seguinte e voltei a tentar pela manhã. Enquanto o lustrava com um trapo, uma inscrição surgiu diante dos meus olhos. Ela fora gravada em uma caligrafia antiga, rebuscada, e demorei um pouco para decifrar as palavras, mas por fim entendi: Este homem é propriedade de Sir George Jamisson, condado de Fife, AD 1767. Está aqui sobre a minha mesa, ao lado do computador. Eu o uso como peso de papel. Às vezes o pego, ponho-me a girá-lo nas mãos e releio a inscrição. Se o aro de ferro falasse, penso comigo mesmo, que história me contaria? PARTE I Escócia CAPÍTULO UM A NEVE COROAVA as montanhas ao redor do vale de High Glen e cobria as encostas de florestas com um tom perolado, como joias sobre o peitilho de um vestido de seda verde. No fundo do vale, um córrego veloz serpeava por entre pedras congeladas. O vento cruel que uivava pelo litoral adentro desde o mar do Norte impulsionava rajadas de chuva, neve e granizo. Naquela manhã, os gêmeos Malachi e Esther McAsh seguiam a pé para a igreja por uma trilha sinuosa ao longo da encosta ocidental do vale. Malachi, conhecido como Mack, usava uma capa de lã axadrezada e calças curtas de tweed, que deixavam expostas suas canelas; os pés, sem meias, congelavam nos tamancos de madeira. Mas ele era jovem, com sangue quente, e mal sentia o frio. Aquele não era o caminho mais curto para a igreja, mas o High Glen sempre o emocionava. As encostas escarpadas, o silêncio dos bosques misteriosos e a água que parecia gargalhar formavam uma paisagem familiar para sua alma. Ele vira um casal de águias criar três ninhadas de filhotes ali. Como elas, havia roubado salmões da dona daquelas terras, fisgando-os do córrego repleto de peixes. E, como os cervos, se escondera entre as árvores, em silêncio e imóvel, ao ver os guarda-caças chegarem. A dona das terras era lady Hallim, uma viúva que tinha uma filha. A propriedade do outro lado das montanhas pertencia a Sir George Jamisson e era um mundo bem diferente. Engenheiros haviam aberto buracos enormes nas encostas; montes de escória produzidas pelo homem desfiguravam o vale; carroças gigantescas carregadas de carvão sulcavam a estrada lamacenta; e o pó enegrecia o córrego. Era ali que viviam os gêmeos, numa aldeia chamada Heugh, uma longa fileira de casas baixas de pedra que se estendiam colina acima como uma escadaria. Ambos tinham cabelos alourados escurecidos pelo pó de carvão, assim como olhos verde-claros arrebatadores, e eram baixos e de costas largas, com braços e pernas musculosos. Ambos emitiam opiniões firmes e gostavam de debates. Discussões eram uma tradição familiar. O pai deles costumava ser um perfeito inconformista, sempre disposto a discordar do governo, da Igreja e de qualquer outra autoridade. A mãe havia trabalhado para lady Hallim antes de se casar e, como muitas criadas, identificara-se com a classe alta. Em um inverno especialmente rigoroso, em que a mina passara um mês fechada após uma explosão, o pai morrera de cuspe negro, a tosse que ceifara um grande número de mineradores; a mãe, por sua vez, contraíra pneumonia e o seguira poucas semanas depois. Mas as discussões continuaram, em geral nas noites de sábado no salão da Sra. Wheighel, o estabelecimento que mais se assemelhava a uma taberna na aldeia de Heugh. Os trabalhadores e os arrendatários de terras eram da mesma opinião da mãe dos dois: o rei fora escolhido por Deus e, portanto, o povo deveria obedecer a ele. Os mineradores, no entanto, tinham ouvido falar de ideias novas. John Locke e outros filósofos afirmavam que a autoridade de um governo só poderia vir do consentimento do povo. Essa teoria agradava a Mack. Poucos eram os mineradores de Heugh que sabiam ler, mas a mãe de Mack sabia e ele a havia infernizado para que o ensinasse. Por fim, ela ensinara os dois filhos, ignorando as zombarias do marido, que dizia que as ideias da esposa estavam acima da sua posição social. No salão da Sra. Wheighel, Mack era chamado para ler em voz alta publicações como o The Times e o Edinburgh Advertiser, além de jornais políticos, como o radical North Briton. Os periódicos sempre chegavam com semanas de atraso, às vezes meses, mas os homens e mulheres da aldeia ouviam com entusiasmo os longos discursos reproduzidos palavra por palavra, as críticas sarcásticas e os relatos de greves, protestos e manifestações. Foi após um debate no salão da Sra. Wheighel que Mack escreveu a carta. Nenhum dos mineradores jamais havia redigido uma correspondência antes e cada palavra foi alvo de longas considerações. Ela era endereçada a Caspar Gordonson, um advogado londrino que escrevia artigos nos jornais ridicularizando o governo. A carta tinha sido confiada a Davey Tapa-Olho, o vendedor ambulante caolho, que deveria postá-la. Mack se perguntava se ela de fato alcançaria o seu destino. A resposta chegara no dia anterior e foi o acontecimento mais empolgante da vida de Mack, que a mudaria completamente, pensou. Ela o libertaria. Suas mais remotas lembranças envolviam sua ânsia por ser livre. Na infância, invejava Davey Tapa-Olho, que ia de aldeia em aldeia vendendo facas, linhas de costura e baladas escritas. O pequeno Mack admirava o fato de Davey poder se levantar ao raiar do dia e ir dormir quando se sentisse cansado. Mack, desde os 7 anos, precisava ser sacudido pela mãe a poucos minutos das duas da manhã e sair para trabalhar nas profundezas da mina durante quinze horas, largando às cinco da tarde; então se arrastava de volta para casa, muitas vezes para desmaiar de sono enquanto jantava mingau. Mack já não queria ser um vendedor ambulante, mas ainda ansiava por uma vida diferente. Sonhava em construir uma casa própria, em um vale como o High Glen, num terreno que pudesse chamar de seu; em trabalhar apenas do raiar do dia ao cair da noite, podendo descansar por todas as horas de escuridão; em ter a liberdade de sair para pescar em um dia de sol, em algum lugar onde o salmão não pertencesse ao proprietário das terras, mas a quem quer que o apanhasse. E a carta em sua mão significava que seus sonhos poderiam se tornar realidade. – Ainda não sei se você deve lê-la em voz alta na igreja – opinou Esther, atravessando a pé a encosta congelada ao lado dele. Mack tampouco estava seguro, mas ainda assim indagou: – Por que não? – Isso vai criar problemas. Ratchett vai ficar furioso. – Harry Ratchett era o capataz, o homem que supervisionava a mina. – Ele pode acabar contando para Sir George, e aí o que eles vão fazer com você? Ele sabia que a irmã tinha razão e seu coração estava cheio de temor. Mas isso não o impediu de argumentar: – Se eu não mostrar a carta a ninguém, de que adianta? – Bem, você poderia mostrá-la para Ratchett em particular. Pode ser que ele o deixe ir embora discretamente, sem alarde. Mack olhou para a irmã gêmea com o canto do olho. Podia ver que ela não tinha tanta certeza daquilo, parecendo aflita em vez de combativa. Sentiu uma onda de afeto por ela. Acontecesse o que acontecesse, Esther estaria do seu lado. Mesmo assim, ele sacudiu a cabeça com teimosia. – Não sou o único afetado por esta carta. Há pelo menos outros cinco rapazes que sairiam daqui se soubessem que podem. E quanto às gerações futuras? Ela o fitou com um olhar perspicaz. – Você até pode ter razão... mas este não é o verdadeiro motivo. Você quer se levantar no meio da igreja e provar que o dono da mina está errado. – Não é nada disso! – protestou Mack, então pensou por alguns instantes e sorriu. – Bem, talvez haja um pouco de verdade no que você diz. Já ouvimos tantos sermões sobre obedecer às leis e respeitar nossos superiores... Agora descobrimos que eles vêm mentindo para nós durante todo esse tempo, e justamente sobre a lei que mais nos afeta. É claro que quero me levantar e gritar aos quatro ventos. – Não lhes dê motivo para puni-lo – ralhou ela, preocupada. – Vou ser o mais educado e humilde possível – disse Mack, tentando tranquilizá-la. – Você mal vai me reconhecer. – Humilde! – exclamou ela, cética. – Essa eu quero ver. – Só vou mencionar a lei, o que pode haver de errado nisso? – É arriscado. – Sim, é. Mas vou fazer assim mesmo. Eles atravessaram um cume e desceram a encosta, retornando ao Coalpit Glen, o vale da mina. Enquanto desciam, o ar ficou um pouco menos frio. Em questão de instantes, já era possível ver a igreja de pedra, ao lado de uma ponte que cruzava um rio poluído. Alguns barracos dos arrendatários amontoavam-se ao redor da igreja. Não passavam de casebres redondos com uma fogueira no meio do chão de terra e um buraco no teto para que a fumaça saísse, um único cômodo dividido por gado e pessoas durante todo o inverno. As casas dos mineradores, localizadas mais acima no vale e próximas das minas, eram melhores: embora também houvesse piso terroso e telhados de palha, todas tinham lareira e chaminé, assim como uma pequena janela de vidro ao lado da porta. Além disso, os mineradores não eram obrigados a compartilhar seu espaço com vacas. Ainda assim, os arrendatários se consideravam livres e independentes e desprezavam os mineiros. Contudo, não foram os casebres que fizeram Mack e Esther interromper a caminhada. Uma carruagem fechada com um belo par de cavalos pardos arreados estava parada diante do pórtico da igreja. Auxiliadas pelo pastor, várias senhoras de saias rodadas e casacos de pele saíam do veículo, segurando seus chapéus de renda elegantes. Esther cutucou o braço de Mack e apontou para a ponte. Atravessando-a em um grande cavalo de caça castanho, sua cabeça inclinada contra o vento frio, vinha o dono da mina e de todo o vale, Sir George Jamisson. Havia cinco anos o homem não era visto por aquelas bandas. Ele vivia em Londres, que ficava a uma semana de distância por navio e a duas semanas por carruagem. Dizia-se que Jamisson costumava ser um comer ciante avarento em Edimburgo, que vendia velas e gim em uma loja de conveniências e não era mais honesto do que o estritamente necessário. Então um parente seu havia morrido jovem e sem filhos, deixando-lhe o castelo e as minas. Com a herança, ele construiu um império comercial que se estendia a lugares tão inimaginavelmente distantes quanto Barbados e Virgínia. Agora, colecionava títulos respeitáveis: era baronete, magistrado e membro da assembleia administrativa do distrito de Wapping, responsável pela manutenção da lei e da ordem ao longo da zona portuária de Londres. Jamisson estava fazendo uma visita à sua propriedade escocesa, acompanhado de familiares e convidados. – Bem, assunto resolvido – falou Esther, aliviada. – Como assim? – perguntou Mack, embora pudesse adivinhar a resposta. – Você já não vai poder ler sua carta. – Por que não? – Malachi McAsh, não banque o idiota! Não na frente do próprio dono destas terras! – Pelo contrário – retrucou ele, teimoso. – Agora vai ser melhor ainda. 15 CAPÍTULO DOIS LIZZIE HALLIM se recusava a ir à igreja na carruagem, pois achava uma ideia idiota. A estrada que saía do Castelo Jamisson era uma trilha sulcada e cheia de buracos, suas subidas lamacentas congeladas e duras feito pedra. A viagem seria assustadoramente sacolejante, o veículo teria que seguir a ritmo de passeio e os passageiros chegariam com frio, doloridos e provavelmente atrasados. Ela insistia em ir a cavalo. Comportamentos desse tipo, tão impróprios para uma dama, levavam sua mãe ao desespero. – Como você vai arranjar um marido se está sempre agindo como um homem? – Posso arranjar um marido quando bem entender – retrucou Lizzie. Era verdade: os homens se apaixonavam por ela a todo o momento. – Meu único problema é arranjar um que eu ature por mais de meia hora. – O seu problema é encontrar um que não se assuste com facilidade – murmurou a mãe. Lizzie riu. Ambas tinham razão: os homens se apaixonavam por ela à primeira vista, mas, depois de conhecê-la melhor, fugiam correndo. Havia anos seus comentários escandalizavam a sociedade de Edimburgo. Em seu primeiro baile, enquanto conversava com três viúvas da alta sociedade, ela comentou que o xerife do condado tinha um traseiro enorme, e sua reputação nunca mais foi a mesma. No ano anterior, lady Hallim a levara a Londres durante a primavera para “apresentá-la” à sociedade inglesa. Foi um desastre. Lizzie falou alto, riu mais do que devia e zombou abertamente dos modos pomposos e das roupas apertadas dos jovens dândis que tentaram cortejá-la. – Isso é porque você cresceu sem um homem na casa: acabou se tornando independente demais – acrescentou a mãe, entrando na carruagem. Lizzie atravessou a fachada de pedra do Castelo Jamisson em direção à estrebaria na ala oeste. Seu pai morrera quando ela tinha apenas 3 anos, por isso ela mal se lembrava dele. Perguntara à mãe do que ele havia morrido, mas a resposta fora vaga: “Fígado.” Ele as deixara sem um tostão. Durante anos, lady Hallim se virou como pôde, hipotecando cada vez mais partes da propriedade da família, à espera de que Lizzie crescesse para se casar com um homem rico que resolveria todos os problemas financeiros. Agora, Lizzie tinha 20 anos e era hora de cumprir o seu destino. Essa era claramente a razão para os Jamissons visitarem sua propriedade escocesa após tantos anos e para os convidados principais serem seus vizinhos, Lizzie e a mãe, que viviam a pouco mais de 15 quilômetros. O pretexto dado para a festa era o vigésimo primeiro aniversário do caçula, Jay, mas o verdadeiro motivo era o desejo da família de que Lizzie se casasse com o primogênito, Robert. Lady Hallim apoiava a ideia, uma vez que Robert era herdeiro de uma grande fortuna. Sir George pensava o mesmo, pois queria acrescentar a propriedade dos Hallims às suas posses. Robert também parecia ser da mesma opinião, a julgar pela maneira como vinha prestando atenção em Lizzie desde que elas haviam chegado; por outro lado, era sempre difícil saber o que se passava no coração de Robert. Ela o viu na estrebaria, aguardando seus cavalos serem selados. Ele se parecia com o retrato da própria mãe pendurado no hall do castelo: sisudo e de traços comuns, com cabelos finos, olhos claros e algo em sua boca e maxilar que indicava uma pessoa determinada. Não havia nada de errado com ele: não chegava a ser feio, não era magro nem gordo e tampouco cheirava mal, bebia muito ou se vestia de maneira efeminada. Era um excelente partido, disse Lizzie para si mesma, e ela provavelmente aceitaria se ele a pedisse em casamento. Não se apaixonara, mas tinha plena noção do seu dever. Decidiu conversar um pouco com ele: – É muita falta de consideração de vocês viverem em Londres. – Falta de consideração? – Ele franziu a testa. – Por quê? – Assim não temos vizinhos. – Ele continuava com uma expressão intrigada; não parecia ter muito senso de humor. Lizzie explicou: – Como vocês moram lá, não há uma só alma entre este lugar e Edimburgo. – Isso se você não levar em conta uma centena de famílias de mineradores e várias aldeias de arrendatários – falou alguém atrás dela. – O senhor sabe do que estou falando – retrucou ela, virando-se. Não conhecia o homem que lhe dirigira a palavra e, como de costume, lhe perguntou sem rodeios: – Afinal, quem é o senhor? – Jay Jamisson – apresentou-se ele com uma mesura. – O irmão mais inteligente de Robert. Como pôde esquecer? – Ah! – exclamou ela, surpresa. Lizzie ouvira dizer que ele havia chegado tarde na noite anterior, mas não o reconhecera. Cinco anos atrás, ele era bem mais baixo, com espinhas na testa e uma penugem loira no queixo. Agora, estava muito mais bonito. Mas, na época, não era muito inteligente e Lizzie duvidava que houvesse mudado neste aspecto. – Eu me lembro do senhor – acrescentou ela. – Estou reconhecendo a presunção. Ele deu um sorriso malicioso. – Quem dera eu tivesse sua humildade e discrição como exemplo a seguir, Srta. Hallim. – Olá, Jay – atalhou Robert. – Bem-vindo ao Castelo Jamisson. Jay pareceu subitamente mal-humorado. – Não me venha com este tom possessivo, Robert. Você pode ser o primogênito, mas ainda não herdou a propriedade. – Parabéns pelos seus 21 anos – interveio Lizzie. – Obrigado. – É hoje mesmo o aniversário? – Sim. – Vai de cavalo à igreja conosco? – indagou Robert, impaciente. Lizzie notou o rancor no olhar de Jay, mas sua resposta soou neutra: – Vou. Mandei que selassem um cavalo para mim. – É melhor irmos andando. – Robert voltou-se para a estrebaria e acrescentou, erguendo a voz: – Vamos logo com isso! – Tudo pronto, senhor! – gritou um cavalariço. No instante seguinte, três cavalos foram conduzidos para fora da cocheira: um pônei negro robusto, uma égua castanho-clara e um capão pardo. – Suponho que estes animais tenham sido alugados de algum comerciante de cavalos de Edimburgo – comentou Jay. Seu tom era de crítica, mas ele se aproximou do capão e lhe afagou o pescoço, deixando-o esfregar o focinho em seu paletó de montaria azul. Lizzie notou que ele se sentia à vontade perto de cavalos e gostava deles. Ela montou no pônei, sentando-se de lado, e afastou-se trotando do pátio. Os irmãos a seguiram, Jay no capão e Robert na égua. O vento soprava uma mistura de chuva e neve nos olhos de Lizzie. A neve que cobria o chão tornava a estrada traiçoeira, pois escondia buracos de 30 centímetros ou mais de profundidade que poderiam fazer os cavalos tropeçarem. – Vamos pelo bosque – disse Lizzie. – Ficaremos protegidos e o solo não é tão irregular. Sem aguardar o consentimento dos dois, ela saiu da estrada e adentrou a antiga floresta. Sob os pinheiros altos, o solo era livre de arbustos. Córregos e áreas pantanosas estavam totalmente congelados e o chão se achava salpicado de branco. Lizzie fez sua montaria andar a meio-galope. Após alguns instantes, o cavalo pardo a ultrapassou. Ela ergueu os olhos e viu um sorriso desafiador no rosto de Jay: ele queria disputar uma corrida. Lizzie soltou um grito e chutou o flanco do pônei, que se lançou adiante com entusiasmo. Eles dispararam por entre as árvores, agachando-se para evitar os galhos baixos, saltando por sobre troncos caídos e chapinhando despreocupadamente pelos riachos. O cavalo de Jay era maior e teria sido mais rápido a galope, mas as pernas curtas e o porte leve do pônei adaptavam-se melhor àquele terreno. Logo, aos poucos, Lizzie abriu vantagem. Quando já não conseguia ouvir o cavalo de Jay, desacelerou e parou em uma clareira. Jay logo a alcançou, mas não havia sinal de Robert. Lizzie supôs que ele fosse sensato demais para arriscar seu pescoço em uma corrida sem sentido. Ela e Jay seguiram em frente, lado a lado, recuperando o fôlego. O calor emanava das montarias, mantendo os cavaleiros aquecidos. – Gostaria de apostar corrida com a senhorita em uma pista nivelada – disse Jay, ofegante. – Se eu não montasse de lado, ganharia. Ele pareceu um pouco chocado. Todas as mulheres de boa criação sentavam-se de lado. Qualquer uma que de fato montasse sobre o cavalo seria considerada vulgar. Lizzie achava isso uma tolice e, sempre que estava sozinha, cavalgava como um homem. Ela avaliou Jay com o canto do olho. Sua mãe, Alicia, a segunda esposa de Sir George, era uma coquete de cabelos loiros e Jay herdara seus olhos azuis e seu sorriso cativante. – O que o senhor faz em Londres? – perguntou Lizzie. – Estou no Terceiro Regimento de Infantaria da Guarda. – Ele acrescentou com um quê de orgulho: – Acabo de ser promovido a capitão. – Ora, ora, capitão Jamisson, o que vocês bravos soldados têm para fazer? – indagou ela, em tom de zombaria. – Por acaso Londres está em guerra no momento? Há algum inimigo que o senhor possa matar? – Manter a ralé sob controle já nos dá trabalho o suficiente. Lizzie lembrou-se de repente de como Jay era cruel e malvado quando criança e imaginou se ele gostava do emprego. – E como o senhor faz para controlá-los? – Garantindo, por exemplo, que os comparsas de criminosos que escoltamos até o cadafalso não venham resgatá-los antes de o carrasco fazer o serviço. – Então o senhor passa o tempo matando ingleses, como um verdadeiro herói escocês. Jay não parecia se importar com aquelas provocações. – Um dia, gostaria de pedir exoneração do meu posto e viajar para o estrangeiro – revelou ele. – Sério? Por quê? – Ninguém dá a mínima importância para o caçula de uma família em seu país de origem. Até os criados hesitam quando você lhes dá uma ordem. – E o senhor acredita que será diferente em outro lugar? – Tudo é diferente nas colônias. Já li a respeito nos livros. As pessoas são mais livres e sossegadas. Você é aceito pelo que é. – E o que faria no estrangeiro? – Minha família tem uma fazenda de cana-de-açúcar em Barbados. Espero que meu pai a dê para mim de presente pelos 21 anos, como minha parcela dos bens, por assim dizer. – Sorte a sua – falou ela, sentindo uma profunda inveja. – Não há nada que eu deseje mais do que ir para outro país. Deve ser tão emocionante... – A vida é dura por lá. A senhorita talvez sentisse falta dos confortos que temos, como as lojas, as óperas, a moda francesa e assim por diante. – Não ligo para nada disso. Odeio estas roupas – retrucou ela com desdém, referindo-se à saia rodada e ao espartilho apertado na cintura. – Queria muito poder me vestir como um homem, com calções, camisas e botas de montaria. Jay riu. – Isso talvez fosse demais, até mesmo em Barbados. Ora, se Robert me levasse para Barbados, eu me casaria com ele sem pestanejar, pensou Lizzie. – E você ainda tem escravos para fazer todo o trabalho – acrescentou Jay. Eles saíram da floresta poucos metros à frente da ponte. Do outro lado do rio, os mineradores enfileiravam-se para entrar na igreja. Lizzie ainda pensava sobre Barbados. – Estranho ser dono de escravos e poder fazer o que quiser com eles, como se fossem animais – comentou ela. – Não lhe parece estranho? – Nem um pouco – replicou Jay com um sorriso. CAPÍTULO TRÊS A PEQUENA IGREJA estava lotada. Os Jamissons e seus convidados ocupavam grande parte do espaço, as mulheres com saias largas e os homens com espadas e chapéus de três pontas. Os mineradores e arrendatários que formavam a habitual congregação dominical mantinham certa distância dos recém-chegados, como se temessem tocar suas roupas elegantes e sujá-los de pó de carvão e bosta de vaca. Mack falara com Esther de modo desafiador, mas na verdade estava bastante apreensivo. Donos de minas tinham o direito de açoitar mineradores e, além do mais, Sir George era um magistrado, o que significava que poderia mandar qualquer um para a forca sem qualquer objeção. Seria mesmo imprudente por parte de Mack arriscar-se à ira de um homem tão poderoso. Porém, era uma questão de justiça. Mack e os outros mineradores vinham sendo tratados de forma injusta e ilegal e, sempre que pensava nisso, sentia tanta raiva que sua vontade era falar com todo mundo do assunto. Não podia espalhar aquela notícia às escondidas, como se não fosse bem verdade. Precisava ser corajoso ou desistir. Por um instante, cogitou a segunda opção. Para que criar problemas? O hino começou e os mineradores se puseram a cantá-lo em harmonia, enchendo a igreja com suas vozes emocionantes. Mack ouviu o tenor sublime de Jimmy Lee, o melhor cantor da aldeia. A cantoria o fez pensar no vale de High Glen e em seu sonho de liberdade, então ele controlou seus nervos e decidiu seguir em frente conforme o planejado. O pastor, reverendo John York, era um quarentão pacato de cabelos ralos. Inseguro diante de visitantes tão nobres, ele titubeava ao falar. Seu sermão era sobre a Verdade. Como reagiria quando Mack lesse a carta? Seu primeiro impulso seria ficar do lado do proprietário da mina. Ele provavelmente jantaria no castelo após a missa. Mas era um clérigo: seria obrigado a defender a justiça, independentemente do que Sir George viesse a dizer, não? As simples paredes de pedra da igreja eram nuas. Não havia fogo, é claro, e o hálito de Mack se condensava no ar frio. Ele analisou as pessoas que vinham do castelo. Reconheceu a maior parte da família Jamisson. Na infância de Mack, eles costumavam passar muito tempo por lá. Sir George era inconfundível, com o rosto vermelho e a barriga grande. A esposa se encontrava ao lado, em um vestido rosa cheio de babados que talvez ficasse bonito em uma mulher mais jovem. Havia também Robert, o filho mais velho, de 26 anos, com seu olhar severo e desprovido de humor, apenas começando a desenvolver a barriga arredondada do pai. Ao seu lado, estava um rapaz loiro e bonito mais ou menos da idade de Mack: só podia ser Jay, o caçula. No verão em que Mack tinha 6 anos, ele brincara com Jay todos os dias na floresta que cercava o Castelo Jamisson e ambos pensavam que seriam amigos pelo resto da vida. Mas naquele inverno Mack começara a trabalhar na mina, e então já não havia tempo para brincadeiras. Ele reconheceu alguns dos convidados dos Jamissons. Lady Hallim e sua filha Lizzie lhe eram familiares. Havia anos a garota provocava comoção e escândalos no vale. As pessoas diziam que ela se vestia como um homem e andava com uma arma apoiada no ombro. Que era capaz de dar suas botas para uma criança descalça e repreender a mãe por não limpar a entrada de casa. Fazia muito tempo que Mack não a via. As terras dos Hallims tinham sua própria igreja, logo eles não iam até ali todos os domingos, mas chegavam à paróquia sempre no mesmo período em que os Jamissons vinham para casa. Mack se lembrava de tê-la visto pela última vez quando Lizzie tinha uns 15 anos; vestida como uma donzela, mas atirando pedras nos esquilos como um menino. A mãe de Mack fora, durante um tempo, dama de companhia na High Glen House, a mansão dos Hallims, e, depois que se casou, chegara a visitar a propriedade algumas vezes nas tardes de domingo, para rever velhas amigas e mostrar seus bebês gêmeos. Mack e Esther costumavam brincar com Lizzie, provavelmente sem o conhecimento de lady Hallim. A filha era uma fedelha: mandona, egoísta e mimada. Mack a beijara certa vez e ela o puxara pelos cabelos e o fizera chorar. Não parecia ter mudado muito. Lizzie tinha um rosto pequeno e travesso, cabelos castanho-escuros encaracolados e olhos muito negros que sugeriam malícia. Sua boca era como um laço cor-de-rosa. Ao olhar para ela, Mack pensou: “Bem que eu gostaria de beijá-la agora.” Assim que essa ideia lhe passou pela cabeça, Lizzie voltou os olhos em sua direção. Ele afastou o olhar, constrangido, como se a garota tivesse lido sua mente. O sermão chegou ao fim. Além do habitual culto presbiteriano, haveria um batizado naquele dia: Jen, prima de Mack, havia dado à luz o quarto filho. O primogênito, Wullie, já trabalhava na mina. Mack decidira que o melhor momento para fazer o anúncio seria durante o batizado. À medida que a hora se aproximava, ele começou a sentir um frio na barriga. Então, disse a si mesmo para não ser tolo: arriscava a vida todos os dias nas profundezas da mina... por que deveria ter medo de enfrentar um comerciante gordo? Jen estava de pé diante da congregação, com um ar cansado. Tinha apenas 30 anos, mas havia engravidado muitas vezes e trabalhado na mina durante 23 anos, portanto já estava exaurida. O Sr. York aspergiu água sobre a cabeça do bebê e o pai, Saul, repetiu as palavras que transformavam em escravo todo filho homem de um minerador escocês. – Prometo que esta criança trabalhará nas minas de Sir George Jamisson até o limite de sua capacidade ou até a morte. Aquele era o momento. Ele se levantou. Naquele instante da cerimônia, o capataz, Harry Ratchett, normalmente se aproximaria da fonte batismal e entregaria a Saul o “abono” – o tradicional prêmio dado ao pai por ele ter prometido seu filho – no valor de 10 libras. Contudo, para surpresa de Mack, o próprio Sir George se ergueu para cumprir o ritual. Ele cruzou olhares com Mack. Por um breve momento, os dois ficaram parados, se encarando. Então, Sir George se encaminhou para a fonte batismal. Mack foi em direção ao corredor central da pequena igreja e falou em voz alta: – O pagamento do abono não significa nada. Sir George estacou e todas as cabeças se voltaram para Mack. Houve um instante de silêncio chocado. Mack conseguia ouvir os batimentos do próprio coração. – A cerimônia não tem efeito nenhum – declarou Mack. – O bebê não pode ser prometido à mina. Nenhuma criança pode ser escravizada. – Sente-se, jovenzinho idiota, e cale-se – retrucou Sir George. O tom desdenhoso e condescendente irritou Mack de tal forma que todas as suas dúvidas se dissiparam. – O senhor é quem deveria se sentar – replicou ele por impulso, e a congregação arquejou de espanto diante de tamanha insolência. Mack apontou um dedo para o Sr. York. – O senhor falou sobre a Verdade em seu sermão, pastor... Irá defendê-la agora? O pastor fitou Mack com um olhar aflito. – Do que está falando, McAsh? – De escravidão! – Ora essa, você conhece a lei da Escócia – falou York em um tom conciliador. – Os mineradores são propriedade do dono da mina. Depois que um homem trabalha nela por um ano e um dia, ele perde a liberdade. – Sim. É cruel, mas é a lei. O que estou dizendo é que a lei não escraviza crianças e posso provar isso. – Nós precisamos do dinheiro, Mack! – protestou Saul. – Pode pegá-lo. Seu filho irá trabalhar para Sir George até completar 21 anos, e isso vale 10 libras. Mas... – acrescentou Mack, erguendo a voz – ... quando chegar à maioridade, ele será livre! – Aconselho que controle sua língua – falou Sir George, em tom de ameaça. – Esse é um discurso perigoso. – Mas é a verdade – insistiu Mack. Sir George ficou roxo: não estava habituado a ser desafiado com tanta determinação. – Vou lidar com você depois da missa – garantiu, possesso. Ele entregou o prêmio a Saul e voltou-se para o pastor. – Tenha a gentileza de prosseguir, reverendo. Mack ficou desconcertado; eles iriam simplesmente continuar a cerimônia como se nada tivesse acontecido? – Vamos cantar o hino de encerramento – anunciou o pastor. Sir George voltou ao seu lugar. Mack continuou de pé, sem conseguir acreditar que aquele era o fim. – Diz o segundo salmo: “Por que se amotinam as nações, e os povos tramam em vão?” – prosseguiu o pastor. – Não, ainda não – falou alguém atrás de Mack. Virou-se para olhar: era Jimmy Lee. Ele já havia tentado fugir uma vez e, como punição, usava em volta do pescoço um colar de ferro com as seguintes palavras gravadas: Este homem é propriedade de Sir George Jamisson, condado de Fife, AD 1767. Graças a Deus, pensou Mack. – Você tem que terminar de falar – disse Jimmy. – Farei 21 na semana que vem. Se vou ser livre, quero saber mais a respeito. – Assim como todos nós – acrescentou Ma Lee, a mãe do garoto. Ela era uma robusta senhora de idade, sem dentes, muito respeitada e influente na aldeia. Vários outros homens e mulheres expressaram sua concordância. – Vocês não serão livres – afirmou Sir George com rispidez, tornando a se levantar. Esther puxou a manga de Mack. – A carta! – sibilou ela em tom de urgência. – Mostre a carta a ele! No meio de toda aquela comoção, Mack havia se esquecido dela. – Não é o que diz a lei, Sir George! – exclamou, brandindo a carta no ar. – Que papel é esse, McAsh? – perguntou York. – É a carta de um advogado londrino que consultei. Sir George ficou tão indignado que parecia prestes a explodir. Mack sentiu-se grato por eles estarem separados por algumas fileiras de bancos, caso contrário o dono das terras talvez o tivesse esganado. – Você consultou um advogado?! – questionou Sir George, cuspindo as palavras. Isso parecia ofendê-lo mais do que qualquer outra coisa. – O que diz a carta? – perguntou o reverendo York. – Vou lê-la – respondeu Mack. – “A cerimônia do abono não tem fundamento nas leis inglesas ou escocesas.” – Um burburinho de comentários surpresos se espalhou pela congregação: aquilo contradizia tudo o que eles haviam sido levados a acreditar. – “Os pais não podem vender aquilo que não possuem, a saber, a liberdade de um homem adulto. Podem obrigar seus filhos a trabalharem na mina até que eles completem 21 anos, mas...” – Mack fez uma pausa dramática e leu o trecho seguinte bem devagar – “... então ele será livre para ir embora”! Houve uma comoção, uma centena de pessoas falando, gritando, exclamando. Cerca da metade dos homens naquela igreja fora prometida à mina quando crianças e eles sempre haviam se considerado escravos. Agora recebiam a notícia de que tinham sido enganados e queriam saber a verdade. Mack ergueu a mão para pedir silêncio e quase imediatamente todos se calaram. Por um instante, ficou admirado com seu poder. – Deixem-me ler apenas mais uma linha: “Assim que um homem atinge a maioridade, as leis que se aplicam a ele são as mesmas que se aplicam a qualquer outro cidadão escocês: depois que tiver trabalhado por um ano e um dia como adulto, ele perde a liberdade.” Houve alguns resmungos de raiva e decepção. Aquilo não era nenhuma revolução, perceberam os homens; a maioria deles não se tornara nem um pouco mais livre do que antes. Mas seus filhos talvez pudessem escapar daquele destino. – Deixe-me ver esta carta, McAsh – pediu York. Mack foi até o púlpito e a entregou ao pastor. Sir George, ainda vermelho de raiva, perguntou: – Quem é esse tal advogado? – O nome dele é Caspar Gordonson – respondeu Mack. – Ah, sim, já ouvi falar dele – comentou York. – Eu também – disse Sir George em tom de zombaria. – Ele é um radical! Está associado a John Wilkes. – Todos sabiam quem era: o célebre líder liberal que vivia exilado em Paris, mas sempre ameaçava voltar para solapar o governo. – Se depender de mim, Gordonson será levado à forca por isso. Esta carta é uma traição à pátria. O pastor ficou chocado. – Não me parece haver nada que configure traição nesta... – É melhor o senhor se ater ao reino dos céus – interrompeu Sir George com rispidez. – Deixe que os homens deste mundo decidam o que é traição e o que não é. – Ele arrancou a carta das mãos de York. A congregação ficou chocada com a repreensão grosseira contra o pastor. Todos permaneceram calados, aguardando a reação dele. York continuou a encarar Jamisson com firmeza e Mack teve certeza de que o reverendo desafiaria o dono das terras. Porém, por fim, York baixou o olhar e Jamisson assumiu um ar triunfante. Ele tornou a se sentar, como se estivesse tudo acabado. Mack ficou indignado com a covardia de York: a Igreja deveria ser a autoridade moral ali. Um pastor que recebesse ordens do baronete era totalmente inútil. Mack fitou o homem com um olhar de puro desprezo e falou com sarcasmo: – Quer dizer que não devemos respeitar a lei? Robert Jamisson se levantou, furioso como o pai. – Vocês respeitarão a lei informada pelo dono das suas terras. – É o mesmo que não ter lei – retrucou Mack. – O que não faz a menor diferença no seu caso. Você é um minerador; desde quando leis lhe dizem respeito? Quanto a escrever para advogados... – Ele tomou a carta do pai. – Eis o que penso do seu advogado. – Ele rasgou o papel no meio. Os mineradores arquejaram. O futuro deles estava escrito naquela folha e o homem a rasgara. Robert fez a carta em pedacinhos, e os lançou no ar. Eles caíram sobre Saul e Jen como confetes em um dia de casamento. Mack sentiu uma angústia profunda, como se alguém tivesse morrido. A carta era a coisa mais importante que lhe havia acontecido na vida. Ele planejava mostrá-la para todos do lugar. Imaginara-se levando-a até outras minas em outras aldeias, até toda a Escócia ter conhecimento dela. Robert, no entanto, a destruíra em um piscar de olhos. A derrota devia ser evidente em seu rosto, pois Robert parecia exultante. Isso enfureceu Mack; ele não seria esmagado com tanta facilidade. A raiva lhe deu coragem. Não vai acabar assim, pensou. A carta não existia mais, porém a lei sim. – Vejo que ficou assustado o suficiente para destruir a carta – falou ele, surpreso ao ouvir o tom intimidador, de escárnio, em sua própria voz. – Mas não pode fazer o mesmo com a lei. Ela está escrita em um papel bem mais difícil de rasgar. Robert ficou pasmo. Hesitou, sem saber bem como reagir a tamanha eloquência. – Saia daqui – ordenou com irritação alguns instantes depois. Mack olhou para o reverendo York e os Jamissons fizeram o mesmo. Nenhum leigo tinha o direito de expulsar um membro da congregação da igreja. O pastor baixaria a cabeça e deixaria o filho do proprietário das terras enxotar um membro de seu rebanho? – Esta é a casa de Deus ou de Sir George Jamisson? – exigiu saber Mack. Era um momento decisivo e York não estava à altura dele. Aparentemente constrangido, respondeu enfim: - É melhor você ir embora, Mack. McAsh não pôde deixar de retrucar, embora soubesse estar sendo imprudente: – Obrigado por seu sermão sobre a Verdade, pastor. Nunca me esquecerei dele. Mack se virou para ir embora. Esther também se levantou. Quando começaram a andar pelo corredor, Jimmy se pôs de pé e os acompanhou. Mais um ou outro membro da congregação se ergueu, depois Ma Lee e, de repente, o êxodo se tornou geral. Ouviu-se um rumor alto de botas e farfalhar de vestidos à medida que os mineradores abandonavam seus lugares, levando as famílias consigo. Ao chegar à porta, Mack percebeu que todos os mineiros presentes estavam saindo com ele da igreja e foi invadido por uma sensação de companheirismo e triunfo que levou lágrimas aos seus olhos. Todos se reuniram ao redor dele no pátio. O vento havia diminuído mas estava nevando, grandes flocos caindo preguiçosamente sobre as lápides. – Aquilo não foi certo, rasgar a carta daquele jeito – disse Jimmy, furioso. Muitos outros concordaram. – Vamos escrever para ele de novo – opinou outro minerador. – Talvez não seja tão fácil enviar a carta uma segunda vez – replicou Mack. Sua mente, no entanto, não estava concentrada naqueles detalhes. Ele ofegava e sentia-se exausto e eufórico, como se tivesse subido correndo a encosta do High Glen. – A lei é a lei! – exclamou um minerador. – Sim, mas o dono das terras é o dono das terras – acrescentou um terceiro, mais cauteloso. À medida que se acalmava, Mack começou a se perguntar o que obtivera de fato. Exaltara os ânimos de todos, é claro, mas isso não mudaria nada. Os Jamissons tinham se recusado terminantemente a reconhecer a lei. Se não arredassem pé, o que os mineradores poderiam fazer? Havia sentido em lutar por justiça? Não seria melhor ser subserviente ao proprietário das terras e torcer para um dia ocupar o posto de Harry Ratchett como supervisor? Uma pequena figura vestindo um casaco de pele negro saiu correndo da igreja como um cão de caça libertado da coleira. Era Lizzie Hallim. Ela foi direto para cima de Mack. Os mineradores apressaram-se a sair do caminho. Mack a encarou. Tranquila, ela já era bonita, mas agora, com o rosto inflamado de indignação, estava encantadora. Com os olhos negros em chamas, questionou: – Quem você pensa que é? – Sou Malachi McAsh... – Eu sei o seu nome – atalhou ela. – Como ousa falar com o dono destas terras e com o filho dele daquela maneira? – Como eles ousam nos escravizar se a lei os proíbe? Os mineradores murmuraram em concordância. Lizzie correu os olhos por eles, com flocos de neve prendendo-se ao seu casaco. Um deles caiu sobre o seu nariz e ela o afastou com um gesto impaciente. – Vocês têm sorte de receberem para trabalhar. Deveriam todos ser gratos a Sir George por ele ter desenvolvido estas minas e fornecido às suas famílias um meio de subsistência. – Se temos tanta sorte, por que eles precisam de leis que nos proíbam de ir embora da aldeia e buscar trabalho em outros lugares? – Porque vocês são tolos demais para perceberem o quanto são afortunados! Mack percebeu que estava gostando daquela discussão, não só porque, assim, encarava uma mulher bonita da classe alta. Como oponente, ela era muito mais sutil do que Sir George ou Robert. Ele baixou a voz e assumiu um tom intrigado: – Srta. Hallim, já esteve nas profundezas de uma mina de carvão? Ma Lee soltou uma risada. – Não seja ridículo – rebateu Lizzie. – Se algum dia fizer isso, garanto que nunca mais nos chamará de afortunados. – Já ouvi demais a sua insolência. Você deveria ser açoitado. – E provavelmente serei – falou ele. Mas não acreditava nisso: nenhum minerador tinha sido açoitado ali desde que ele nascera, embora seu pai tivesse visto isso acontecer. Lizzie arfava, o busto subindo e descendo. Mack teve que se esforçar para não olhar para os seus seios. – Você tem uma resposta para tudo, sempre teve – comentou ela. – É verdade, mas a senhorita nunca deu ouvidos a nenhuma delas. Ele sentiu uma cotovelada dolorosa na lateral do corpo: era Esther, dizendo-lhe para tomar cuidado, lembrando-lhe de que nunca valia a pena tentar ser mais esperto do que os nobres. – Vamos pensar nisso, Srta. Hallim – garantiu ela –, e obrigada pelo seu conselho. Lizzie assentiu de forma condescendente. – Você é Esther, não? – Sim, senhorita. Ela se voltou para Mack. – Deveria ouvir à sua irmã, ela tem mais bom senso do que você. – Esta é a primeira verdade que a senhorita me disse hoje. – Mack, fecha essa matraca – sibilou Esther. Lizzie sorriu e, de repente, toda a sua arrogância se esvaiu. O sorriso iluminou seu rosto e ela parecia outra pessoa, amigável e alegre. – Há muito tempo eu não ouvia essa expressão – comentou aos risos. Mack não pôde deixar de rir com ela. Ela se virou para ir embora, ainda soltando risadinhas. Mack a observou voltar para o pórtico da igreja e se juntar aos Jamissons, que acabavam de sair. – Meu Deus – disse ele, balançando a cabeça. – Que mulher.

Avaliações

Avaliação geral: 5

Você está revisando: Um Lugar Chamado Liberdade

Marleni recomendou este produto.
05/03/2015

Um livro maravilhoso!!!

Para quem gosta da literatura do Ken Follett, tenho certeza que vai amar esse livro. História muito envolvente. Nos deixa na torcida para que Mack, o mineiro escocês, encontre o "lugar chamado liberdade".

Recomendo a leitura. Amei!
Esse comentário foi útil para você? Sim (1) / Não (0)
Um Lugar Chamado Liberdade (Cód: 8250503) Um Lugar Chamado Liberdade (Cód: 8250503)
R$ 31,90
Um Lugar Chamado Liberdade (Cód: 8250503) Um Lugar Chamado Liberdade (Cód: 8250503)
R$ 31,90