Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Um Mapa da Esquerda na Europa Ocidental (Cód: 414983)

Anderson, Perry

Contraponto

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

Economize até R$ 4,40

R$ 39,60 (-10%) em até 1x no crédito R$ 39,60 (-10%) no boleto
R$ 44,00
Cartão Saraiva R$ 39,60 (-10%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 22,00 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Um Mapa da Esquerda na Europa Ocidental

R$44,00

Descrição

'Escrever a história de um partido é escrever, de um ponto de vista monográfico, a história geral de um país.' A frase de Gramsci, citada por Perry Anderson em sua longa introdução, sintetiza o espírito deste novo volume da série de livros, iniciada com Um mapa da ideologia, que pretende 'mapear' as mais importantes questões contemporâneas das ciências sociais. Trata-se agora de compreender a ascensão, o auge e o atual declínio das principais correntes da esquerda européia, no contexto de um continente em mutação.
Diversos fatores contribuem para enfraquecer as instâncias coletivas que estimularam, neste século, a contestação do status quo na Europa: cai o peso social e aumenta a heterogeneidade interna da classe trabalhadora tradicional, emergem novas questões (de geração, de gênero, de nacionalidades), o continente transforma-se de zona tradicional de emigração em zona de imigração. O arsenal socialdemocrata de administração econômica se torna quase inócuo diante do aumento da mobilidade internacional do capital, enquanto uma crise terminal atinge o fundamento de descendência da Revolução Russa, formador das diversas variantes do movimento comunista. Novos setores, que ainda reivindicam o marxismo ou fazem opção pela ecologia, não são alternativa de governo.
Poderá a esquerda recuperar-se dos últimos reveses? Em que direção, privilegiando que temáticas? Seu destino é exercer apenas um papel retificador da ordem, ou ainda é possível pensar sua ação nos termos de uma teoria geral que aponte para a edificação de uma sociedade alternativa?
O debate aqui realizado, de tão evidente interesse para o Brasil, abrange os principais países das três camadas do capitalismo na Europa Ocidental: o Sul latino, onde a socialdemocracia sempre esteve pressionada à sua esquerda por uma poderosa tradição comunista, o Centro anglo-germânico, onde se manteve forte a disputa com correstes conservadoras, e o Norte escandinavo, onde ocorreram as mais bem-sucedidas experiências de introdução gradual de maiores níveis de igualdade social em sociedades industriais modernas.
O livro é uma história contemporânea da Europa, vista de uma perspectiva centrada na evolução da esquerda. Pois a reconstrução da trajetória das grandes correntes da esquerda exige, é claro, que se descrevam as configurações da direita e os estilos. de desenvolvimento adotados em cada país. Nos três mais importantes países latinos, a ordem institucional contemporânea é revisitada desde as origens – a Quinta República (na França), a transição do franquismo (na Espanha), a Liberação (na Itália) – para que se dê então um balanço pormenorizado, seja do longo período em que a esquerda exerceu o poder nos anos 80 (nos dois primeiros casos), seja da incapacidade do maior partido comunista do Ocidente de realizar a estratégia do 'compromisso histórico'. Na Alemanha, destacam-se as dificuldades da poderosa socialdemocracia para lidar com os problemas da reunificação nacional e da crescente fragmentação do eleitorado, causada pela profunda alteração, em curso, nos mundos do trabalho e da vida privada. Na Inglaterra, ressaltam-se a especificidade e o impacto de um sistema político que forma maiorias parlamentares quase sempre sustentadas em minorias eleitorais. Na Escandinávia, é muito instrutiva a discussão sobre as potencialidades e as contradições dos modelos econômicos subjacentes à longevidade da hegemonia socialdemocrata. Por fim, aprendemos como foi possível crescer na Dinamarca uma opinião pública hostil ao welfare state, antes mesmo da ascensão de Tatcher ao poder na Inglaterra.
Um mapa da esquerda na Europa Ocidental mostra que um intenso esforço de formulação teórica e estratégica é essencial, se quisermos buscar caminhos alternativos num mundo em rápida mudança.


César Benjamin

Características

Peso 0.42 Kg
Produto sob encomenda Não
Editora Contraponto
I.S.B.N. 8585910151
Altura 0.00 cm
Largura 0.00 cm
Profundidade 0.00 cm
Cód. Barras 9788585910150
AutorAnderson, Perry