Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Frete Grátis
  • Google Plus

Um Toque na Estrela (Cód: 2602355)

Groult,Benoite

Record

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 47,90
Cartão Saraiva R$ 45,51 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 23,95 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Um Toque na Estrela

R$47,90

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Uma das mais importantes romancistas e ensaístas de sua geração, a francesa Benoite Groult escreveu , aos 86 anos, um delicado elogio à maturidade Com um texto sensível e inquietante, ela dispara sua lucidez contra a fobia da velhice e defende a passagem do tempo como conquista da experiência, e não perda da juventude. Um toque na estrela é uma bela reflexão sobre a vida, um texto em que a autora cria uma personagem que sente o peso da idade, mas ao mesmo tempo esbanja lucidez e bom humor.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Record
Cód. Barras 9788501079121
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 850107912X
Profundidade 2.00 cm
Acabamento Brochura
Tradutor Carmem Cacciacarro, Ari Roitman
Número da edição 2
Ano da edição 2009
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 224
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorGroult,Benoite

Leia um trecho

I Moira Todos me chamam de Moira. Vocês pensam que não me conhecem, mas todo mundo vive mais ou menos comigo sem saber, e ocupo um lugar cada vez maior em boa parte de suas vidas. Aliás, ser uma Moira tornou-se um emprego apaixonante desde que tantas pessoas, que passaram seus verdes anos se achando eternas, perdem o norte conforme a fl or da idade vai murchando e surge, inexorável, o fruto da maturidade. É nesse estágio que elas se tornam interessantes, e que o meu poder começa. Antes eram tão seguras de si, tão ignorantes, tão maravilhosamente ingênuas, que eu não conseguia abalar o seu prazer de viver, seu dom da indiferença, a violência do desejo e também sua pungente doçura, cujo sabor jamais conhecerei. A imortalidade é uma punição da qual é preciso se vingar. Ora, graças aos progressos da ciência, agora disponho de um imenso viveiro que não pára de aumentar com novos adeptos. Os golpes que recebem são cada vez mais fortes, mas eles continuam a avançar cegamente, primeiro porque são empurrados, e também porque é próprio do homem colocar um pé na frente do outro. Muitos ainda permanecem ilesos. Outros fi ngem. Quanto àqueles cuja morte estava marcada mas puderam recorrer da sentença, não terão paz enquanto não reconstituírem sua couraça. E os que se salvam são os mais ardentes ao reviver, esquecendo os contragolpes que virão em dois anos ou em dez, ou nunca, ou de maneira diferente... de qualquer forma, dá na mesma: você nunca será invencível, bobinho. Uma vez que a morte tenha posto as garras em você, não o soltará mais. Em silêncio, lá no fundo, ela vai se instalar como um molusco. E sua carne começará a se degradar de maneira imperceptível. Órgãos que você nem conhecia vão impor seus caprichos. Sua graça se tornará um trabalho, sua beleza, uma conquista, seu desempenho, um esforço, a indiferença, uma disciplina, sua saúde, uma fortaleza sitiada, e a inquietude, uma companheira lancinante. Durante certo tempo você ainda poderá fi ngir que nada aconteceu. Certo de contar com a cumplicidade dos seus semelhantes, vai repetir para eles o que disse o poeta: Sabe que, embora seja muito jovem, antigamente eu era mais jovem ainda? O que isto signifi ca? Certamente existe aí alguma coisa terrível.* Mas ninguém vai querer ouvi-lo, e menos ainda compartilhar a experiência, pois envelhecer é a mais solitária das navegações. Você já não é exatamente um semelhante. *Henri Michaux. De fato, aconteceu uma coisa terrível: você atravessou a linha. Só por distração será considerado normal. Em toda parte, vai ser apontado como perigoso, pois você destrói o mito pelo simples fato de existir. Lembra a cada um que é mortal, coisa que é preciso evitar a qualquer preço. Você logo vai se dar conta de que é preciso se defender da velhice como de um pecado que cometeu. De qualquer forma, aonde quer que vá, de agora em diante, estará com uma sineta pendurada, por mais que só ouça as sinetas dos outros... Sua pátria, aquela onde você nasceu e viveu a vida inteira, aquela onde pensava morrer, o renegou. Você se tornou um estrangeiro, exilado em seu próprio país. Só lhe resta descobrir uma das evidências desse seu novo estado: os velhos nunca foram jovens. Pouca gente sabe disso. Os poetas sabem, pois não têm idade. É por isto que eles são os únicos humanos que comovem a minha eternidade. As crianças também sabem que os velhos vêem tudo a partir de um outro mundo. Sabem muito bem que a avó nunca foi menina. Fingem que acreditam, para não magoar. Mas quando abrimos para elas esse livro de imagens mortas que é um álbum de retratos, é como se aquilo fosse uma história da carochinha. — Olha, aqui é a vovó brincando com o arco no jardim da tia Jeanne, que você não conheceu. Então, nasceu morta, pensa a criança. Se não a conheci, é porque ela nunca existiu. — E por que ela não empurra o arco com a bengala? — pergunta. — Porque a vovó não tinha bengala com 10 anos, ora! Tá bom, pensa a criança. É claro que a vovó nasceu vovó. Tanto que sua própria fi lha a chama de vovó! E o vovô também. Todo dia ele pede quando senta à mesa: “Por favor, vovó, passe o meu Charbon de Belloc.” E quem se lembra que ela se chama Ger maine ou Marie-Louise? E que ainda é a menina de outrora, fl utuando numa pele frouxa? E, aliás, o que é um velho senão um garoto de bigodes que ainda tem vontade de brincar com o pintinho? Eu, Moira, seu destino, não paro de admirar a sua capacidade de infância. O mérito não está em ser jovem quando se é jovem, não dá para fazer diferente. Mas o esforço que representa ser jovem quando não se é mais, isto me leva às lágrimas. Salve, acrobatas! Pois as crianças, apesar de alguns lampejos, não passam de crianças. Já os velhos acumulam todas as idades da vida. Neles convivem todos os seres que foram, sem contar aqueles que poderiam ter sido e que insistem em envenenar o presente com seus arrependimentos ou sua amargura. Os velhos não têm somente 70 anos, ainda têm 10 e também 20, e depois 30 e mais tarde 50, sem falar dos 80 que já vêem despontar. E todos esses personagens, que os recriminam, que os censuram e que nunca receberam a melhor parte, precisam ser silenciados. É por todos eles que existe uma Moira. Quando as definições se embaralham e cada qual pode se sentir milagrosamente jovem e desesperadamente velho ao mesmo tempo. Quando todos os ingressos são válidos, desde que se admita que não dão mais direito aos programas previstos. Quando as certezas vacilam, a felicidade surge às vezes, como um bandido num canto do bosque, com a infelicidade aos seus pés sem dar o sinal de alerta. Um sinal irrefutável indica rá que eles estão penetrando em outro país: a perda progressiva da sua densidade. Não tendo sexo, eu não poderia ser misógina, mas sei que isso é ainda mais verdadeiro para você, mulher, do que para o seu companheiro. Porque o homem, nascido primeiro, como teve o cuidado de demonstrar nas Escrituras de todas as religiões, e sempre no comando graças a seus métodos de gângster, consegue conservar por mais tempo sua massa molecular. Qualquer janota tem direito ao seu lugar numa calçada, mas você, mulher, à medida que a beleza ou a juventude se dilui, nota que pouco a pouco vai fi cando transparente. Logo vão esbarrar em você na rua sem vê-la. Você dirá, por costume: “Desculpe”, mas ninguém vai responder, você nem incomoda mais, você não está mais lá. Eu os vi chegar, vocês da geração que não queria mais envelhecer, após tantos séculos em que os papéis nunca mudavam. No início tentei convencê-los: “Escrevam cem vezes: sou uma pessoa idosa.” Mas mil vezes não seriam sufi cientes. Tornar-se um velho jovem, mesmo que decadente, agora parecia muito mais excitante que o papel gasto de pessoa velha, mas bem conservada. Vocês são a primeira geração a fazer uma descoberta realmente terrível: o que têm de precioso e importante para transmitir não interessa mais aos seus descendentes. Quanto à experiência que acumularam, é muito simples: ela os chateia. Não têm o menor interesse pelo mundo em que vivem, tomados pela certeza de que nunca vão ser iguais a vocês. Não venham me falar de infelicidade! Para não correr riscos, é preciso que eles os ignorem, que façam de vocês uns extraterrestres inoportunos, tutsis num mundo de hutus. Seus pais ainda puderam desfrutar do respeito dos descendentes, porque se disfarçavam de velhos, isolavam-se no espaço que destinavam a eles, e deixavam o lugar vago bem depressa. Os novos velhos aventuram-se em batalhões cada vez mais populosos por um território agitado pelos sismos da ciência e da medicina, e descobrem que às vezes é maravilhoso sobreviver, desde que se subvertam os códigos e embaralhem as pistas, para tentar fazer uma reciclagem. Hoje, ter 60 anos consiste basicamente em se considerar mais fogoso que os outros sexagenários. É ver chegar os estigmas da idade nos colegas e não notar nada em si mesmo. Para sentir-se vivo, basta ler de manhã no obituário que Fulano acaba de morrer. Aos 60 anos, que idiota! E se você tiver a sorte de ouvir ao mesmo tempo a sirene do serviço de emergência, ainda melhor. Não sou eu na ambulância, tst-tst! O importante é acordar com o silêncio dos órgãos, um “Nada a informar”, como na guerra de 1914-18. É o melhor boletim de vitória sobre a morte. Quando os órgãos começam a falar, nunca têm nada de bom a dizer. Mas quando os órgãos dos outros têm problemas, aí tudo bem! Não é que vocês tenham fi cado malvados, é que a desgraça do vizinho serve como um emplastro para o terror que começa a invadi-los. E se vocês tiverem envelhecido apesar de tudo? Não, que absurdo! Ainda não. Não mesmo. Não já. Vocês levam tempo demais para responder que sim, e muitos vão morrer jovens com uma idade avançada. E ainda dizem que a imortalidade cria invejosos. Como estão enganados! Mas isso, justamente, é na esperança de esquecer que eu intervenho às vezes para desarranjar os planos. Jean-Loup será salvo por pouco, entre o penúltimo e o último suspiro. Cinco anos de prorrogação! Ele acha que deve isso à sua mulher, que o encontrou ao pé da cama… Alice, de 75 belos anos, não deixou a alma na mesa de operação, onde lhe reduziram a fratura de tíbia que ela alegremente conseguiu cinco anos depois de esquiar pela última vez! Mas a inconseqüência humana me enternece… Alice vai praticar esqui nórdico, tão enfadonho, mas que ela fi ngirá adorar, pois não sabe viver sem amar… Léa vai descobrir o orgasmo aos 63 anos, nos braços inesperados de seu cirurgião plástico, supostamente para ressuscitar o desejo de um marido que, aliás, nunca manifestou desejo algum em relação a ela… Darei a ela seus cinco anos de felicidade carnal, mas em outra cama! Léon vai escorregar numa casca de banana, o que o impedirá de tomar o ônibus para Santiago de Compostela que dois dias mais tarde se espatifaria num barranco espanhol. Em suma, posso ser a casca de banana quando me canso de bancar a malvada. Vocês adoram me dar um rosto. No entanto, não sou uma divindade antropomórfi ca, como uma Erínia ou uma das temíveis Parcas. Moira, na mitologia grega, signifi ca simplesmente destino. E lamento não ser Deus nem Diabo, mas apenas uma lei desconhecida e incompreensível, como dizem suas enciclopédias. No início, cada indivíduo tinha sua Moira pessoal, que era a sua cota de destino. A Fatalidade, como se diria. Triste perspectiva para mim, que amo o imprevisto e as fendas da existência por onde se infi ltram os milagres. É por isso que adoro embaralhar as cartas. Acender a fagulha de um olhar para fazer nascer o amor onde não se esperava; dar origem ao neto milagroso que reconciliará com a vida uma mulher prestes a morrer. Encarnar essa parte de divino que existe em todo ser, para um a paixão pela música, para outro o espírito de aventura; e o prazer que também há em qualquer coisa, o gosto por jardins que surge no fi m da vida, o sal do mar sobre a pele, o sabor de Islay no uísque, a trufa ao pé do carvalho e até o perfume das fl ores da Datura quando a noite cai. Eu ultrapasso meus limites, sem dúvida, mas quem vai me condenar? Estou em boa posição para saber que Deus não existe de verdade. Existem apenas forças antagônicas que disputam o universo ao sabor de leis físicas que nenhum espírito humano é capaz de apreender. Nesse caos, a aposta mais incrível é a de viver. É por isso que tenho meus protegidos cá embaixo. E me desespero para compreender por meio deles o que torna a existência humana tão desejável. Mas posso reconhecer que os jovens não me divertem muito. Sempre in the mood for love! Não sendo nem humana nem divina, não consigo compreendê-los. Já os jovens velhos que me chegam hoje, ainda que em partes separadas, sabem muito bem se agarrar a esse milagre único que é a sua vida, surgida no milagre único que é o seu planeta, entre milhares de outros, gelados ou escaldantes, que vagam pelas galáxias como barcos à deriva. “O que aconteceu? A vida, e fiquei velho”, escreveu um dos meus poetas preferidos.* Tudo bem, mas também podemos dizer assim: Os humanos jamais saberão o quanto os invejo, eu, que não tenho nem vida nem idade. *Louis Aragon.

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Um Toque na Estrela