Frete Grátis
  • Google Plus

Uma Temporada de Facões (Cód: 177004)

Hatzfeld,Jean

Companhia Das Letras

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 46,00
Cartão Saraiva R$ 43,70 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 23,00 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Descrição

Durante a primavera de 1994, 800 mil tútsis foram mortos a golpes de facão, em Ruanda. Numa rotina que durou quase cem dias, das 9h30 às 16h, os hútus saíam de casa cantando e vasculhavam os pântanos em busca dos próprios vizinhos. Decepavam até o final do expediente. À noite, bebiam cerveja, trocavam mexericos, contavam piadas e afiavam as ferramentas nas pedras-pomes. 'Matar era menos cansativo do que plantar', dizem. 'Bastava vasculhar para colher'. Com enorme franqueza e muitas vezes até com candura, dez dos assassinos falam sobre a organização e execução da matança, a banalidade, o ódio, o arrependimento e o perdão. Discursam sobre o horror e o indizível. Nas conversas, uma angustiante constatação: são pessoas comuns, sem traços de ferocidade. Pais de família, jogadores de futebol, professores e lavradores que deceparam amigos íntimos sem constrangimento e, no final, fariam tudo novamente.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Companhia Das Letras
Cód. Barras 9788535906615
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 8535906614
Profundidade 0.00 cm
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 288
Peso 0.36 Kg
Largura 14.00 cm
AutorHatzfeld,Jean

Avaliações

Avaliação geral: 5

Você está revisando: Uma Temporada de Facões

diego.belingieri@gmail.com recomendou este produto.
08/02/2017

Livro marcante e duríssimo, porém brilhante.

O livro traz a coletânea de entrevistas com genocidas presos após o genocídio de Ruanda.

Além do tema tenebroso, porém vibrante, o brilhantismo reside no fato de se dar voz aos genocidas, e não somente às vítimas. Podemos, assim, verificar quão normais são aqueles supostos monstros, e quão frágil é a humanidade que, despida, dá lugar a animais ferozes.
Esse comentário foi útil para você? Sim (0) / Não (0)