Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

100 Coisas que Eu Não Vou Fazer Agora que Tenho 50 Anos (Cód: 2663389)

Crisp,Wendy Reid

L&PM

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 25,00
Cartão Saraiva R$ 23,75 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


100 Coisas que Eu Não Vou Fazer Agora que Tenho 50 Anos

R$25,00

Descrição

A vida após os 50 é para ser vivida. Para Wendy Reid Crisp, é também tempo de se sentir bem. Esta lista de '100 coisas que eu não vou fazer' apresenta lições sábias – duramente aprendidas – sobre o valor da liberdade e da alegria de viver. Depois dos 50, já não é hora de ficar ouvindo bobagens, enfrentar um acampamento, perder o contato com ex-amantes, usar tons pastel, aceitar o rótulo de 'terceira idade' e outras 95 resoluções que vão inspirar todas aquelas acima dos 50 (e algumas abaixo também).

Características

Produto sob encomenda Não
Editora L&PM
Cód. Barras 9788525419156
Altura 0.00 cm
I.S.B.N. 9788525419156
Profundidade 0.00 cm
Acabamento Brochura
Ano da edição 2009
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 112
Peso 0.44 Kg
Largura 0.00 cm
AutorCrisp,Wendy Reid

Leia um trecho

Eu não vou mais... 1. Me repetir. Um dos primeiros sintomas é o uso cada vez mais freqüente de suas frases favoritas. Logo, logo, você se dá conta de que o seu público está começando a fazer aquele tradicional gesto de confirmação com a cabeça e a terminar suas frases por você. Descobri um truque para acabar com esses cortes bruscos na minha conversa, que é o de terminar minhas frases de um modo completamente inesperado. Por exemplo: – Acordei às duas horas e não houve o que me fizesse voltar a... – A dormir – apressa-se meu impaciente interlocutor. – Não, a Ohio – respondo. Eu não vou mais... 2. Ser sincera quando o assunto for idade. O hábito compulsivo de dizer a verdade, uma herança da revolução sexual, é um comportamento fácil de adotar quando se tem 25 anos. Já como ati tude para toda a vida é de se pensar se vale a pena. Eu não vou mais... 3. Incluir partes do corpo entre os assuntos de uma conversa. Na Nova Inglaterra há um grupo de mulheres dos seus sessenta anos, amigas há mais de quarenta, que, uma vez por ano, passa um fim de semana num spa dos bons. A primeira parte do programa, na sextafeira à noite, é um “recital de órgão”. Cada uma delas recita ad nauseam o estado em que se encontram seus órgãos – coração, útero, pulmões, rins – e outros problemas de saúde. Depois disso, durante o resto do tempo, o tópico “condições físicas” fica terminantemente proibido. Eu não vou mais... 4. Exibir o colo. Se eu sentir uma necessidade irresistível de usar uma frente única ou um decote profundo, restringirei minha presença ao jardim, onde, como aqueles antigos símbolos de fertilidade, com sorte eu ainda consiga conservar meus seios e talvez inspirar uma espécie que não dependa da visão.